Presidente do Ibram participa de encontro nacional com prefeitos em Brasília

Brandao_foto_Paulo-Victor-Lago1264

Carlos Roberto Brandão, presidente do Ibram, no encontro com prefeitos em Brasília

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Carlos Roberto Brandão, participou nessa quinta-feira (9), em Brasília, do III Encontro dos Municípios com Desenvolvimento Sustentável (EMDS), promovido pela Frente Nacional de Prefeitos.

Painelista na mesa cujo tema era A cidade educadora como espaço de convivência, diálogo, renovação e criatividade, Brandão destacou que a complexidade da cultura e da comunicação no tempo presente, em acelerado processo de transformação, traz grandes desafios.

O Papel dos museus
Segundo ele, na velocidade com que tudo se passa, os museus, como centros de memória, patrimônio, cultura, educação e cidadania, são locais estratégicos para se prospectar o futuro, a partir da vitalidade do passado e do dinamismo do presente, enraizando o desenvolvimento cultural nas cidades.

O presidente do Ibram lembrou que hoje existem cerca de 3.500 museus mapeados no Brasil – número cinco vezes maior do que o registrado na década de 1970 e duas vezes maior do que o que havia na década de 1990.

“Podemos observar uma curva acentuada de criação de novas instituições, o que demonstra o desejo da sociedade brasileira de preservar e disseminar as diferentes identidades e memórias”, afirmou Carlos Roberto Brandão.

Dos museus brasileiros mapeados, 67,2% deles são cadastrados no Cadastro Nacional de Museus (CNM), executado e mantido pelo Ibram. O órgão também oferece ações de fomento e financiamento de projetos no setor museológico, por meio de editais, além de eventos e ações de mobilização social, como a Semana Nacional de Museus, que está na 13ª edição e será realizada entre 18 e 24 de maio, com a participação de 1.378 instituições.

Brandao_Mesa_foto_Paulo-Victor-Lago1238 (2)

Brandão participou do último dia do encontro

Encontro internacional
O presidente do Ibram participou do III Encontro dos Municípios com Desenvolvimento Sustentável ao lado da ministra da Secretaria de Políticas de Promoção de Igualdade Racial, Nilma Lino Gomes; da secretária de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Ivana Bentes; da gerente de projetos da Fundação Telefônica Vivo, Mila Gonçalves; e da presidente do Conselho de Administração do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), Maria Alice Setubal.

O evento contou com mais de 9 mil inscritos, 109 entidades nacionais e internacionais e representantes de 16 países, e teve como tema Nova governança federativa e o papel das cidades no Brasil e no mundo.

Texto: Marcela D’Alessandro
Fotos: Paulo Victor Lago / III EMDS

Ibram propõe roteiro cultural para museus do Rio de Janeiro durante a Rio+20

Tendo em vista a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), entre os dias 13 e 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) convida museus e entidades culturais do Estado do Rio de Janeiro a colaborarem na elaboração de um roteiro cultural Museus Rio +20.

O objetivo é convocar a comunidade a discutir, vivenciar e trocar experiências e reflexões que conduzam à dimensão da diversidade cultural como vetor de desenvolvimento humano.

As instituições interessadas em participar devem se cadastrar, entre 11 de abril e 4 de maio, na página Museus Rio+20 e inserir as informações relativas à programação proposta durante a conferência. O cadastro funciona nos mesmos moldes de atividades desenvolvidas pelo Ibram como a Semana de Museus e a Primavera dos Museus. A inscrição pode ser feita aqui.

Seminários, exposições, oficinas, espetáculos, mesas redondas, visitas guiadas, exibições de filmes, entre outras atividades, podem integrar o roteiro cultural – que será impresso e distribuído pelo Ibram durante a Rio+20, nos diversos espaços que a conferência irá ocupar, assim como ficará disponível em formato digital.  A efetiva inclusão da programação do museu no roteiro cultural acontecerá somente com a inscrição.

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail museusrio+20@museus.gov.br ou pelos telefones (61)3521.4019/4297.

Última atualização: 10 de abril às 17h16

Programa de Pós-Graduação em Memória Social inicia mapeamento dos museus fluminenses

A falta de mapeamento e documentação sistematizada do universo dos cerca de 220 museus fluminenses levou a antropóloga Regina Abreu, do Programa de Pós-graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio), em parceria com pesquisadores do Instituto Brasileiro de Museu- Ibram, e a socióloga Myrian Sepúlveda dos Santos, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), a desenvolver o projeto de pesquisa Memória, Cultura, Transformação Social e Desenvolvimento Sustentável: Panorama Museal do Estado do Rio de Janeiro. O projeto prevê a criação de vídeos, site e guia, como roteiros e histórias dos museus nos quatro cantos do Estado.

O estudo – que também conta com a participação de professores e alunos do Programa de Pós-graduação em Memória Social da UniRio e de bolsistas de Treinamento e Capacitação Técnica e de Iniciação Científica da Faperj e do CNPq, além de alunis da Escola de Museologia da UniRio – teve início com o levantamento de todos os museus fluminenses, tendo como base os dados disponibilizados pelo Cadastro Nacional de Museus do Ibram. Depois, a equipe selecionou percursos e roteiros de visitação a partir das oito regiões econômicas definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cada rota de musesu projetada foi vivenciada e filmada pela equipe.

Na região centro-fluminense, a primeira rota de museus a ser visitada foi composta por quatro instituições: Museu Casa da Hera, em Vassouras, Museu Francisco Alves e o Museu Ferroviário, ambos em Miguel Pereira, e Museu da Cachaça, em Paty dos Alferes.

No livro, o grupo de pesquisadores relata as entrevistas com pessoas ligadas à história de cada lugar, a importância dos museus e a ligação deles entre si e com as cidades a que pertencem, além de outros museus que estão na rota. Tanto o livro como o site servirão para sugerir roteiros de visitação.