Museu da Inconfidência recebe mostra sobre a Guerra da Tríplice Aliança

La Paraguaya. Reprodução da tela de Juan Manoel Blanes, 1879, pertencente ao acervo do Museo Nacional de Artes Visuales, Uruguai. Reprodução de imagem: Eduardo Baldizan

La Paraguaya. Reprodução da tela de Juan Manoel Blanes, 1879, pertencente ao acervo do Museo Nacional de Artes Visuales, Uruguai. Reprodução de imagem: Eduardo Baldizan

O Museu da Inconfidência (Ibram/MinC) inaugura a mostra 150 anos da Guerra da Tríplice Aliança: Distintas Visões, nesta sexta-feira (4), na Sala Manoel da Costa Athaide, Anexo I. Estarão expostos objetos, documentos e imagens vindos dos Museus Nacional de Belas Artes, Histórico Nacional, Casa de Benjamin Constant, Museu Imperial e Centro Cultural de La Republica Cabildo, do Paraguai. A iniciativa faz parte do projeto de integração cultural que o Inconfidência está desenvolvendo com o país vizinho. A visitação é gratuita e ocorrerá de terça a domingo, das 10 às 18h, até 28 de fevereiro de 2016.

Entre os destaques estão diversas fotografias originais da época, que retratam detalhes do conflito armado ocorrido na América do Sul, de 1864-1870, entre o Paraguai e a Tríplice Aliança – Brasil, Argentina e Uruguai. É possível observar nas imagens a destruição e o ambiente hostil da batalha que massacrou cerca de 90% da população masculina paraguaia. A reprodução da tela La Paraguaya (1879), do pintor uruguaio Juan Manoel Blanes, exemplifica as consequências e traz à tona a atuação das Residentas – mulheres sobreviventes que arcaram com a missão de reerguer a pátria política, social e economicamente.

O Conflito

A Guerra do Paraguai (dezembro de 1864 a março de 1870) foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul, travada entre o Paraguai e a Tríplice Aliança – Brasil, Argentina e Uruguai. É também chamada Guerra da Tríplice Aliança (Guerra de la Triple Alianza), na Argentina e Uruguai, e de Guerra Grande, no Paraguai. O conflito iniciou-se com a invasão da província brasileira de Mato Grosso pelo exército do Paraguai, sob ordens do presidente Francisco Solano López.

O ataque paraguaio ocorreu após uma intervenção armada do Brasil no Uruguai, em 1863, que pôs fim à guerra civil uruguaia ao depor o presidente Atanasio Aguirre, do Partido Blanco, e empossar seu rival colorado, Venancio Flores. Solano López temia que o Império brasileiro e a República Argentina viessem a desmantelar os países menores do Cone Sul. Para confrontar essa suposta ameaça, Solano López esperava contar com o apoio dos blancos, no Uruguai, e dos caudilhos do norte da Argentina.

SERVIÇO

Exposição 150 anos da Guerra da Tríplice Aliança: Distintas visões

Visitação: De 4 de dezembro de 2015 a 28 de fevereiro de 2016. De terça a domingo, 10 às 18h,

Onde: Sala Manoel da Costa Athaide, Anexo I do Museu da Inconfidência (Rua Vereador Antônio Pereira, 33, Centro Histórico | Ouro Preto – MG)

Museu de Belas Artes expõe 50 telas do italiano Eduardo de Martino no Rio

No mês das comemorações dos 150 anos da Batalha Naval do Riachuelo (11 de junho de 1865), a exposição De Martino no Brasil, que abre ao público amanhã (17), no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), resgata a obra de um dos artistas que representou, em detalhes, o conflito do qual foi testemunha.

Apresentada pelo MNBA, Instituto Italiano de Cultura e Museu Naval a mostra, em cartaz na cidade do Rio até 20 de setembro, reúne cerca de 50 obras do italiano Eduardo de Martino (1838-1912), que cria um panorama do trabalho de um dos maiores pintores de marinha do seu tempo. Algumas das obras serão expostas pela primeira vez no Brasil.

Um dos destaques da exposição é a tela

Um dos destaques da exposição é a tela “Batalha naval do Riachuelo”: pintura a partir de desenhos

A exposição inclui ainda uma rara documentação visual da Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai (1864-1870), nominados Memória do Mundo pela Unesco, como parte da iconografia do embate.

De marinheiro a pintor
Oficial da Marinha de Guerra da Itália, Eduardo De Martino resolveu dar uma guinada na sua trajetória e enveredar pela arte. Migrou para a América do Sul, tendo residido parte da sua vida no Brasil.

Como pintor, foi encarregado pelo imperador dom Pedro II de registrar em desenhos os acontecimentos da Guerra do Paraguai, tendo acompanhado os almirantes Barroso e Tamandaré. Em 1870, Apresenta composições na 21ª Exposição Geral de Belas Artes e ganha medalha de ouro. Radica-se em Londres, a partir de 1875, onde mora até sua morte em 1912.

“De Martino foi um artista com grande poder de síntese e possuidor de um traço forte e preciso”, define um dos curadores da exibição, Ivan Coelho de Sá. Já Luciano Migiliaccio, também curador, “a trajetória de Eduardo de Martino representou no Brasil o aparecimento de um tipo de artista moderno que ia adquirindo particular significado na época, devido ao seu importante papel político”, explica.

A exposição De Martino no Brasil pode ser visitada no MNBA, que fica na Cinelândia, de terça a sexta, de 10h às 18h; e sábados, domingos e feriados, de 12h às 17h.

O ingresso custa R$ 8 (inteira), com direito a meia entrada. Aos domingos, a entrada é grátis. Saiba mais sobre o Museu Nacional de Belas Artes.

Texto e imagem: Divulgação MNBA
Edição: Ascom/Ibram

Memória do Mundo: Museu Imperial recebe Registro Regional da Unesco

Hoje (5), o Museu Imperial/Ibram, em Petrópolis (RJ), recebeu, junto com outras oito instituições brasileiras, o Registro Regional do Programa Memória do Mundo – América Latina e Caribe (MOW-LAC), da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O prêmio foi concedido ao conjunto documental A Guerra da Tríplice Aliança: representações iconográficas e cartográficas (na imagem acima, um mapa utilizado pelas tropas brasileiras).

O conjunto, que reúne uma vasta documentação sobre o conflito conhecido como Guerra do Paraguai, possui 402 documentos iconográficos e cartográficos do Museu Imperial, Arquivo Nacional, Biblioteca Nacional/MinC, Arquivo Histórico e Mapoteca Histórica do Itamaraty, Museu Histórico Nacional/Ibram, Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha e Arquivo Histórico do Exército.

E os acervos ora reconhecidos pela Unesco foram produzidos pela Secretaria de Estado e Negócios da Guerra do Brasil, por técnicos, artistas e fotógrafos que participaram do evento.

Esforço coletivo
O Museu Imperial possui 51 documentos no conjunto – fotografias, mapas, plantas e uma gravura – pertencentes ao fundo Arquivo da Casa Imperial do Brasil, doado à instituição pelo príncipe d. Pedro Gastão de Orleans e Bragança, bisneto do imperador d. Pedro II, chefe do Estado brasileiro durante o conflito. A instituição foi a escolhida para representar, junto à Unesco, a rede de oito entidades públicas e uma privada que se submeteram à candidatura.

“A nominação da Unesco premia um esforço coletivo de nove instituições detentoras de documentação relativa à Guerra do Paraguai, que, juntas, qualificam seu trabalho de preservação, pesquisa e comunicação do patrimônio representativo da memória latino-americana”, afirma Maurício Vicente Ferreira Jr., diretor do Museu Imperial.

Fotografia do acervo retrata o Conde d'Eu e oficiais no Paraguai (1870)

Fotografia do acervo retrata o Conde d’Eu e oficiais no Paraguai (1870)

Por isso, a acesso a essa documentação é livre e há instrumentos de pesquisa disponíveis em cada uma das instituições proponentes, tais como inventários, catálogos, fichários, bases de dados e sistemas online. A maior parte do acervo proposto para o registro está digitalizada ou em fase de digitalização.

No Museu Imperial, os pesquisadores podem ter acesso aos documentos no Arquivo Histórico. As consultas devem ser agendadas com, no mínimo, dois dias de antecedência pelo e-mail mimp.arq.historico@museus.gov.br ou pelos telefones (24) 2233.0327 e 2233.0315.

Saiba mais sobre a Guerra da Tríplice Aliança e o Programa Memória do Mundo na página do Museu Imperial.

Texto e imagens: Divulgação Museu Imperial