Governos buscam saída para pedido de desocupação do Museu da Maré

Na tarde de ontem (27), representantes do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), do Sistema Estadual de Museus do Rio de Janeiro e do Instituto Pereira Passos, ligado à Prefeitura do Rio, estiveram no Museu da Maré, localizado no Complexo da Maré, na capital fluminense.

Representantes das três esferas do executivo em reunião com direção do Museu da Maré

Representantes das três esferas do executivo em reunião com a direção do Museu da Maré

A visita teve por objetivo encontrar uma solução para o pedido de desocupação do galpão industrial que o museu ocupa desde 2006, devido ao fim de comodato estabelecido com a Companhia Paulista de Comércio Marítimo – proprietária do espaço antes utilizado para o reparo de peças navais.

Considerado referência internacional para a Museologia Social, por lidar com o registro, preservação e divulgação da história das comunidades da Maré, o museu mantém uma exposição permanente, além de desenvolver atividades lúdico-educativas, oficinas e outras ações em torno da memória social.

Ação conjunta
Para o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, que esteve no local, “a reunião foi positiva: estamos propondo uma ação integrada entre os executivos federal, estadual e municipal para que possamos encontrar um espaço de diálogo com os proprietários do imóvel”, acredita. “O Museu da Maré é uma conquista e atraí a atenção de pesquisadores e frequentadores de museus de todo o mundo”.

A preparação de nota técnica pelo professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e Museólogo do Museu da República Mário Chagas, sobre o papel relevante do “museu de favela” para a memória social da cidade, assim como um pedido de encontro entre os proprietários do imóvel e os representantes do poder público, a ser feito pela direção do museu, foram alguns dos encaminhamentos do encontro. Saiba mais sobre o Museu da Maré.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Representação Ibram Rio
Última atualização: 1º.10.2014