Página 1 de 3123

Educação museal: linha de pesquisa realiza encontros mensais no MHN

Objetivo da ação é a formação continuada no campo, a produção de conhecimento em educação museal, a elaboração teórica coletiva e a construção de ferramentas e metodologias aplicáveis à prática educativa em museus.

Objetivo da ação é a formação continuada no campo, a produção de conhecimento em educação museal, a elaboração teórica coletiva e a construção de ferramentas e metodologias aplicáveis à prática educativa em museus.

Vinculada ao grupo de pesquisa “Escritas da história em museus: objetos, narrativas e temporalidades”, do Museu Histórico Nacional (MHN) e CNPq, a linha de pesquisa “Educação museal: conceitos, história e políticas”, passa a se reunir mensalmente no museu com educadores, profissionais de museus, pesquisadores e estudantes.

O objetivo da ação é a formação continuada no campo, a produção de conhecimento e de informação em educação museal, a elaboração teórica coletiva e a construção de ferramentas e metodologias aplicáveis à prática educativa em museus. O calendário 2019 inclui cursos, mesas redondas, encontros e apresentações de pesquisas.

Na próxima quinta-feira (28), das 10h às 13h, acontece a primeira reunião da linha de pesquisa em 2019, que vai realizar a leitura e debate de termos e conceitos do Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) – disponível para download gratuito.

Saiba mais.

Iniciativa do Museu Villa-Lobos celebrará obra do compositor na Sapucaí

Enredo

Enredo “Carnaval das Crianças”, homenagem à composição de mesmo título de Heitor Villa-Lobos que completa 100 anos, levará mil crianças à Sapucaí no dia 5 de março.

Do piano para o tamborim. A música de Heitor Villa-Lobos será tema do desfile da escola de samba carioca Pimpolhos da Grande Rio no próximo carnaval. Com o enredo “Carnaval das Crianças”, uma homenagem à composição de mesmo título que completa 100 anos, a apresentação levará mil crianças à Sapucaí no dia 5 de março, data que marca os 132 anos de nascimento do maestro.

O tema foi proposto à agremiação pelo Museu Villa-Lobos em conjunto com o Museu Nacional de Belas Artes – ambos integram a rede Ibram. “A iniciativa de representar esta obra em um desfile de escola de samba mirim valoriza dois elementos importantes da obra de Villa-Lobos: a referência às tradições populares da cultura brasileira e a importância da educação musical na formação de crianças e jovens”, explica a diretora do Museu Villa-Lobos, Claudia Castro.

Inspiração

O refrão do samba-enredo (“Tuhu, Tuhu, nosso trem já vai partir”) foi criado numa roda formada pelos músicos da Pimpolhos e do Museu Villa Lobos e faz referência ao apelido de infância do compositor, que se encantava com o som das locomotivas.

Na comissão de frente – preparada pelo projeto Balé no Samba – o público irá conhecer personagens ligados ao universo musical de Villa-Lobos como a Pierrette, o Dominozinho, o Trapeirozinho e o Mascarado Mignon. O enredo também apresenta figuras do folclore brasileiro presentes no trabalho do maestro.

“O educativo do Museu Villa-Lobos apresentou para as crianças de Duque de Caxias esse universo. Tivemos vários encontros didáticos para mostrar a música de Villa-Lobos e explicar a origem de mitos do folclore como o Uirapuru”, explica Claudia Castro.

“Carnaval das Crianças” é um conjunto de oito peças para piano solo escrito em 1919. Mais tarde, em 1929, o compositor reutilizou os temas na sua fantasia para piano e orquestra “Momoprecoce” e, em 1932, no balé “Caixinha de Boas Festas”.

A obra também serviu como inspiração para desenhos de Emiliano Di Cavalcanti (1897 – 1976). A pedido de Villa-Lobos, o pintor modernista elaborou figurinos e cenários para transformar “Carnaval das Crianças” em um balé. Os desenhos originais fazem parte do acervo do Museu Nacional de Belas Artes e irão ganhar exposição comemorativa no próprio MNBA. Já o Museu Villa-Lobos prepara uma exposição sobre a obra “Carnaval das Crianças”.

Ensaios

Antes do desfile no dia 5 de março, o enredo da Pimpolhos da Grande Rio para 2019 será executado em ensaios abertos nos dias 5 e 19 de fevereiro, no próprio Museu Villa-Lobos. O enredo “Carnaval das Crianças Brasileiras de Heitor Villa-Lobos” também já pode ser ouvido online na plataforma SoundCloud.

Museu da República realizará seminário sobre função educacional dos museus

O Museu da República, no Rio de Janeiro (RJ), abriu na última quarta-feira (29) inscrições para o seminário “A função educacional dos museus: 60 anos depois”, que a instituição promove de 18 a 21 de setembro.

Seminário tem como objetivo realizar um balanço da educação em museus no Brasil, debater o cenário atual e traçar perspectivas para o setor.

Seminário tem como objetivo realizar um balanço da educação em museus no Brasil, debater o cenário atual e traçar perspectivas para o setor.

O seminário tem como objetivo realizar um balanço da educação em museus seis décadas após o Seminário Regional da Unesco, sobre este tema, ocorrido em 1958 na cidade do Rio de Janeiro – considerado um marco internacional neste campo. Objetiva também debater o cenário atual da educação museal e traçar perspectivas para o setor.

A programação contará com falas de representantes de museus e especialistas convidados sobre vários aspectos relacionados ao tema e debates com participação direta do público. O seminário contará com a participação de representantes da Unesco e do Conselho Internacional de Museus (ICOM) no Brasil, além do presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

As atividades programadas serão espalhadas pelo Museu da República, Palácio Rio Negro, Museu Histórico Nacional, Museu Imperial, Fundação Casa de Rui Barbosa, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) e Museu das Remoções. A organização do seminário oferecerá transporte para os deslocamentos mais longos aos primeiros inscritos que desejarem o serviço.

Confira a programação completa do seminário “A função educacional dos museus: 60 anos depois” e garanta sua inscrição online.

Ibram prorroga as inscrições da Primavera dos Museus para 13 de agosto

Banner218X218_SeloInscrProrO Instituto Brasileiro de Museus prorrogou para o dia 13 de agosto, o prazo das inscrições para a 12ª Primavera dos Museus. Museus e instituições interessadas em participar da temporada de eventos devem preencher do formulário eletrônico disponível na página do Ibram.

Com o tema “Celebrando a Educação em Museus”, a temporada de eventos acontecerá de 17 a 23 de setembro e propõe uma reflexão sobre uma das principais funções do museu: educar e contribuir no despertar de interesse para diferentes áreas do conhecimento, a vida em sociedade, a importância das memórias e o valor do patrimônio cultural musealizado.

Acesse o texto de referência sobre o tema e o cartaz com a identidade visual da 12ª Primavera dos Museus. Dúvidas e outras questões podem ser enviadas para o endereço eletrônico primavera@museus.gov.br.

Ibram divulga texto sobre o tema da 12ª Primavera dos Museus

Banner218X218-01 (003) caixa dialogoO Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) disponibilizou na última sexta-feira (20), o texto de referência sobre o mote da Primavera dos Museus. Com o tema “Celebrando a Educação em Museus”, a temporada de eventos que este ano acontecerá de 17 a 23 de setembro, está em sua 12ª edição.

A cada ano, o Ibram lança um tema para estimular o debate acerca do assunto e inspirar os eventos a serem realizados pelas instituições participantes. Este ano, o tema põe em foco uma das principais funções do museu: educar e contribuir no despertar de interesse para diferentes áreas do conhecimento, a vida em sociedade, a importância das memórias e o valor do patrimônio cultural musealizado.

Museus e outras instituições culturais interessados em participar da 12ª Primavera dos Museus devem fazer sua inscrição até o dia 09 de agosto.

Política Nacional de Educação Museal

Lançado em junho deste ano, o Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM), resgata o processo de criação da PNEM e visa difundir seus princípios e diretrizes a fim de nortear gestores, educadores e demais interessados na prática da educação museal.

Educação museal será tema da 12ª Primavera dos Museus

Com o tema “Celebrando a educação museal”, 12ª Primavera dos Museus vai por em foco uma das principais funções do museu e objeto cada vez maior de engajamento, pesquisa e atenção da gestão pública atuante nesta área.

Uma das principais funções de um museu, educação museal é objeto cada vez maior de engajamento, pesquisa e de atenção da gestão pública atuante nesta área.

Tradicional temporada de eventos organizada pelo Ibram no segundo semestre, com programações temáticas em museus e centros culturais de todo o Brasil, a Primavera dos Museus vai propor como tema para fomentar discussões e inspirar atividades, em 2018, a educação museal.

“Celebrando a educação em museus” será o mote da 12ª Primavera dos Museus, que acontece de 17 a 23 de setembro. Instituições interessadas em participar da ação já podem inscrever atividades relacionadas ao tema. A inscrição pode ser realizada até o dia 9 de agosto.

O tema escolhido para este ano põe em foco uma das principais funções do museu: educar e contribuir no despertar de interesse para diferentes áreas do conhecimento, a vida em sociedade, a importância das memórias e o valor do patrimônio cultural musealizado.

Espaços plurais que propiciam vivências diversas e trocas constantes de conhecimentos e experiências, os museus são permeados pela educação, e sua prática desempenha importante papel na dinamização dos espaços museais.

Marcos e aberturas

Os museus brasileiros realizam ações educativas desde 1818, com a criação do Museu Nacional, então Museu Real  – que em 2018 celebra seus 200 anos. Desde então, o interesse e debate sobre esse tema só têm se disseminado e aprofundado. Este ano, celebram-se também os 60 anos da Declaração do Rio de Janeiro, resultado de Seminário Regional realizado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 1958 e considerada marco internacional para o setor.

Diversos setores educativos foram criados em museus brasileiros ao longo desta trajetória, assim como Redes de Educadores em Museus (REMs), sendo a educação museal, cada vez mais, foco de engajamento e pesquisa, assim como de atenção da gestão pública atuante nesta área.

Em 2017, foi oficializada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), como resultado de rico processo participativo, a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM), que abre novo capítulo neste campo. Este ano, foi lançado o Caderno da PNEM, que traz um breve histórico da educação museal no Brasil e conceitos-chave para orientar o trabalho na área. A publicação está disponível para download gratuito.

Divulgação e parcerias

Nos próximos dias, o Ibram lançará kit gratuito para divulgação da 12ª Primavera dos Museus, além de material que oferecerá dicas de parcerias para a realização de atividades durante a temporada de eventos. Dúvidas sobre a ação podem ser enviadas para o endereço eletrônico primavera@museus.gov.br.

MHN divulga trabalhos selecionados para seminário internacional

O Museu Histórico Nacional (MHN) divulgou a lista das comunicações orais selecionadas para o “Seminário Internacional Museu e Educação: 60 anos da Declaração do Rio de Janeiro” – que acontecerá no museu de 9 a 11 de outubro. Foram inscritos 108 trabalhos no total. Devido ao grande interesse, a organização do evento ampliou de 16 para 40 o número de selecionados.

As comunicações serão feitas em quatro painéis em torno do tema Educação Museal: história no Brasil; conceitos e teorias; práticas e experiências; políticas públicas, profissionais e pesquisa. Confira a lista de trabalhos selecionados.

Seminario_Internacional_2018_LogoOs autores selecionados serão contatados via correio eletrônico pela organização do seminário e deverão confirmar disponibilidade para participar. Dúvidas e outras questões devem ser enviadas para seminariointernacionalmhn@gmail.com.

Seminário multidisciplinar

Desde sua primeira edição em 2000, o Seminário Internacional do MHN acontece sempre em outubro – mês em que o museu foi criado em 1922. Resultado da parceria com universidades, instituições culturais e de pesquisa brasileiras e estrangeiras, o evento aborda assuntos diversos nos campos da História, Patrimônio, Museologia e Ciências Sociais.

Neste ano, o MHN, em parceria com a Rede de Educadores em Museus e Centros Culturais do Rio de Janeiro (REM-RJ), dedica a 18ª edição do evento à reflexão e ao debate sobre os avanços e os desafios que a educação museal apresenta desde a realização do Seminário Regional da Unesco sobre o papel educativo dos museus – que deu origem à Declaração do Rio de Janeiro em 1958.

Além dos Painéis Temáticos, onde acontecem as comunicações orais, a programação do seminário traz ainda mesas redondas, conferências, relatos de experiências e abertura de exposição. Os trabalhos apresentados são publicados nos anais do evento. Na Biblioteca Virtual do MHN estão disponíveis todos os anais já publicados. A programação completa será divulgada em breve.

Lançamento do Caderno da PNEM no Rio acontece nesta terça

Nesta terça-feira (26), o Museu Histórico Nacional (MHN), no Rio de Janeiro (RJ), promove uma atividade com foco na educação museal. O Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) e o Programa de Elaboração e Pesquisa em Educação Museal (Pepem) serão lançados no auditório do museu a partir das 14h, com entrada franca. Não é necessário inscrição prévia. Haverá ainda certificado para os participantes.

Educação museal: MHN lança publicação do Ibram e

Educação museal: MHN lança publicação do Ibram e programa de implementação da PNEM nesta terça-feira (26)

A atividade terá como destaque uma mesa redonda com as presenças de Magaly Cabral, educadora e museóloga; Ozias Soares, pesquisador do Museu da Vida/Fiocruz; e Fernanda Castro, educadora do MHN – os dois últimos atuaram como coordenadores no processo de elaboração da PNEM.

Participação

A Política Nacional de Educação Museal é fruto de um amplo processo de reflexão e debate participativo – iniciado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em 2010 e concluído ano passado, quando a PNEM teve sua criação oficializada em portaria.

O Caderno da PNEM traz os princípios e diretrizes elaborados nesse processo, além de um conjunto de textos sobre a história da educação museal no Brasil, o processo de construção da política, formas de sua aplicação e conceitos que a embasam. A publicação já está disponível para download.

Implementação

Nesse contexto, o Núcleo Educativo do MHN propõe a criação e implementação do Programa de Elaboração e Pesquisa em Educação Museal (Pepem): uma ferramenta de implementação da PNEM que deve atuar com ações de curto, médio e longo prazo, em especial no que diz respeito à formação de educadores, elaboração de pesquisas e instrumentos de sistematização, registro e avaliação da área e produção de informação em educação museal.

A primeira atividade do Pepem, realizada na semana passada, foi uma reunião da linha de pesquisa “Educação museal: conceitos, história e políticas”, criada no grupo de pesquisa “Escritas da história em museus” (MHN/CNPq). Mais informações sobre o evento podem ser obtidas pelo endereço eletrônico mhn.educacao@museus.gov.br. Conheça o Museu Histórico Nacional.

Texto: Ascom/MHN
Foto: Setor Educativo/MHN

Políticas públicas em museologia social e educação museal foram institucionalizadas

O ano de 2017 marcou a oficialização de políticas públicas desenvolvidas pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em dois importantes campos de atuação: a educação museal e a museologia social. Foram instituídos no âmbito do órgão o Programa Pontos de Memória e a Política Nacional de Educação Museal (PNEM).

O Programa Pontos de Memória foi instituído pela Portaria Nº 315, de 6 de setembro de 2017 – que detalha seus princípios, objetivos e estabelece a formação de um Comitê Consultivo, responsável por promover debates e propor ações, estratégias e diretrizes com vistas ao fortalecimento de políticas públicas no campo da museologia social. O comitê teve sua primeira reunião no final de novembro.

Encontro de Pontos de Memória no 7º FNM este ano

Encontro de Pontos de Memória no 7º FNM este ano

Tornado política perene após reivindicação do setor e pactuação no 7º Fórum Nacional de Museus, o programa apoia, fomenta e capacita iniciativas de memória social e comunitária desenvolvidas Brasil afora.

Já são mais de 300 experiências identificadas nas várias regiões brasileiras, em centros urbanos e no campo, territórios indígenas, quilombos, periferias e outros territórios.

Educação Museal
Já a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) foi tornada oficial com a publicação da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017.

Destinado ao campo museal brasileiro como um todo, o texto legal estabelece um conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

A portaria é fundamentada em princípios e diretrizes orientadores que foram definidos de forma colaborativa após amplo processo de participação que incluiu consulta pública através de plataforma online, a realização de 23 encontros presenciais regionais e a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014) nas respectivas edições do Fórum Nacional de Museus. O documento final foi aprovado na sétima edição do fórum, realizada este ano em Porto Alegre (RS).

Texto e foto: Ascom/Ibram

Ibram oficializa criação da Política Nacional de Educação Museal

Texto legal estabelece conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

Texto legal estabelece conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) tornou oficial nesta quarta-feira (13) a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM). A mais nova política pública voltada ao setor de museus brasileiro foi oficializada através da publicação da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017.

Destinado ao campo museal brasileiro como um todo, o texto legal estabelece um conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores. Define também compromissos do Ibram para sua implementação.

Construção participativa

A portaria é fundamentada em princípios e diretrizes orientadores que foram definidos de forma colaborativa após amplo processo de participação que incluiu consulta pública através de plataforma online, a realização de 23 encontros presenciais regionais e a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014) nas respectivas edições do Fórum Nacional de Museus. O documento final foi aprovado na sétima edição do fórum, realizada este ano em Porto Alegre (RS).

O trabalho contou com a participação de servidores do Ibram, educadores e outros profissionais do setor museológico, Redes de Educadores em Museus, professores, estudantes e usuários de museus interessados na organização, desenvolvimento e fortalecimento da educação museal em território brasileiro.

“O maior valor da Política Nacional de Educação Museal é o caráter participativo de sua constituição”, considera a diretora do Departamento de Processos Museais, responsável pela PNEM, Renata Bittencourt. “O documento traz diretrizes para o campo museal geradas a partir de uma multiplicidade de vozes. Profissionais de museus de diferentes perfis contribuíram para o desenho destes parâmetros, que acreditamos, têm grande potencial para impulsionar a área museológica”, avalia.

Página 1 de 3123