Ponto de Memória do Grande Bom Jardim será inaugurado em Fortaleza

O Ponto de Memória do Grande Bom Jardim (GBJ) , em Fortaleza (CE), será inaugurado na sexta-feira (31), às 16h, com o lançamento da exposição Jardins das Memórias no Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza ( Rua Fernando Augusto, 987, Grande Bom Jardim).

Ponto de Memória em Fortaleza surge da articulação de nove entidades do Grande Bom Jardim

A mostra, que integra um conjunto de ações de valorização da memória local, é resultado de um processo de pesquisa participativa realizada por jovens moradores e lideranças comunitárias, que registraram desde bens materiais e imateriais ao imaginário e práticas cotidianas da região – que reúne mais de 204 mil habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A exposição pretende tratar das lutas, resistências e celebrações locais, mostrando os ofícios, modos de fazer, edificações e lugares de memória do Grande Bom Jardim. Na exposição, o visitante conhecerá, por exemplo, a influência religiosa dos grupos pastorais na formação do território, os espaços das culturas religiosas de matrizes africanas e ameríndias, bem como as diversas expressões culturais da área.

“Tudo se deu com luta e muita negociação com os poderes públicos. É um processo cheio de memórias, que mostra que a vida neste lugar da cidade não se deu em vão, sem movimento”, enfatiza o consultor local do Ponto de Memória, Adriano de Almeida.

A iniciativa de Museologia Social cearense, que luta para conseguir sede própria, é resultado de articulação de representantes de nove entidades locais e de dez moradores, representando os cinco bairros que compõem o Grande Bom Jardim, e conta com apoio do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) e da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI).

Mais informações pelo endereço eletrônico almadriano@gmail.com ou pelos telefones (85) 8884.1062 / 3497.2162.

Texto: Divulgação Programa Ponto de Memória

Grande Bom Jardim discute importância do Ponto de Memória na localidade

Criado “grupo animador” para mobilizar outros segmentos da comunidade

Lideranças dos cinco bairros do Grande Bom Jardim, em Fortaleza – CE, reuniram-se nesta terça-feira, 16 de março, com a equipe do projeto de Pontos de Memória, no Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza – CDVHS, para discutir o desenvolvimento da iniciativa de Memória Social na localidade. A reunião também contou com a participação do historiador Projeto Historiando, João Paulo Gomes, e de André , da Secretaria de Cultura de Fortaleza.

Durante a apresentação do projeto, a coordenadora da CDVHS, Marileide Luz, enfatizou a importância de se pensar a memória como uma mecanismo de afirmação de identidade e mudança. “ Sei que a questão da memória é importante. Gostaria que nossa identidade fosse percebida e fôssemos lembrados como sujeitos de nossa própria história de luta.”

O representante da associação ACOJARD Francisco Macedo levantou a necessidade da comunidade perceber a importância de se conhecer a história de onde se vive. “Quando temos dificuldade de contar nossa história, temos dificuldade de lidar com a realidade e transformá-la. Podemos estar hoje pagando por um erro do passado, por não termos contado nossa história.”

Citando as experiências com a criação de museus comunitário indígenas no Ceará, o historiador João Paulo Gomes falou sobre como a memória é importante na luta das comunidades. “ Os índios já perceberam a importância da memória na preservação da diversidade étnica, no processo de organização e afirmação. Essa iniciativa, construída por todos vocês, só trará benefícios, contem com meu apoio.”

O representante da Secretaria de Cultura do Ceará também apoiou a iniciativa. “Com o Sistema Municipal de Museus de Fortaleza, que está em fase de implantação, poderemos apoiar o museu comunitário não só com aporte logístico, mas também financeiro.”

Ao final da reunião, as lideranças elegeram um “grupo animador”, para mobilizar outras representações da comunidade e dar prosseguimento aos encaminhamentos do projeto até que se crie um conselho gestor do Ponto de Memória do Grande Bom Jardim.

Grande Bom Jardim – A região possui cerca de 175 mil habitantes e é constituída por cinco bairros. Tem uma vasta rede de entidades e associações que desenvolvem ações sócioeducativas e culturais.

Pontos de Memória – O projeto tem como meta valorizar as ações de memória desenvolvidas pelas comunidades, valorizando as diferentes narrativas dos moradores, suas trajetórias de vida, expressões culturais e anseios. Também é sua função mostrar que os museus podem trabalhar de forma ímpar na desmitificação da imagem dessas localidades associada a guetos de violência, revelando a toda população que esses territórios são locais de convivência convidativos, de vasta riqueza cultural, e, sobretudo, que refletem o cidadão ao mesmo tempo em que o instiga a refletir sobre sua realidade.

O projeto é resultado da parceria entre o Programa Mais Cultura, do Ministério da Cultura, através do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), e do Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci), do Ministério da Justiça, com apoio da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI).