Museus Ibram guardam obras de Tomie Ohtake em seus acervos

Tomie Ohtake, artista plástica nascida no Japão e naturalizada brasileira, faleceu hoje (12), em São Paulo (SP), aos 101 anos de idade. Uma das principais representantes do Abstracionismo no Brasil, a obra da artista é ampla e abrange pintura, gravura e escultura.

Dois museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), possuem obras de Ohtake em seus acervos: o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) e o Museu Chácara do Céu.

Chegada da tela doada por Tomie Ohtake ao MNBA em 2013

Chegada ao MNBA da tela doada por Tomie Ohtake em 2013

Em 2013, a artista doou uma tela para a coleção do MNBA. A tela sem título – que tem dimensões de 1,40 de altura por 3,30 metros de largura – foi produzida em 2013 e doada por Ohtake ao museu como forma de agradecimento pelo empréstimo de obras para uma exposição, organizada pelo Instituto Tomie Ohtake, em comemoração ao seu centenário.

Desde então, o acervo do MNBA conta com três pinturas e uma gravura de Tomie Ohtake. Atualmente, uma tela produzida em 1991 pode ser vista na Galeria de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea no 3º andar.

Em janeiro deste ano, quando do aniversário dos 78 anos de criação do museu, a artista foi homenageada com o Prêmio Quirino Campofiorito, por sua relevante contribuição para a arte e a cultura brasileiras.

Outra das técnicas desenvolvidas por Tomie Ohtake, a gravura está presente nos acervos do Museu Chácara do Céu: são três gravuras, em água-forte e sucre, e duas matrizes nas mesmas modalidades, produzidas em 1995 e doadas aos museus pela sua associação de amigos.

Nota de pesar
O ministro da Cultura, Juca Ferreira, divulgou nota sobre a morte de Tomie Ohtake, considerada “uma artista essencial para a cultura brasileira contemporânea, mundialmente reconhecida por sua linguagem única, independente e inovadora”.

“Tomie transitou entre a pintura, a gravura e a escultura, realizando um diálogo potente e extraordinário entre a forma e a cor. Ela transformou para sempre nosso olhar sobre as artes plásticas”, acrescenta.

Ferreira lembra ainda a relação intrínseca de sua obra com a cidade de São Paulo, “a partir de onde se tornou uma artista profundamente identificada com os espaços urbanos de grandes cidades brasileiras, onde suas cores e formas criam uma nova e supreendente paisagem”.

Em 2013, o Ministério da Cultura manifestou sua admiração e gratidão à artista oferecendo-lhe a Ordem do Mérito Cultural. Leia a nota na íntegra.

O velório de Tomie Ohtake será realizado amanhã (13), no Instituto Tomie Ohtake, de 8h às 14h, no bairro de Pinheiros (SP).

Texto: Ascom/Ibram (com informações do Museu Chácara do Céu e MNBA) – atualizado em 13/02/2015
Foto: Divulgação MNBA

A Divina Comédia: Museu da Inconfidência expõe aquarelas de Dalí

A cidade de Ouro Preto (MG)  recebe, pela primeira vez, uma exposição de obras do pintor surrealista espanhol Salvador Dalí (1904 – 1984).

Umas das

Umas das aquarelas de Dalí para A Divina Comédia

A mostra Dalí – A Divina Comédia será inaugurada hoje (22), às 20h30, no na Sala Manoel da Costa Athaíde do Museu da Inconfidência. A visitação, gratuita, ocorrerá de terça a domingo, das 12 às 18h, até 5 de outubro.

Estarão expostas cem aquarelas, uma para cada um dos poemas épicos que compõem a obra Divina Comédia, escrita pelo italiano Dante Alighieri no século XIV, e dividida em três partes: Inferno, Purgatório e Paraíso.

Salvador Dalí produziu as ilustrações entre 1950 e 1960 por encomenda do governo italiano, no âmbito das comemorações dos 700 anos do nascimento de Dante (1265-1321). A proposta é conduzir o público a uma viagem a partir desse diálogo enriquecedor entre literatura e artes visuais.

A abertura da mostra dá continuidade às comemorações dos 70 anos do Museu da Inconfidência, comemorado em 11 de agosto. A partir das 21h, haverá apresentação do baixista Gustavo Carvalho e Banda, com influências do MPB, rock progressivo, música pop e modal – esta última herdada da convivência com o grupo Clube da Esquina. Saiba mais.

Texto e imagem: Divulgação Museu da Inconfidência
Edição: Ascom/Ibram

Olhar feminino: Museu da Abolição inaugura exposição de gravuras em PE

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha e ao Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, o Museu da Abolição (MAB), em Recife (PE), inaugura na sexta-feira (25), a partir das 18h, a exposição Oficina Guaianases de Gravuras: o olhar Feminino.

A gravura Paisagem de Olinda, de Maria Carmem, integra a mostra do Museu da Abolição

Sob a curadoria do artista plástico Rinaldo Silva, a mostra vai trazer obras de um dos movimentos artísticos mais significativos e duradouros do estado de Pernambuco, com repercussão nacional – a Oficina Guaianases de Gravuras – que tem em seu acervo a importante participação de mulheres artistas.

Realizada em parceria com o Departamento de Teoria da Arte e Expressão Artística da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a exposição traz obras de Guita Cherifker, Inalda Xavier, Isa Pontual, Jeanine Uchoa, Maria Carmem, Marisa Lacerda, Marisa Varella, Teresa Pacomio, Tereza Costa Rego, Ana Lisboa, e Liliana Dardot, dentre outras.

“Revela-se um recorte de gênero nas autorias, onde a poética feminina está em cada canto das imagens trabalhadas”, explica Rinaldo Silva. Forjadas em pedras litográficas, as gravuras, segundo o curador, remetem a prazeres culinários, com “composições visuais que nos saciam a fome de ver”.

A exposição ficará aberta ao público a partir do sábado (26) até o dia 30 de setembro, e pode ser vista de segunda à sexta-feira, das 9h às 17h, e aos sábados, das 13h às 17h. O Museu da Abolição localiza-se à Rua Benfica, nº 1150, no bairro de Madalena, em Recife (PE). Outras informações através do endereço eletrônico mab@museus.gov.br ou pelo telefone (81) 3228.3248.

Texto e imagem: Divulgação Museu da Abolição

Exposição de Emmanuel Nassar no Museu da Chácara do Céu (RJ)

O Museu da Chácara do Céu/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), inaugurou no dia 6 de setembro, a segunda exposição da edição de 2013 do projeto Os amigos da gravura com a obra de Emmanuel Nassar. A exposição poderá ser visitada, gratuitamente, até 25 de novembro.

A obra criada por Emmanuel Nassar para o projeto é um múltiplo, formado por 50 peças, mas é ao mesmo tempo uma obra única. Trata-se de um díptico composto de uma tela e uma madeira MDF, pintados um a um, em cores e combinações diferentes. Todos levam as iniciais do nome do artista, EN, a numeração e o ano da tiragem.

A exposição, composta por um grande painel com os 50 dípticos será, aos poucos, desfeita, na medida em que as obras forem sendo compradas e, portanto, retiradas do painel, sofrendo mutações e perdas contínuas. A obra de Nassar trata das mudanças, percursos e transitoriedades, conciliando geografia, luz e os sons da cidade, remetendo à atmosfera urbana de suas fotos e pinturas em chapas metálicas.

O artista
O paraense Emmanuel Nassar (Capanema, 1949) formou-se em arquitetura e foi redator e diretor de arte em agências de publicidade em Belém.

Na década de 1980 passa a ser conhecido por sua pintura sobre tela, madeira e chapas metálicas, com citações e apropriações marcadas pela precariedade e ironia, que vão do universo da cultura popular a diversas correntes da arte contemporânea, notadamente a pop art, numa versão brasileira.

Ao longo de sua carreira realizou diversas exposições individuais. Participou de bienais de São Paulo (1989 e 1998), da coletiva UAB-C Stedelijk Museum de Amsterdã, entre outras. Em 2011 participou da 8a Bienal do Mercosul. Possui obras em acervos de diversos museus brasileiros.

Saiba mais sobre os Museus Castro Maya, o projeto Os amigos da gravura e como chegar.

Texto e imagem: Divulgação Chácara do Céu
Edição: Ascom/Ibram

Museu da Chácara do Céu (RJ) apresenta gravuras de seu acervo

O Museu da Chácara do Céu/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ),  inaugurou no dia 27 de junho, a exposição Coleção Castro Maya: Gravura Estrangeira em Destaque. A mostra conta com 64 gravuras do acervo dos museus Castro Maya, entre serigrafias, litografias, xilogravuras e gravuras em metal, e pode ser visitada até 28 de outubro.

Entre as obras estão trabalhos de Rugendas e Debret, representantes dos viajantes oitocentistas, além de gravuras de Picasso (imagem), Chagall e Matisse, mostrando temáticas e técnicas modernas.

A diretora do museu, Vera de Alencar, destaca que a instituição tem promovido exposições que colocam em destaque porções determinadas de seu acervo. Em Gravura estrangeira em destaque, ao mesmo tempo em que se lança luz sobre a arte da gravura, também se reflete sobre o processo de constituição desta coleção, exibindo a riqueza de sua diversidade.

O Museu da Chácara do Céu localiza-se à Rua Murtinho Nobre, 93,  no bairro de Santa Teresa. A visitação é diária, exceto terças, das 12h às 17h. Saiba mais sobre os museus Castro Maya.

Texto e imagem: Divulgação museus Castro Maya

Museu da Inconfidência expõe gravuras de Lasar Segall

O Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (MG), preparou uma série de atividades para a 9ª Semana Nacional de Museus e dentre elas está mostra Imagens do Brasil – Gravuras de Lasar Segall. A exposição, com curadoria de Margareth Monteiro e Janine Ojeda, é resultado de parceria com o Museu Lasar Segall, SP, que emprestará 35 gravuras, e o Museu Nacional de Belas Artes, RJ, de onde virão uma escultura e uma tela. As obras abrangem o período de 1924 a 1930, época de grande concentração de imagens do Brasil na obra de Segall, inclusive na sua produção gráfica. Lasar Segall era lituano e se mudou definitivamente para o Brasil em 1923.

A programação completa do Museu da Inconfidência na 9ª Semana Nacional de Museus está disponível no blog http://museudainconfidencia.wordpress.com

Gravuras de Segall, Goeldi e Iberê no Museu Lasar Segall

O Museu Lasar Segall, em conjunto com a Fundação Iberê Camargo, apresenta, de 24 de abril até 10 de julho, a mostra Cálculo da expressão: Goeldi, Segall e Iberê. Com curadoria de Vera Beatriz Siqueira, a exposição é um convite ao diálogo e à confrontação da produção de Lasar Segall, Oswaldo Goeldi e Iberê Camargo.

As gravuras que compõem Cálculo da expressão exemplificam a trajetória artística e pessoal de cada um de seus produtores. A montagem no museu conta com 22 gravuras e duas matrizes de Iberê Camargo, 19 gravuras e duas matrizes de Goeldi, e 15 gravuras e três matrizes de Segall.

O horário de visitação é de terça a sábado, das 14h às 19h, domingos e feriados das 14h às 18h. Na inauguração haverá, ainda, palestra com a curadora a partir das 16h.

O Museu Lasar Segall fica na Rua Berta, 111, Vila Mariana, São Paulo-SP. Informações: (11) 5574-7322 ou www.museusegall.org.br.