Entrevista com José Luiz Pedersoli sobre gestão de risco e patrimônio cultural

Ministrante do curso Gestão de Risco ao Patrimônio Musealizado Brasileiro, promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), entre os dias 8 e 12 de julho, José Luiz Pedersoli Junior é químico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Mestre em Química de Polímeros, com ênfase em materiais celulósicos e aplicações na área da conservação patrimonial, pela Universidade de Helsinki (Finlândia).

Pedersoli coloca a gestão de risco como área estratégica em torno de acervos musealizados

Morou durante muitos anos na Europa, inicialmente em Amsterdã, quando trabalhou como cientista da conservação no Instituto Holandês do Patrimônio Cultural, e depois em Roma, no Centro Internacional para o Estudo da Preservação e Restauração do Patrimônio Cultural (ICCROM).

Voltou ao Brasil com uma importante experiência na área da ciência dos materiais aplicada à preservação patrimonial, mais especificamente à conservação de acervos de papel e materiais relacionados, com vários trabalhos científicos publicados em revistas especializadas.

Essa experiência profissional inclui também o desenvolvimento, coordenação e ensino em cursos nacionais e internacionais voltados à capacitação profissional no setor patrimonial.

O químico respondeu por e-mail a três perguntas feitas pela Assessoria de Comunicação do Ibram.

Qual a importância da implementação de um plano na área de gestão de riscos para os museus?

A gestão ou gerenciamento de riscos constitui ferramenta eficaz para aprimorar a tomada de decisões dirigidas à preservação do patrimônio cultural. Sua utilização fornece uma visão abrangente dos diversos tipos de risco para esse patrimônio, desde eventos emergenciais e catastróficos até os diferentes processos de degradação que ocorrem de forma mais gradual e cumulativa.

A partir da identificação e análise sistemática desses riscos, é possível estabelecer prioridades de ação e alocação de recursos para mitigá-los. Estratégias sustentáveis podem então ser estabelecidas para minimizar impactos negativos sobre o objetivo comum dos museus de transmitir seus acervos para as gerações futuras com a menor perda de valor possível. Otimizando o uso dos recursos disponíveis, tipicamente limitados, para a preservação, segurança e fruição dos acervos museológicos, a gestão de riscos contribui para maximizar a utilidade e benefícios sociais dos mesmos ao longo do tempo.

A implantação do gerenciamento de riscos na comunidade de museus do Ibram também contribuirá de forma significativa para harmonizar e incrementar a eficiência de iniciativas e esforços já existentes voltados à salvaguarda de seus acervos, assim como para fomentar sinergias em ações futuras, proporcionando uma plataforma de trabalho bem estruturada, uma linguagem comum e uma metodologia adequada ao compartilhamento e integração dos conhecimentos e experiências específicos detidos pelos diferentes museus. O uso dessa ferramenta estimula, ainda, a integração interdisciplinar e intersetorial com profissionais e instituições de áreas afins.

Diante do contexto internacional, como você avalia a atuação dos museus brasileiros?

A atuação dos museus brasileiros na área da gestão de riscos e segurança de seus acervos reflete, a meu ver, um universo bastante heterogêneo, com algumas instituições já significativamente avançadas nesse aspecto e outras onde falta ainda implementar requisitos básicos para a proteção do acervo frente aos riscos que os ameaçam.

Observo uma tendência positiva no sentido da conscientização e adoção crescente de medidas de conservação preventiva, o que vem sendo fortalecido com iniciativas de capacitação como este curso realizado pelo Ibram. Contudo, para lograrmos uma melhoria significativa contemplando todo o patrimônio musealizado brasileiro, seria necessário amplificar esses esforços e proporcionar os recursos para que as medidas de segurança necessárias possam ser implantadas de forma sustentável.

Quais as etapas fundamentais que uma instituição precisa para iniciar a elaboração de uma Plano de Gerenciamento de Riscos para o seu acervo?

Antes de mais nada, é fundamental haver vontade política para fazê-lo e uma definição bem clara da missão e dos objetivos da instituição no tocante ao uso do acervo sob sua guarda. Outro fator essencial é o envolvimento e participação proativa de toda a equipe do museu ao longo de todo o processo.

Obviamente, devem estar disponíveis os recursos mínimos para a implantação das medidas propostas no decorrer da execução do Plano. É essencial garantir, desde o início, que o Plano será um documento “vivo” na instituição. As etapas para a elaboração do Plano envolveriam, primeiramente, a constituição formal de uma equipe ou grupo de trabalho na instituição com papéis e responsabilidades bem definidos, com tempo disponível para a execução do projeto.

Observados esses aspectos, temos sugerido que o desenvolvimento do Plano de Gerenciamento de Riscos seja estruturado segundo as etapas consecutivas do processo de gerenciamento descrito na norma técnica ISO 31.000:2009, que incluem: 1) estabelecer o contexto, 2) identificar os riscos, 3) analisar (quantitativamente) os riscos, 4) avaliar e priorizar os riscos, 5) tratar (reduzir) os riscos segundo as prioridades estabelecidas.

Todas essas etapas são permeadas pela comunicação e consulta com todas as partes interessadas e atores relevantes ao processo, assim como pelo monitoramento e revisão dos aspectos relevantes em cada uma delas.

É importante lembrar que o gerenciamento de riscos é uma processo contínuo, visando à eliminação ou redução e contenção dos riscos para o acervo a níveis aceitáveis para a instituição. Dessa forma, é importante que essa ferramenta seja integrada de forma permanente ao sistema de gestão da organização para garantir seu uso continuado e, assim, alcançar com sucesso os objetivos propostos.

Edição: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

Matéria relacionada
Técnicos do Ibram participam de curso sobre Gestão de Risco no Rio de Janeiro

Técnicos do Ibram participam de curso sobre Gestão de Risco no Rio de Janeiro – See more at: http://www.museus.gov.br/noticias/tecnicos-do-ibram-participam-de-curso-sobre-gestao-de-risco-no-rio-de-janeiro/#sthash.cDXeyUmf.dpuf
Gestão de Risco ao Patrimônio Musealizado Brasileiro, promovido pela Divisão de Preservação e Segurança em Museus da Coordenação de Patrimônio Museológico do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC). – See more at: http://www.museus.gov.br/noticias/tecnicos-do-ibram-participam-de-curso-sobre-gestao-de-risco-no-rio-de-janeiro/#sthash.cDXeyUmf.dpuf

Técnicos do Ibram participam de curso sobre Gestão de Risco no Rio de Janeiro

Terminou na sexta-feira (12), o curso Gestão de Risco ao Patrimônio Musealizado Brasileiro, promovido pela Divisão de Preservação e Segurança em Museus da Coordenação de Patrimônio Museológico do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC).

O treinamento, que começou no dia 8 e teve lugar nos museus Histórico Nacional e Nacional de Belas Artes, ambos integrados a rede Ibram, é voltado para o conjunto de técnicos que atuam na área de segurança e conservação dos 30 museus vinculados ao instituto, além de representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC) e do Instituto Cultural Flávio Gutierrez.

Ministrado pelo especialista José Luiz Perdesoli, químico graduado pela Universidade de Minas Gerais (UFMG) e com larga experiência na área de preservação e segurança de patrimônio cultural no Brasil e no exterior, o curso tem como objetivo apresentar conceitos, metodologia e exercícios práticos, capacitando os técnicos na identificação, análise e avaliação dos possíveis riscos para o patrimônio musealizado.

Em março deste ano, especialistas em museus e segurança já haviam participado, também no Rio, do Seminário-oficina Preservação e Segurança em Museus: Introdução de Gestão de Riscos para Acervos Musealizados. Os treinamentos são realizados em parceria com o Programa Ibermuseus e a Organização dos Estados Iberoamericanos (OEI).

Texto: Ascom/Ibram

Seminário discute Gestão de Risco ao Patrimônio Cultural no Rio de Janeiro

Especialistas em museus e segurança se reuniram esta semana no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram) para participar do Seminário-oficina Preservação e Segurança em Museus: Introdução de Gestão de Riscos para Acervos Musealizados, promovido pelo Ibram/MinC, em parceria com o Ibermuseus e a Organização dos Estados Iberoamericanos (OEI).

Menegazzi durante oficina no Museu Nacional de Belas Artes

O evento, que começou na quarta-feira (13) e será encerrado nesta sexta-feira (15), é ministrado pela técnica italiana especialista em gestão de risco ao patrimônio cultural Cristina Menegazzi.

Participam do seminário cerca de 50 pessoas, entre técnicos dos museus que integram a rede do Ibram e representantes das secretarias de Cultura dos estados, da Fundação Biblioteca Nacional (FBN/MinC) e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC).

Durante os dois primeiros dias, foram discutidas questões fundamentais que os museus precisam observar, refletir e definir para subsidiar a elaboração de um plano de gestão de riscos a seus acervos. A especialista convidada apresentou conceitos já consolidados na área de gestão e realizou exercícios e simulações de situações de emergência e de uso de equipamentos, de maneira a unir teoria e prática e interagir com os participantes.

Mesa de Debate
O seminário-oficina foi precedido da mesa de debate Gestão de Risco ao Patrimônio Cultura, aberta ao público e realizada na terça-feira (12). A mesa teve como debatedores, além de Cristina Menegazzi, o titular da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Meio-Ambiente e o Patrimônio Histórico (Delemaph), da Polícia Federal (PF), Fabio Scliar; o diretor-geral do Serviço Técnico do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ), e  a chefe da divisão de Preservação e Segurança do Ibram, Jacqueline Assis.

Plateia durante mesa de debate no dia 12 de março

Menegazzi revelou um dado preocupante: o patrimônio cultural é cada vez mais vulnerável devido às mudanças climáticas no mundo, mesmo assim, o patrimônio cultural continua fora do rol de prejuízos das catástrofes naturais.

O delegado Scliar ressaltou o estreitamento crescente da cooperação entre o Ibram e a PF, citando exemplos como a apreensão do álbum Jazz, do artista suíço Matisse, agora sob guarda do MNBA. Ele também mencionou a escolta que seu grupamento realizou para a obra A Primeira Missa no Brasil,  de Cândido Portinari, recentemente adquirida pelo Ibram e que foi escoltada no trajeto entre o banco Bradesco, na Candelária (região do centro do Rio de Janeiro),  e o MNBA.

Jacqueline Assis detalhou as funções e a estrutura do Instituto e lembrou a assistência dada a entidades que passaram por situações de dano ou perda do seu patrimônio. Ela citou os exemplos do apoio ao artista Helio Oiticica, cujo acervo foi atingido por incêndio, e ao governo do Haiti, cuja capital, Porto Príncipe, foi abalada, em 2010, por um terremoto que destruiu o Museu de Arte Haitiana do Colégio de Saint-Pierre. A equipe do Ibram desenvolveu o projeto de reconstrução do Museu e fará ações de qualificação para os profissionais de museus daquele país.

A mesa de debate atraiu cerca de 70 pessoas entre representantes de museus e instituições culturais e estudantes.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Divulgação