Página 1 de 212

Educação museal será tema da 12ª Primavera dos Museus

Com o tema “Celebrando a educação museal”, 12ª Primavera dos Museus vai por em foco uma das principais funções do museu e objeto cada vez maior de engajamento, pesquisa e atenção da gestão pública atuante nesta área.

Uma das principais funções de um museu, educação museal é objeto cada vez maior de engajamento, pesquisa e de atenção da gestão pública atuante nesta área.

Tradicional temporada de eventos organizada pelo Ibram no segundo semestre, com programações temáticas em museus e centros culturais de todo o Brasil, a Primavera dos Museus vai propor como tema para fomentar discussões e inspirar atividades, em 2018, a educação museal.

“Celebrando a educação em museus” será o mote da 12ª Primavera dos Museus, que acontece de 17 a 23 de setembro. Instituições interessadas em participar da ação já podem inscrever atividades relacionadas ao tema. A inscrição pode ser realizada até o dia 9 de agosto.

O tema escolhido para este ano põe em foco uma das principais funções do museu: educar e contribuir no despertar de interesse para diferentes áreas do conhecimento, a vida em sociedade, a importância das memórias e o valor do patrimônio cultural musealizado.

Espaços plurais que propiciam vivências diversas e trocas constantes de conhecimentos e experiências, os museus são permeados pela educação, e sua prática desempenha importante papel na dinamização dos espaços museais.

Marcos e aberturas

Os museus brasileiros realizam ações educativas desde 1818, com a criação do Museu Nacional, então Museu Real  – que em 2018 celebra seus 200 anos. Desde então, o interesse e debate sobre esse tema só têm se disseminado e aprofundado. Este ano, celebram-se também os 60 anos da Declaração do Rio de Janeiro, resultado de Seminário Regional realizado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 1958 e considerada marco internacional para o setor.

Diversos setores educativos foram criados em museus brasileiros ao longo desta trajetória, assim como Redes de Educadores em Museus (REMs), sendo a educação museal, cada vez mais, foco de engajamento e pesquisa, assim como de atenção da gestão pública atuante nesta área.

Em 2017, foi oficializada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), como resultado de rico processo participativo, a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM), que abre novo capítulo neste campo. Este ano, foi lançado o Caderno da PNEM, que traz um breve histórico da educação museal no Brasil e conceitos-chave para orientar o trabalho na área. A publicação está disponível para download gratuito.

Divulgação e parcerias

Nos próximos dias, o Ibram lançará kit gratuito para divulgação da 12ª Primavera dos Museus, além de material que oferecerá dicas de parcerias para a realização de atividades durante a temporada de eventos. Dúvidas sobre a ação podem ser enviadas para o endereço eletrônico primavera@museus.gov.br.

MHN divulga trabalhos selecionados para seminário internacional

O Museu Histórico Nacional (MHN) divulgou a lista das comunicações orais selecionadas para o “Seminário Internacional Museu e Educação: 60 anos da Declaração do Rio de Janeiro” – que acontecerá no museu de 9 a 11 de outubro. Foram inscritos 108 trabalhos no total. Devido ao grande interesse, a organização do evento ampliou de 16 para 40 o número de selecionados.

As comunicações serão feitas em quatro painéis em torno do tema Educação Museal: história no Brasil; conceitos e teorias; práticas e experiências; políticas públicas, profissionais e pesquisa. Confira a lista de trabalhos selecionados.

Seminario_Internacional_2018_LogoOs autores selecionados serão contatados via correio eletrônico pela organização do seminário e deverão confirmar disponibilidade para participar. Dúvidas e outras questões devem ser enviadas para seminariointernacionalmhn@gmail.com.

Seminário multidisciplinar

Desde sua primeira edição em 2000, o Seminário Internacional do MHN acontece sempre em outubro – mês em que o museu foi criado em 1922. Resultado da parceria com universidades, instituições culturais e de pesquisa brasileiras e estrangeiras, o evento aborda assuntos diversos nos campos da História, Patrimônio, Museologia e Ciências Sociais.

Neste ano, o MHN, em parceria com a Rede de Educadores em Museus e Centros Culturais do Rio de Janeiro (REM-RJ), dedica a 18ª edição do evento à reflexão e ao debate sobre os avanços e os desafios que a educação museal apresenta desde a realização do Seminário Regional da Unesco sobre o papel educativo dos museus – que deu origem à Declaração do Rio de Janeiro em 1958.

Além dos Painéis Temáticos, onde acontecem as comunicações orais, a programação do seminário traz ainda mesas redondas, conferências, relatos de experiências e abertura de exposição. Os trabalhos apresentados são publicados nos anais do evento. Na Biblioteca Virtual do MHN estão disponíveis todos os anais já publicados. A programação completa será divulgada em breve.

Lançamento do Caderno da PNEM no Rio acontece nesta terça

Nesta terça-feira (26), o Museu Histórico Nacional (MHN), no Rio de Janeiro (RJ), promove uma atividade com foco na educação museal. O Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) e o Programa de Elaboração e Pesquisa em Educação Museal (Pepem) serão lançados no auditório do museu a partir das 14h, com entrada franca. Não é necessário inscrição prévia. Haverá ainda certificado para os participantes.

Educação museal: MHN lança publicação do Ibram e

Educação museal: MHN lança publicação do Ibram e programa de implementação da PNEM nesta terça-feira (26)

A atividade terá como destaque uma mesa redonda com as presenças de Magaly Cabral, educadora e museóloga; Ozias Soares, pesquisador do Museu da Vida/Fiocruz; e Fernanda Castro, educadora do MHN – os dois últimos atuaram como coordenadores no processo de elaboração da PNEM.

Participação

A Política Nacional de Educação Museal é fruto de um amplo processo de reflexão e debate participativo – iniciado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em 2010 e concluído ano passado, quando a PNEM teve sua criação oficializada em portaria.

O Caderno da PNEM traz os princípios e diretrizes elaborados nesse processo, além de um conjunto de textos sobre a história da educação museal no Brasil, o processo de construção da política, formas de sua aplicação e conceitos que a embasam. A publicação já está disponível para download.

Implementação

Nesse contexto, o Núcleo Educativo do MHN propõe a criação e implementação do Programa de Elaboração e Pesquisa em Educação Museal (Pepem): uma ferramenta de implementação da PNEM que deve atuar com ações de curto, médio e longo prazo, em especial no que diz respeito à formação de educadores, elaboração de pesquisas e instrumentos de sistematização, registro e avaliação da área e produção de informação em educação museal.

A primeira atividade do Pepem, realizada na semana passada, foi uma reunião da linha de pesquisa “Educação museal: conceitos, história e políticas”, criada no grupo de pesquisa “Escritas da história em museus” (MHN/CNPq). Mais informações sobre o evento podem ser obtidas pelo endereço eletrônico mhn.educacao@museus.gov.br. Conheça o Museu Histórico Nacional.

Texto: Ascom/MHN
Foto: Setor Educativo/MHN

Políticas públicas em museologia social e educação museal foram institucionalizadas

O ano de 2017 marcou a oficialização de políticas públicas desenvolvidas pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em dois importantes campos de atuação: a educação museal e a museologia social. Foram instituídos no âmbito do órgão o Programa Pontos de Memória e a Política Nacional de Educação Museal (PNEM).

O Programa Pontos de Memória foi instituído pela Portaria Nº 315, de 6 de setembro de 2017 – que detalha seus princípios, objetivos e estabelece a formação de um Comitê Consultivo, responsável por promover debates e propor ações, estratégias e diretrizes com vistas ao fortalecimento de políticas públicas no campo da museologia social. O comitê teve sua primeira reunião no final de novembro.

Encontro de Pontos de Memória no 7º FNM este ano

Encontro de Pontos de Memória no 7º FNM este ano

Tornado política perene após reivindicação do setor e pactuação no 7º Fórum Nacional de Museus, o programa apoia, fomenta e capacita iniciativas de memória social e comunitária desenvolvidas Brasil afora.

Já são mais de 300 experiências identificadas nas várias regiões brasileiras, em centros urbanos e no campo, territórios indígenas, quilombos, periferias e outros territórios.

Educação Museal
Já a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) foi tornada oficial com a publicação da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017.

Destinado ao campo museal brasileiro como um todo, o texto legal estabelece um conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

A portaria é fundamentada em princípios e diretrizes orientadores que foram definidos de forma colaborativa após amplo processo de participação que incluiu consulta pública através de plataforma online, a realização de 23 encontros presenciais regionais e a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014) nas respectivas edições do Fórum Nacional de Museus. O documento final foi aprovado na sétima edição do fórum, realizada este ano em Porto Alegre (RS).

Texto e foto: Ascom/Ibram

Ibram oficializa criação da Política Nacional de Educação Museal

Texto legal estabelece conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

Texto legal estabelece conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) tornou oficial nesta quarta-feira (13) a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM). A mais nova política pública voltada ao setor de museus brasileiro foi oficializada através da publicação da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017.

Destinado ao campo museal brasileiro como um todo, o texto legal estabelece um conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores. Define também compromissos do Ibram para sua implementação.

Construção participativa

A portaria é fundamentada em princípios e diretrizes orientadores que foram definidos de forma colaborativa após amplo processo de participação que incluiu consulta pública através de plataforma online, a realização de 23 encontros presenciais regionais e a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014) nas respectivas edições do Fórum Nacional de Museus. O documento final foi aprovado na sétima edição do fórum, realizada este ano em Porto Alegre (RS).

O trabalho contou com a participação de servidores do Ibram, educadores e outros profissionais do setor museológico, Redes de Educadores em Museus, professores, estudantes e usuários de museus interessados na organização, desenvolvimento e fortalecimento da educação museal em território brasileiro.

“O maior valor da Política Nacional de Educação Museal é o caráter participativo de sua constituição”, considera a diretora do Departamento de Processos Museais, responsável pela PNEM, Renata Bittencourt. “O documento traz diretrizes para o campo museal geradas a partir de uma multiplicidade de vozes. Profissionais de museus de diferentes perfis contribuíram para o desenho destes parâmetros, que acreditamos, têm grande potencial para impulsionar a área museológica”, avalia.

7º FNM aprova Política Nacional de Educação Museal

230584_530845170264227_1452698893_nO documento que oficializa os princípios e diretrizes orientadores para a Política Nacional de Educação Museal, demanda histórica do setor, foi finalizado e aprovado durante o 7º Fórum Nacional de Museus (FNM), realizado entre os dias 30 de maio e 4 de junho em Porto Alegre (RS).

Após dois dias de trabalho no âmbito dos Grupos de Trabalho do 7º FNM, representantes da área deram conclusão ao texto norteador da nova política pública voltada ao campo museal brasileiro – construído de forma colaborativa num processo que incluiu consulta pública através de plataforma virtual, aberta em 2012, e a realização de 23 encontros regionais.

O documento, disponível em nossa seção de publicações, traz cinco princípios aprovados no 6º FNM (2014), além de um conjunto de diretrizes em três eixos temáticos: Gestão; Profissionais, Formação e Pesquisa; e Museus e Sociedade.

“O processo que culminou com esta conquista mostra a capacidade de trabalho articulado entre servidores do Ibram e profissionais que atuam com educação em museus”, avalia a coordenadora de Museologia Social e Educação do Ibram, Cinthya Oliveira. “Houve continuidade e crescimento da mobilização em torno deste tema, com a criação de diversas redes, o que será essencial para pôr esta política em prática”, completa.

Carta de Porto Alegre – Também como resultado do encontro, os educadores museais e demais participantes elaboraram a Carta de Porto Alegre, lida na plenária final do 7º FNM, que aponta passos subsequentes necessários ao desenvolvimento da Política Nacional de Educação Museal e foi agregada ao Documento Final.

Ibram convoca para entrevista candidatos a consultoria junto ao PNEM

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) convocou nesta quarta-feira (22), para a fase de entrevista, três candidatos ao cargo de consultor na modalidade produto para atuação junto ao Programa Nacional de Educação Museal (PNEM), oportunidade aberta pelo Edital Nº 22/2017.

Lançado em parceria com a Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), o edital objetiva selecionar profissional para realizar a sistematização analítica dos documentos produzidos no âmbito do PNEM por meio de consulta pública presencial e virtual.

Os candidatos convocados para entrevista (2ª fase), que tem caráter classificatório e eliminatório, foram selecionados após a 1ª fase, que consistiu na avaliação curricular realizada por Comissão de Seleção, com base nos requisitos estabelecidos no edital.

A seleção, conforme Termo de Referência, exigiu experiência mínima de 3 anos em softwares que possibilitam a sistematização analítica de informações qualitativas, além de formação em Ciências Humanas ou Sociais. Confira a lista:

Nome do Candidato

Data da entrevista

Início

Final

Diego Araujo Reis

28/03/2017

10:30

10:55

Mayra Resende Costa Almeida

11:00

11:25

Luciana Conrado Martins

11:30

11:55

Educação: Ibram divulga resultado final do Prêmio Darcy Ribeiro 2015

O resultado final da edição 2015 do Prêmio Darcy Ribeiro foi publicado hoje (3) no Diário Oficial da União (DOU).

Voltado para a valorização e reconhecimento de práticas e ações de educação museal, com foco no patrimônio cultural, o prêmio recebeu 51 inscrições no total. 26 das propostas foram examinadas pela comissão de seleção na segunda fase – e as nove primeiras classificadas serão premiadas. Confira todas as fases do edital.

Foram premiados projetos de seis diferentes estados, contemplando 3 regiões do país: Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste. Cada um receberá R$ 10 mil.

As instituições selecionadas devem encaminhar a documentação complementar em até 10 dias, conforme o item 10 do edital. O resultado será comunicado por meio eletrônico aos selecionados, sem prejuízo do início da contagem dos prazos.

Cabe recurso da decisão da comissão de seleção, que deve ser interposto no prazo de até cinco dias úteis, a partir da publicação do DOU.

O Formulário de Recurso ( anexo II do edital) deve ser enviado, exclusivamente, via e-mail para o endereço eletrônico recurso.selecao@museus.gov.br, identificado com o assunto “Recurso de Seleção Prêmio Darcy Ribeiro 2015”.

Dúvidas e outras questões devem ser enviadas para cff@museus.gov.br.

Texto: Ascom/Ibram

Curso de Especialização em Educação Museal forma primeira turma

cursoespecializacaoChegou ao final, no Rio de Janeiro (RJ), a primeira edição do Curso de Pós Graduação Especialização em Educação Museal, realizado por meio de parceria técnica entre os Museus Castro Maya e o Museu da República, vinculados ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), e o Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ), via Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC).

Pioneiro neste nível de ensino no país, o curso, que forma agora sua primeira turma, tem como objetivo preencher uma lacuna na formação dos profissionais educadores em museus e centros culturais do país. A proposta é que instituições de cultura e de ensino atuem em conjunto na construção de uma ideia de educação que leve em conta a Formação Integral, tendo por base referências teóricas como o educador brasileiro Anísio Teixeira.

A partir deste sábado (19), cerca de 30 alunos defenderão seus Artigos de Conclusão, com temas de grande expressividade para o campo da Educação Museal. Serão apresentadas pesquisas que perpassam temas como Educação Infantil, Teatro, Artes, Acessibilidade, Público com Transtorno Mental, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Vandalismo e Patrimônio, Relações Étnico-Raciais e Historiografia da Educação de Museus e Centros Culturais.

Além dos temas citados, os trabalhos abordam debates políticos e conceituais do campo científico, em especial sobre a Política Nacional de Educação Museal (PNEM), preconizada pelo Instituto Brasileiro de Museus.

Situação dos museus brasileiros é debatida em audiência no Senado Federal

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, participou na manhã desta terça-feira (23), em Brasília (DF), de audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal. Em pauta, as diretrizes e prioridades do Ministério da Cultura (MinC) para o ano de 2014 e a situação atual dos museus Brasileiros.

Presidida pelo senador Ciro Miranda (PSDB-GO) e solicitada pelos membros da comissão, a audiência contou com a participação do presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo.

Durante sua fala, Marta Suplicy fez esclarecimentos sobre o orçamento do MinC para este ano e destacou as ações e programas prioritários para os próximos meses, sendo o Vale-Cultura o principal deles.

Programas educativos em espaços museais, financiamento à requalificação de museus e o Decreto 8.124/2013 foram alguns dos temas debatidos durante a audiência pública.

Programas educativos em espaços museais, financiamento à requalificação de museus e o Decreto 8.124/2013 foram alguns dos temas debatidos durante a audiência pública.

A ministra ressaltou que mais de 500 mil trabalhadores brasileiros já possuem o cartão e que o programa tem sido bastante aceito, tendo inclusive se tornado referência para outros países, a exemplo da Bolívia, que planeja para breve a implantação de programa em moldes semelhantes.

A pauta legislativa e o bom relacionamento da casa com o Ministério da Cultura também foram citados pela ministra, que ressaltou a aprovação do projeto que altera as condições de arrecadação e distribuição de direitos autorais de obras musicais, sob responsabilidade do Ecad, e da PEC da Música, entre outros projetos.

Museus
Ao ser questionada sobre a situação dos museus, Marta Suplicy passou a palavra para Angelo Oswaldo, presidente do Ibram. Oswaldo destacou os programas educativos dentro dos museus e sua importância para as instituições, sublinhando que não se pode falar de museus sem falar de educação.

O presidente do Ibram também chamou atenção para os investimentos no setor museal e a importância que a ministra Marta Suplicy tem dado para a área, destacando que 39 museus estão sendo beneficiados com verbas do PAC Cidades Históricas, além de investimentos do Fundo Nacional de Cultura e de uma parceria do MinC com a Petrobras, que destinou R$ 20 milhões para instituições nas cidades e próximas às cidades-sede da Copa do Mundo.

O Decreto 8.124/2013, que regulamentou o Estatuto de Museus, foi citado pela senadora Ana Amélia (PP-RS), que questionou a relação do governo com o mercado de arte.

Angelo Oswaldo explicou que desde a promulgação do decreto, em outubro do ano passado, o Ibram tem conversado com o setor e dirimido dúvidas. O presidente do Ibram lembrou que a Constituição Federal, em seu artigo 216, preceitua como obrigação do poder público, com a colaboração da comunidade, a promoção e proteção do patrimônio cultural brasileiro e sublinhou que a Declaração de Interesse Público, mecanismo instituído pelo  Decreto 8.124/2013, tem este propósito.

 

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Elisabete Alves/MinC

Página 1 de 212