Página 1 de 212

DF recebe inscrições de projetos na área de Patrimônio até 9 de outubro

Segue até 9 de outubro o prazo para a inscrição de projetos na área de Patrimônio Histórico e Artístico em edital do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do Distrito Federal (DF).

O edital FAC Áreas Culturais, cujo valor total é de R$ 24,1 milhões, selecionará iniciativas em diversas formas de manifestação cultural e entre elas está a área de Patrimônio Histórico e Artístico Material e imaterial – que receberá R$ 1,2 milhão.

“Conseguimos este ano dobrar o montante de recursos para a linha de patrimônio e incluímos, pela primeira vez, uma sublinha específica que contempla a área de museus”, explica Gustavo Pacheco, subsecretário do Patrimônio Cultural do DF.

Além de Expografia e Acervos Museológicos, são aceitos projetos para Pesquisa, Inventário e Publicação, Educação Patrimonial e Eventos. Confira as Linhas de Apoio e Requisitos específicos. Acesse o edital na íntegra.

Texto: Ascom/Ibram

Inscrições para encontro do PNEM no DF seguem abertas até dia 28

Os interessados em participar do Encontro Regional do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) do Distrito Federal (DF), marcado para o próximo dia 30 de setembro, em Brasília (DF), devem se inscrever até a meia-noite deste domingo (28). Para isso, é necessário preencher o formulário disponível na blog do programa, onde também está detalhada a programação ao longo do dia.

O encontro, que tem como objetivo ampliar a participação dos profissionais da área de educação em museus na construção do PNEM, terá lugar no Museu Nacional Honestino Guimarães, que integra o Conjunto Cultural da República na capital do país.

A expectativa é que educadores e trabalhadores de museus, professores e estudantes dos cursos de Artes, Museologia e Educação, pessoas que trabalham com memória social, profissionais da área de cultura participem das atividades.

Museu da Abolição (PE)

Museu da Abolição, no Recife, sediará Encontro Regional do PNEM

Os encontros regionais do PNEM servem para sintetizar as contribuições pactuadas em diversos momentos ao longo de 2014, sendo a penúltima etapa do processo de aperfeiçoamento do documento preliminar do programa.

A Plenária Nacional do PNEM será realizada durante o 6º Fórum Nacional de Museus (FNM), em Belém (PA), entre os dias 24 e 28 de novembro.

Encontros Regionais
No dia 6 de outubro, o Encontro Regional de Pernambuco será realizado no Museu da Abolição (Rua Benfica, 1150 – Madalena, Recife), das 13h às 18h. Educadores de museus e instituições culturais, coordenadores, gestores, pesquisadores e demais interessados darão continuidade ao trabalho iniciado no mês de maio.

Já no dia 13, é a Rede de Educadores em Museus da Bahia (REM-BA) promove o Encontro Regional do PNEM no estado. A atividade acontece no Museu Eugênio Teixeira Leal, localizado no Pelourinho (Rua do Açouguinho, 1 – Salvador). O evento será das 8h às 17h e os participantes ganharão certificado. Saiba mais.

Texto e foto: Ascom/Ibram

A céu aberto: Brasília ganha Ecomuseu do Cerrado

Uma série de eventos, que começaram ontem (10) e seguem até amanhã (12), marcam a inauguração de um novo museu a céu aberto em Brasília (DF). Trata-se do Ecomuseu do Cerrado Laís Aderne, que não possui um espaço fechado ou cercado na capital federal.

Segundo a professora doutora da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), Rosângela Corrêa, a ideia é que todo o Distrito Federal e entorno, com seus parques, ruas, praças, reservas naturais e mesmo escolas, façam parte do ecomuseu.

Ecomuseu homenageia a professora, ativista do cerrado e criadora do projeto Lais Aderne

Laís Aderne: ecomuseu homenageia a professora, ativista do cerrado e idealizadora do projeto

“Para isso, cada parceiro fará parte de um roteiro sociocultural para promover uma leitura sobre o cerrado nessas cidades, estabelecendo calendários culturais para que as pessoas possam visitar os diferentes locais do ecomuseu,” explica a professora.

Ela ressalta ainda que o ecomuseu servirá para que as comunidades se encontrem e se expressem nos seus habitats, constituindo-se em uma rede diversificada de saberes e fazeres.

Cultura e natureza
O  foco do projeto está no desenvolvimento sustentável embasado nas culturas locais, que tem a intenção de resgatar a história das cidades e a eco-história do cerrado, contribuindo assim para a conservação ambiental do DF e a promoção da preservação patrimonial – natural, material e imaterial.

O Ecomuseu do Cerrado leva o nome de Laís Fontoura Aderne Faria Neves (1937-2007). Mineira, natural de Diamantina, foi artista, arte-educadora e professora da UnB na área de cultura e sociedade, e, como presidente do Instituto Huah do Planalto Central, também idealizadora do Projeto Ecomuseu do Cerrado.

As primeiras atividades já acontecem em diferentes espaços da cidade: da Escola da Natureza, no Parque da Cidade, ao Centro de Excelência em Turismo na UnB. Outras atividades serão realizadas entre 20 de setembro e 30 de novembro, no Centro de Visitantes do Parque Nacional de Brasília (Água Mineral). Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação/internet
Última atualização em 17/09/2014

Moradores do Lago Sul entregam contribuições para novo museu no DF

Representantes dos moradores do Lago Sul, região administrativa do Distrito Federal (DF), estiveram no dia 2 de setembro no Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), quando entregaram ao presidente da autarquia, Angelo Oswaldo, documento contendo contribuições para disciplinar a ocupação da área onde será instalado o Parque Mandela e o futuro Museu Nacional da Memória Afrodescendente.

Contribuições:presidente do Ibram recebeu moradores do Lago Sul

Contribuições: presidente do Ibram recebeu moradores do Lago Sul

O parque será criado numa área de 65 mil m², localizada no Lote B da QL 24, às margens do lago Paranoá, em área cedida pelo Governo do DF. Já o museu terá entre 12 mil e 15 mil m² e contará, além de salas para exposições de longa e curta duração, com área para o desenvolvimento de projetos educacionais.

O Ibram é responsável pela coordenação do processo de implantação do museu, em uma ação interinstitucional com as fundações Palmares e Casa de Rui Barbosa – instituições que integram o Ministério da Cultura (MinC).

“A comunidade do Lago Sul pediu uma reunião com o instituto para apresentar subsídios arquitetônicos e urbanísticos para o novo parque e museu na capital federal, e nós acolhemos as contribuições com satisfação”, exalta Eneida Braga, presidente do Ibram substituta.

Segundo o documento, as propostas visam preservar o Lago Sul como “bairro de natureza essencialmente residencial e de baixa densidade demográfica, em que sejam privilegiadas atividades culturais, esportivas e de lazer de baixo potencial construtitvo, que valorizem a contemplação da beleza cênica e paisagística do local”.

As contribuições da comunidade local, assim como as das instituições do MinC envolvidas, deverão ser entregues para o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Distrito Federal (IAB/DF), que será responsável pelo concurso internacional para a escolha do projeto arquitetônico do novo museu.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Matéria relacionada
Concurso internacional vai escolher projeto para museu afrodescendente no DF

Acessibilidade e museus: dados foram destaque em palestra no Ibram

Na tarde de sexta-feira (22), a palestra Museus e acessibilidade – uma temática contemporânea reuniu cerca de 60 pessoas no auditório do edifício sede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MInC), em Brasília (DF). O evento foi promovido pelo Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) e também fez parte da programação do I Seminário do Sistema de Museus do Distrito Federal, que aconteceu nos dias 21 e 22.

Acessiblidade_PNEM

Isabel Portella apresentou dados relevantes sobre museus e acessibilidade

Na palestra, a coordenadora do Grupo de Trabalho Acessibilidade do PNEM, Isabel Portella, apresentou as várias especificidades que envolvem o tema. Isabel, que é pesquisadora do acervo do Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), ressaltou que além das adaptações arquitetônicas e comunicacionais, o treinamento e a sensibilização da equipe são fundamentais para garantir a segurança e a autonomia do visitante com deficiência.

Deficiência e educação
Entre os dados apresentados por Isabel Portella, o número de pessoas com deficiência chamou a atenção de Maria Julia Chelini, do Museu de Geociências da Universidade de Brasília (UnB), que foi uma das debatedoras.

Realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Censo 2010 revelou que quase ¼ da população brasileira (23,9%) tem algum tipo de deficiência, o que representa cerca de 45,6 milhões de pessoas. Julia destacou, ainda, os dados sobre a educação no Brasil e sugeriu uma reflexão sobre como atender essa enorme parcela da população que está deixando de ser atendida nos museus em todo o país.

Rafaela Felício, arquiteta da Coordenação de Espaços Museais, Arquitetura e Expografia (Cemae/DPMUS/Ibram), mencionou o projeto de Requalificação Arquitetônica e Expográfica dos Museus do Ibram e relembrou o trabalho realizado pelo instituto, em parceria com a UFRJ e a Faperj, que resultou em um diagnóstico sobre condições de acessibilidade em museus do Rio de Janeiro. Alguns desses dados estão disponíveis na publicação Cadernos Museológicos: Acessibilidade a Museus, disponível para download na página do Ibram. Saiba mais sobre o Programa Nacional de Educação Museal.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Rede de memória e museologia social inicia articulação no DF

A equipe do Programa Pontos de Memória/Ibram visitou em Sobradinho II (DF), no dia 8 de novembro, o Centro Espírita Caboclo Boiadeiro João Chapéu de Couro, o primeiro terreiro do Distrito Federal, criado em 1969, além de um acampamento de ciganos das etnias calóns.

Visita da equipe Pontos de Memória ao acampamento cigano em Sobradinho II

Visita da equipe Pontos de Memória ao acampamento cigano em Sobradinho II

A equipe dialogou sobre a construção da política pública de direito à memória, que vem sendo encampada junto ao programa, e de uma rede de iniciativas de memória e museologia social, desenvolvida por grupos, povos e comunidades de todo o país. A proposta também foi mobilizar essas iniciativas a participarem do movimento para a formação de uma rede de memória e museologia social no Distrito Federal.

A ideia é que, até o final do ano, sejam realizadas visitas técnicas a outras comunidades populares e iniciativas culturais das regiões administrativas do DF que tenham interesse e desejo de trabalhar suas memórias e histórias como valorização da identidade, ferramenta de luta e transformação social. A partir de então, será proposto um encontro para se pensar coletivamente na concepção e ações dessa rede no DF.

Memória da cultura afro-descendente também está presente no DF

Memória da cultura afro-descendente também está presente no DF

Movimento em redes

Diante da ampliação do Programa Pontos de Memória, a partir do trabalho junto as 12 iniciativas em comunidades urbanas e por meio dos editais de premiação Pontos de Memória, o Ibram vem trabalhando na perspectiva de articulação, qualificação, intercâmbio e comunicação por meio de redes regionais, estaduais e temáticas de pontos de memória e iniciativas de memória e museologia social, que se desenvolvam de forma autônoma e horizontal.

Até o momento estão em processo de formação e consolidação a Rede Cearense de Museus Comunitários, a Rede de Pontos de Memória e Iniciativas de Memória e Museologia Social do Rio Grande do Sul (REPIM-RS), a Rede de Pontos de Memória do Rio Grande do Norte (RN), a Rede de Pontos de Memória de Belém (PA), a Rede de Museologia Social do Rio de Janeiro (RJ), a Rede LGBT de Museologia Social e a Rede de memória Indígena de Pernambuco (PE).

Texto e fotos: Programa Pontos de Memória

Ibram apresenta resultado de pesquisa sobre não público de museus no DF

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) divulgou esta semana o relatório da pesquisa O “não público” dos museus: levantamento estatístico sobre o “não-ir” a museus no Distrito Federal, conduzida pela Coordenação de Pesquisa e Inovação Museal do Departamento de Processos Museais (Cpim/Depmus).

Com a pergunta Quem são as pessoas que não vão a museus?, o estudo tem como objetivo oferecer subsídios para políticas públicas no setor de museus do Distrito Federal.

Do público entrevistado, 23,3% pessoas afirmaram frequentar museus e 76,67% disseram não frequentar, sendo que 36,8% disseram que não frequentam por falta de tempo. Foram 1,2 mil entrevistados, com faixa etária entre 15 e 69 anos, no Plano Piloto, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Planaltina e Cidade Estrutural. Leia o relatório na íntegra.

Apesar do caráter piloto da pesquisa foi possível concluir, por exemplo, que a escolaridade e a renda são elementos-chave a serem considerados quando se trata de políticas públicas de acesso aos museus. O próximo passo, segundo o Ibram, seria entender melhor a relação entre escolaridade e renda e a relação com o hábito de frequentar museus.

Museus do estado de São Paulo receberão exemplares do livro

Lançamento
O livro Que público é esse? Formação de públicos de museus e centros culturais (Editora Percebe) foi lançado no dia 7 de maio, em São Paulo, e se propõe a descobrir características desses espaços, compreender melhor os visitantes e saber como planejar e executar ações educativas em exposições.

As autoras são profissionais das áreas de Biologia, Física e História, todas com pós-graduação em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), com foco em educação e museus.

Financiado pelo Instituto Votorantim por meio do Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura, o livro é considerado pioneiro no Brasil, dada a pouca circulação de informação nessa área em língua portuguesa. A tiragem da publicação é de 1,5 mil exemplares, que serão distribuídos gratuitamente para os museus paulistanos.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: Divulgação

Pontos de Memória no DF e RS realizam exposição e encontro em novembro

O Ponto de Memória da Estrutural, no Distrito Federal, lança no dia 10 de novembro, a partir das 9h, a exposição Movimentos da Estrutural: A mulher e a cidade.

A mostra é um dos resultados do processo de inventário participativo que vem sendo realizado, desde 2011, pelo conselho gestor do projeto junto à comunidade.

Na ocasião, também acontece uma conferência ministrada pelo museólogo e doutor da UniRio, Mário Chagas, sobre o tema Museologia Social  e Memória – Extensão e Comunidade. Saiba mais no blogue do projeto.

Já em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, acontece o Encontro da REPIMRS – Rede de Pontos de Memória e Iniciativas Comunitárias de Memória e Museologia Social gaúchos. O evento ocorre no dia 17 de novembro, durante a celebração da Semana da Consciência Negra em Santa Maria, que está na sua 24ª edição. Outras informações pelo telefone (55) 3226.6082 ou pelo endereço eletrônico museutrezedemaiosm.nucom@gmail.com.

Texto: Ascom/Ibram

Decreto dispõe sobre a criação do Sistema de Museus do Distrito Federal

Publicado no Diário Oficial do DF , em 23 de outubro de 2012, decreto que dispõe sobre o Sistema de Museus do Distrito Federal (SIM-DF), que vai permitir ao Distrito Federal captar recursos para melhorar e aperfeiçoar os museus de Brasília.

Vinculado à Secretaria de Cultura do DF, o SIM-DF tem como objetivo, além de propor formas de provimento de recursos, financiamento e fomento destinados à área museológica, implementar políticas de integração e incentivo aos museus sediados no DF, desenvolver programas de capacitação de recursos humanos para atuação nos museus, estimular propostas de realização de atividades educativas e culturais dos museus junto às comunidades, e incentivar a inclusão dos Museus do DF no Cadastro Nacional de Museus (CNM).

O SIM-DF será gerido por um Comitê Gestor cujos membros serão eleitos no dia 12 de novembro, às 10h, na Sala Alberto Nepomuceno do Teatro Nacional Cláudio Santoro, na Capital Federal. Saiba mais.

Conexões
O 14º encontro do projeto Conexões Ibram acontece em Brasília entre os dias 5 e 7 de novembro, no Museu Nacional e Biblioteca Nacional do Conjunto Cultural da República. Palestras sobre políticas e estratégias de gestão para o setor de museus, além de Grupos de Trabalho para tratar de temas específicos, compõem a programação. Acompanhe pelo blogue do projeto Conexões Ibram.

Texto: Ascom/Secult DF
Edição: Ascom/Ibram

 

 

 

Projeto Conexões Ibram DF: inscrições podem ser feitas até 2 de novembro

Promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), em conjunto com a Secretaria de Cultura do Distrito Federal, o projeto Conexões Ibram chega a Brasília entre os dias 5 e 7 de novembro. Aberto ao público, as inscrições para participar do evento podem ser feitas até o dia 2 de novembro. Saiba como se inscrever.

A 14ª edição do projeto Conexões Ibram, que pecorre o Brasil desde março, tratará de temas diversos, relacionados ao setor museal, como Sistemas e Redes de Informação, Estatuto e Plano Nacional Setorial de Museus, Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado, Programa Pontos de Memória, Estratégias de Fomento e Financiamento aos Museus.

Tendo em vista que a capital federal é uma das cidades-sede da Copa das Confederações (2013) e da Copa do Mundo de Futebol (2014), o tema Legado Cultural para o setor museal: megaeventos esportivos também está na pauta. Confira a programação completa.

O Distrito Federal dispõe de 60 instituições museológicas. De acordo com a publicação Museus em Números, para cada unidade museal existente no DF há cerca de 40 mil habitantes, dado que lhe confere a quarta posição nacional neste quesito.

Além disso, a maioria dos museus do DF são públicos (68,4%) e, em sua maior parte, vinculados à esfera federal (42,1%). Saiba mais sobre o projeto Conexões Ibram.

Texto: Ascom/Ibram

Página 1 de 212