Ibram recebe Museu das Bandeiras após reforma do Iphan

Após a reforma, Museu das Bandeiras ganhará nova expografia

Após a reforma, Museu das Bandeiras ganhará nova expografia

Fechado ao público há nove meses, por conta de obras de restauração, o Museu das Bandeiras, localizado em Goiás (GO), será reentregue ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), no domingo (2), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A intervenção incluiu a execução de ações emergenciais (cobertura e drenagem), essenciais (estabilização e revisão estrutural, revisão das instalações, adequação das instalações de detecção e combate ao incêndio, substituição de reboco e repintura) e serviços estratégicos como a elaboração de projetos executivos de restauração.

As obras, que proporcionaram ao museu condições adequadas para a guarda do acervo e atendimento ao público, foram realizadas pela empresa Marsou Engenharia e contratadas pelo valor de R$ 798.750,92. Antes de ser reaberto à visitação do público, o museu ainda passará por revisão expográfica a cargo do Ibram.

Criado em 1954, o Museu das Bandeiras está situado no edifício que sediava a Casa de Câmara e Cadeia da antiga Vila Boa de Goyaz. Construído em 1766, o prédio foi tombado pelo Iphan ainda em 1951, como exemplo da arquitetura civil portuguesa.

Museu de Arte Sacra também será reformado pelo Ibram em parceria com Iphan

“A entrega desta obra representa o compromisso do Ibram, do Iphan e do Ministério da Cultura com a cidade de Goiás, que é um patrimônio nacional”, esclarece o presidente do Ibram, Ângelo Oswaldo.

Boa Morte
Finalizada a intervenção física no Museu das Bandeiras, será a vez de o Museu de Arte Sacra, localizado na Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte, entrar em obras.

O Ibram e o Iphan já assinaram termo para a execução de serviços que incluem ações tanto emergenciais quanto serviços essenciais. Será ainda contemplada a elaboração de projeto executivo de restauração.

A Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte foi construída em 1779 e tombada pelo Iphan em 1950. Com elementos característicos do barroco, passou a sediar o Museu de Arte Sacra da Boa Morte em 1968. O museu abriga mais de 900 peças de origem portuguesa e telas com temas religiosos.

Texto: Divulgação Iphan
Edição: Ascom/Ibram
Fotos: Iphan (foto 1) e divulgação (foto 2)

Matéria relacionada
Museu das Bandeiras: presidente do Ibram participa de oficina em Goiás

Museu das Bandeiras: presidente do Ibram participa de oficina em Goiás

Neste fim de semana (13 e 14 de setembro), o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, e a diretora do Departamento de Patrimônio Imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Celia Maria Corsino, estarão em Goiás (antiga Cidade de Goiás).

Eles irão participar de uma oficina organizada pelo diretor dos três museus Ibram na região, Renan Martins, cujo intuito é definir diretrizes para a nova museografia do Museu das Bandeiras – cuja reforma está em sua fase final.

Igreja da Boa Morte em Goiás: Museu de Arte Sacra receberá melhorias

Igreja da Boa Morte em Goiás: Museu de Arte Sacra receberá melhorias

O museu ocupa a antiga Casa de Câmara e Cadeia da Província de Goyaz, prédio cuja construção foi finalizada em 1766, seguindo projeto da Coroa Portuguesa. Criado em 1949, teve como núcleo inicial do acervo o arquivo documental da Delegacia Fiscal do Tesouro Nacional (Fazenda Pública).

Esse conjunto de documentos representa uma das fontes de informação mais importantes sobre a administração pública da região Centro-Oeste durante o período colonial, imperial e republicano. Atualmente, o acervo é composto por 573 peças, incluindo objetos de arte sacra, mobiliário, vestuário, armamentos e utensílios domésticos.

Segundo Angelo Oswaldo, a nova proposta para a exposição permanente do museu deve retomar referências ao uso primeiro do edifício no período colonial, destacando ainda elementos do ciclo do ouro goiano.

O convite a Celia Corsino se deu, especialmente, por ter sido a museóloga responsável pela primeira expografia do Museu das Bandeiras. Ainda participam da oficina a superintendente do Iphan no estado de Goiás, Salma Saddi, as secretárias de Cultura e Turismo de Goiás, e um representante dos guias de turismo da cidade.

Boa Morte
Além do Museu das Bandeiras, o presidente do Ibram visita a igreja de Nossa Senhora da Boa Morte, onde está instalado o Museu de Arte Sacra, que  pertence à Diocese de Goiás, mantido e administrado pelo Ibram, e que deverá entrar em obras em breve. O acervo é constituído de mais de 900 peças, entre objetos litúrgicos, prataria e obras do escultor e pintor goiano José Joaquim da Veiga Valle (século XIX).

“Ainda estamos na fase de planejamento da reforma. Recebemos ontem (11) a vistoria do Iphan no edifício histórico para que, então, o projeto venha a ser concluído”, esclarece Renan Martins. Quanto a reabertura do Museu das Bandeiras, o diretor dos museus Ibram no estado informa não haver ainda data definitiva.

“A obra deve ser finalizada no final deste mês. Mas somente após o cumprimento de procedimentos administrativos, assim como a montagem da nova exposição permanente, é que o Museu das Bandeiras estará pronto para receber o público outra vez”, finaliza.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação/Internet