Ibram promove a oficina ‘Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico’

Leonardo Neves, mediador da oficina

Leonardo Neves, mediador da oficina “Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico”

Nos dias 30 (quarta-feira) e 31 (quinta-feira), os servidores da Coordenação de Preservação e Segurança (Copres/DPMUS/Ibram), Taís Valente e Leonardo Neves, mediaram a oficina “Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico” na sede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em Brasília. O minicurso presencial é parte do programa de capacitação técnica do Ibram.

No evento, os mediadores abordaram os pontos fundamentais para a elaboração de um plano de gestão de riscos, tais como: o plano museológico, que identifica a missão da instituição, tanto para o público interno quanto para o externo, e a identificação dos agentes de risco e das formas de controle e tratamento.

Segundo Taís, reconhecer todos os funcionários do museu como envolvidos nas ações voltadas à gestão de riscos e definir o papel de cada um para o caso de atuação em situação de emergência são requisitos para a criação e implementação de um plano de gestão de riscos.

“Todas as áreas do museu devem estar envolvidas na preservação e segurança do acervo. Os setores técnicos, como a área de museologia, por exemplo, desempenham o papel imprescindível nas orientações relativas ao acervo”, destacou Leonardo.

Na ocasião, os mediadores da oficina mostraram os tipos de degradação que a edificação e o acervo podem sofrer, bem como sintetizaram os agentes de risco no âmbito dos museus: água, fogo, pragas, poluentes, luz e radiação, furto/roubo, forças físicas, temperatura incorreta, umidade incorreta e dissociação.

Ao longo da oficina, os participantes fizeram exercícios de ferramentas que compõem o plano de gestão de riscos. Na oportunidade, Taís, também, falou acerca do sistema de cadastramento online de voluntários para atuarem no salvamento de bens culturais musealizados, em todo o território nacional, de forma a colaborar no enfrentamento dos problemas que exijam resposta imediata.

O Programa de Voluntários servirá, fundamentalmente, para a mobilização de profissionais, estudantes e interessados no que se refere aos riscos ligados à preservação do patrimônio museológico.

Para inscrição, os candidatos ao posto de voluntário deverão preencher aqui uma ficha em meio eletrônico. Ao se inscrever, o (a) candidato (a) terá uma relação previamente estabelecida de áreas de atuação, tais como: salvamento de coleções, serviços de proteção e segurança e executivo-logística.

Veja o passo a passo da campanha dos voluntários.

Ibram e Museu Nacional assinam Protocolo para cooperação técnica

O diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, e o presidente do Instituto Brasileiro de Museus, Paulo Amaral, assinaram o Protocolo de Intenções para cooperação tecnico-científico.

O diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, e o presidente do Instituto Brasileiro de Museus, Paulo Amaral, assinaram o Protocolo de Intenções para cooperação tecnico-científico.

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, Paulo Amaral, e o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, assinaram o Protocolo de Intenções entre Ibram e Museu Nacional, na tarde desta terça-feira (14), em cerimônia realizada no Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro.

O propósito do Protocolo de Intenções é promover a cooperação técnico-científica e cultural entre as duas instituições, através da interação entre seu quadro funcional, em iniciativas de cooperação e intercâmbio de conhecimentos, informações e experiências para a Elaboração do Plano Museológico do Museu Nacional.

O Ibram prestará de assessoria técnica nas ações que envolvam a reconstrução institucional do museu, inventários, elaboração de plano museológico, sistematização de política de acervo, registro do museu, etc, além de auxiliar o Museu Nacional na concepção, planejamento e gestão de exposições e mostras de curta duração, na articulação de parcerias com instituições afins visando aperfeiçoamento técnico e na formulação e execução de políticas públicas no campo dos museus, em especial aos de história natural e antropologia.

Histórico

No ano de 2018, ao completar 200 anos de sua criação, o país foi surpreendido pelo trágico incêndio do dia 2 de setembro de 2018, que tomou o edifício histórico/ sede do Museu Nacional/ UFRJ e grande parte do acervo da instituição, transformando o ano de celebração do primeiro museu brasileiro, em um ano de perda significativa para a memória científica e cultural do país.

A direção do museu e todo seu corpo técnico e de professores tomou como desafio a reconstrução da instituição, buscando repensar o museu e todas as suas formas de atuação, visando a sua reestruturação e compromisso com os seus públicos.

A partir disso, o Ibram desde o início vem acompanhando e prestando assessoria técnica à equipe técnica e de resgate do Museu Nacional, tendo em vista seu compromisso com a Política Nacional de Museus e a expertise na gestão do Programa de Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado.

Seminário Internacional ‘Patrimônio em chamas: quem é o próximo?’

Programado para o período de 26 a 28 de junho, o Seminário Internacional ‘Patrimônio em chamas: quem é o próximo? – Gestão de riscos de incêndio para o Patrimônio Cultural’ tratará sobre o uso de novas tecnologias de segurança contra incêndios em organizações de patrimônio e sobre o papel dos tomadores de decisão em estimular uma cultura de prevenção.

Banner-218X218 por_ing

Serão discutidas as estatísticas de incêndios e suas implicações para a tomada de decisões eficazes, experiências de diferentes países e contextos na gestão de riscos de incêndio e medidas avançadas de segurança contra incêndios para aplicação no patrimônio cultural.

O Seminário Internacional ‘Patrimônio em chamas: quem é o próximo?’ será realizado no Museu Histórico Nacional/Ibram (RJ) e organizado pelo Ibram, ICOM Brasil, ICCROM, em parceria com o British Council, Museu Nacional e o Iphan.

Interessados em participar do evento podem fazer suas inscrições aqui.

Ibram oferece curso gratuito sobre conservação de acervos

16463573_594487044082124_892797121918002104_oO Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) vai oferecer, no dia 1º de dezembro, mais um minicurso gratuito voltado ao público geral através do programa de formação, capacitação e qualificação Saber Museu. Desta vez, o tema abordado será “Conservação preventiva e gerenciamento de riscos para acervos culturais”.

Ministrado pelo museólogo Leonardo Neves, integrante da Coordenação de Preservação e Segurança do Ibram, o minicurso vai acontecer no auditório do órgão, em Brasília (DF), das 9h às 18h (carga horária de 7h).

Serão abordados conceitos básicos em conservação preventiva de acervos culturais e seus antecedentes históricos; a prevenção e combate a agentes de deterioração do patrimônio cultural; e introdução ao gerenciamento de riscos, incluindo sua identificação, avaliação e controle.

Para participar, não é necessário ter formação específica. Serão ofertadas 50 vagas preenchidas por ordem de inscrição, com prioridade para profissionais que atuam em museus e instituições afins. Será exigida breve exposição de motivos para a participação. As inscrições podem ser feitas até o dia 16/11 através de formulário online.

(Foto: Pâmela Lima/Museu Histórico Nacional)

Programa e Cartilha de Gestão de Riscos recebem versão em espanhol

Uma parceria entre o Ibram e o Programa Ibermuseus permitiu a atualização e tradução do Programa para a Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado Brasileiro e da Cartilha de Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado Brasileiro.

Os documentos, publicados originalmente pelo Ibram em 2013, são ferramentas estratégicas para a preservação e salvaguarda do patrimônio cultural que resguardam os museus brasileiros.

“A publicação Gestão de Riscos tem como objetivo conscientizar os museus da necessidade de conhecer suas vulnerabilidades, possibilitando prevenir e mitigar possíveis riscos que possam afetar a pessoas, coleções e edificações”, explica Renata Bittencourt, diretora do Departamento de Processos Museais do Ibram. “Com a publicação da edição bilíngue, em colaboração com Ibermuseus, o Ibram espera contribuir para que esses valores se disseminem amplamente, agora também pelos países da Ibero-América.”

A política do Ibram para a preservação do patrimônio serve de modelo para muitas outras experiências na Ibero-América. Os membros da Mesa Técnica de Patrimônio Museológico em Situação de Risco do Ibermuseus consideram que qualquer museu, independentemente de sua localização, tamanho, tipo ou disciplina, poderá utilizar as informações disponibilizadas pelo Ibram em benefício de sua gestão institucional.

“Para o Programa Ibermuseus, promover a proteção e salvaguarda do patrimônio museológico e garantir a proteção das coleções museais ibero-americanas, mais que um compromisso, é uma prioridade”, afirma Magdalena Zavala, presidente do Ibermuseus.

Os documentos, separado em suas versões Programa em português, Cartilha em português e Programa em espanhol e Cartilha em espanhol estão disponíveis para download nos sites do Ibermuseus e do Ibram. Faça a consulta e boa leitura!