Diretores de museus brasileiros visitam instituições na Holanda

Diretores de museus e representantes de instituições culturais brasileiras estarão visitando a Holanda entre os dias 11 e 16 de dezembro.

O objetivo da missão é ampliar a troca de experiências e boas práticas entre museus brasileiros e holandeses, com vistas a se estabelecer novas atividades de cooperação.

Museu Nacional da Holanda (Rijksmuseum) está no roteiro da missão

Visita ao Museu Nacional da Holanda (Rijksmuseum) está no roteiro da missão

A missão é organizada pelo Centro para a Cooperação Internacional da Holanda (Dutch Culture), em colaboração com o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Fundação Getúlio Vargas e Embaixada da Holanda em Brasília.

Os temas da visita incluem reuniões, palestras, visitas a museus e troca de experiências em torno de empreendedorismo, sensibilização e alcance de público, além das relações entre museus e instituições governamentais.

As reuniões contarão com a presença de profissionais dos diversos museus holandeses nas cidades de Amsterdã, Haia, Roterdã, Haarlem e Enkhuizen. Haverá ainda encontros no Ministério de Educação, Cultura e Ciência da Holanda, Associação de Museus Holandeses e na Reinwardt Academy – a escola de Museologia da Universidade das Artes de Amsterdã.

Os participantes foram selecionados pelos museus holandeses, com base nas indicações do Dutch Culture. Dentre eles encontram-se representantes dos Museu Judaico e Museu de Arte de São Paulo, além do Instituto Moreira Salles (RJ) e Instituto Inhotim (MG).

Texto: Ascom/Ibram
Foto: John Lewis Marshall/Rijksmuseum

MinC lança caderno de preços nacionais da cultura

Produtores culturais, empresas, o mercado e a sociedade passam a ter, pela primeira vez, indicadores nacionais de preços da cultura, levantados segundo parâmetros e técnicas de mercado. A pesquisa, que servirá para se lastrear e avaliar propostas candidatas à renúncia fiscal pela Lei Rouanet, está sendo lançada pelo Ministério da Cultura (MinC).

O levantamento será nacional e detectará os valores médios de 255 itens, entre serviços e mão de obra do universo da produção cultural. Até agora, o mercado não dispunha de parâmetros para análises com identificação de valores.

Para isso, o MinC contratou o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Belém, Recife, Brasília, Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, as capitais-base da pesquisa, são consideradas por MinC e FGV como representativas das regiões brasileiras. Entre as fontes consultadas, estão tabelas de sindicatos e associações, de fornecedores e taxas de serviços públicos. Continue lendo e acesse os indicadores.

Fonte: Ascom/MinC