Museu Histórico Nacional leva exposição itinerante à zona oeste do Rio de Janeiro

Como parte do projeto Exposições Itinerantes, do Museu Histórico Nacional, foi aberta a comunidade do bairro de Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro, na última quinta-feira (4), a exposição Pelas Ruas e Calçadas – Comércio Informal e Ambulante, Ontem e Hoje.

Em cartaz na sede da Associação SerCidadão, a exposição apresenta a evolução do comércio informal e ambulante ao longo dos séculos com base em iconografia de época e fotografias do século XX. Fotos dos atuais ambulantes da região também integram a exposição.

Vendedores de cuzcuz, doces, empadas e uma legítima baiana do acarajé, entre outros ambulantes locais, marcaram presença na abertura da exposição, que conta com a participação da comunidade também no aspecto educativo. Oito alunos do Pré-Vestibular Comunitário local, treinados por funcionários do setor educativo do MHN e auxiliados por um professor de História, se encarregam das visitas mediadas oferecidas ao público visitante.

A exposição fica em cartaz até 9 de setembro na sede da Associação SerCidadão. Construção do século XIX, o local serviu de residência ao senador pernambucano Júlio Cesário de Mello, que atuou como médico sanitarista em Santa Cruz nos primeiros anos do século XX. A casa serviu de cenário para a gravação da telenovela “O Bem Amado”.

Serviço:
Pelas Ruas e Calçadas – Comércio Informal e Ambulante, Ontem e Hoje
Onde: Sede da Associação SerCidadão. Rua Dona Fernanda, 140. Santa Cruz – RJ
Quando: De segunda a sexta, das 9h às 15h.
Quanto: Entrada gratuita.
Telefone para agendamento de visita mediada: 2221-8830

Indígenas divulgam pintura corporal no Museu da Inconfidência

Neste Dia do Índio, 19 de abril, o Museu da Inconfidência, em parceria com o Museu do Índio (Funai/RJ), ofereceu à comunidade oficinas de pintura corporal promovidas por dois casais indígenas Asurini, vindos do Pará. Os participantes puderam conferir de perto o trabalho feito com extrato de urucum e jenipapo, além de terem a oportunidade de receber, no corpo, as ilustrações com grafismos características da tribo.

O grupo, acompanhado de um técnico da Funai, Fábio Ribeiro, exibiu vídeos de sua cultura e, em bate-papo, ressaltou a importância da luta contra o preconceito e respeito à diversidade. “Todos sabem que nesta terra que hoje é o Brasil, um dia, só viviam índios. Hoje a maioria da população não se lembra disso”, observou Ribeiro. 

As mesmas atrações serão realizadas nesta quarta-feira, dia 20, das 13h às 17h, no espaço em frente à Sala Manoel da Costa Athaide, anexo do Museu da Inconfidência. Na sala, está em cartaz a mostra Ritual da Imagem: Arte Asurini do Xingu, a ser encerrada no dia 24 de abril. Os indígenas permanecem em Ouro Preto até sexta-feira e, no período, comercializarão arte em cerâmica, artefatos em madeira e adornos corporais.

O quê: atividades ligadas à exposição Ritual da Imagem: Arte Asurini do Xingu

Quando: oficinas e bate-papo nos dias 19 e 20/04, das 13h às 17h. Venda de artesanato até sexta-feira, 22/04, e encerramento da mostra no dia 24 de abril. Visitação das 12h às 18h

Onde: Sala Manoel da Costa Athaide, Anexo I do Museu da Inconfidência. Rua Vereador Antônio Pereira, 33, Centro Histórico, Ouro Preto (MG)

Informações: (31) 3551-6023; 9258-8407 e 3551-4977.

Museu de Favela expõe acervo e artesanato em Paraty

O Museu Forte Defensor Perpétuo, em Paraty (RJ), sedia até o fim de abril a exposição itinerante Despertar de Almas e de Sonhos, organizada pelo Museu de Favela, da Cidade do Rio de Janeiro (MUF). A exposição pode ser visitada de quarta a domingo, das 9h às 12h e de 14h às 17h.

A mostra já esteve em Macaé, no Museu Solar dos Mellos, no mês de março. Depois de Paraty, a terceira parada será no Museu de Arte Religiosa e Tradicional, em Cabo Frio, de 5 a 15 de maio. Nas três cidades, a montagem conta com a exposição do acervo e artesanatos da Rede MUF e oficina de graffiti-art.

Despertar de Almas e de Sonhos valoriza a saga individual de ilustres moradores da favela, cujos depoimentos sobre o passado contribuem para a compreensão do presente: são histórias de luta e de resistência cultural, com as quais se identifica grande parte da nação brasileira.

A exposição tem o patrocínio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro e conta com apoio da Prefeitura de Macaé, da Fundação Macaé de Cultura e do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram.

O que é o MUF – A organização não governamental Museu de Favela (MUF) é gestora do primeiro museu territorial sobre memórias e cultura em favela do mundo. É uma associação privada sem fins lucrativos e de interesse comunitário, fundada por moradores de favelas cariocas.  O museu se estende por Pavão, Pavãozinho e Cantagalo, entre Ipanema e Copacabana, no Rio de Janeiro.

Fonte: Museu Forte Defensor Perpétuo

Museu para Todos: MHN apresenta exposição itinerante O Império e a República

O Museu Histórico Nacional (MHN) apresenta aos internos do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Heitor Carrilho, no dia 18 de maio, a exposição itinerante O Império e a República. A atividade faz parte da programação da 8ª Semana Nacional de Museus.

Numa iniciativa pioneira no Brasil, o MHN está desenvolvendo uma parceria com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro para viabilizar a ida de exposições itinerantes aos presídios. O projeto tem o objetivo de levar um pouco da história nacional aos detentos, aproximando o museu de todos os segmentos sociais, sobretudo aqueles menos privilegiados social e economicamente.

A área de projetos sociais do MHN desenvolve uma série de atividades para menores em situação de risco ou em fase de reintegração social, portadores de necessidades especiais, idosos abrigados em asilos e instituições públicas e grupos de ex-drogados e também de ex-presidiários. A apresentação da mesma mostra está prevista para o período de 8 a 12 de junho no Presídio do Grajaú (20º DP).

Por meio das exposições itinerantes a instituição procura favorecer ainda as pessoas que residem em outras cidades ou que têm dificuldade de acesso às instalações físicas do museu. São contemplados, assim, colégios, instituições públicas e privadas e outros espaços, pois as exposições são concebidas para serem montadas de forma simples e prática.

O MHN fica na Praça Marechal Âncora, s/n, Centro, Rio de Janeiro-RJ. Informações:(21) 2550-9257.