Biblioteca Rocambole tem programação especial para o mês das crianças

A Biblioteca Rocambole, do Museu Imperial/Ibram, em Petrópolis, preparou uma programação especial para o mês de outubro. Nos dias 4 e 5, das 14h às 15h, a hora do conto irá homenagear o Dia Mundial dos Animais com a contação do livro “Abraço de urso”, de Cláudia Cotes, em seguida haverá exploração de livros e fantoches da Biblioteca Rocambole.

No dia 6 de outubro, o Dia do Pintor será lembrado. Das 14h às 15h, será contada a história de “Michelangelo”, de Tony Hart. Posteriormente haverá oficina criativa.

No dia 11, das 14h às 15h, em comemoração ao Dia das Crianças, será a vez de “As crianças vão ficar doidas!”, de Tino Freitas, logo depois haverá interação com jogos e fantoches da Biblioteca Rocambole.  Em 13 de outubro, a comemoração do Dia das Crianças continua das 14h às 15h. A leitura dessa vez será do livro “Toda criança gosta…”, de Bia Hetzel e Mariana Massarani. Posteriormente será proposta uma oficina criativa sobre o tema.

As atividades continuam ao longo do mês e a programação completa pode ser encontrada aqui.

A Biblioteca Rocambole funciona de terça a sexta-feira, das 9h às 12h, para leitura espontânea, consultas e empréstimos. Na parte da tarde, o espaço abre as portas para as atividades escolares agendadas através do telefone (24) 2233-0345, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 18h.

Sábado Cultural no Museu Lasar Segall

Neste sábado, 12 de dezembro, o Museu Lasar Segall/Ibram promoverá várias atividades. Na programação, aula aberta sobre cinema russo, lançamento de livro e contação de histórias. A entrada para qualquer um dos eventos é gratuita.lasar segall_AULA ABERTA 12DEZ_NEIDE JALLAGEAS-CARTAZETE-thumb

Das 15h às 17h, a Aula aberta sobre Andrei Tarkóvski e a perspectiva inversa, será ministrada pela Prof.ª Dr.ª: Neide Jallageas, editora da Kinoruss Edições e também pesquisadora da cultura visual russa. O conteúdo abordará o conceito de Perspectiva Inversa, formulado pelo teólogo e historiador da arte Pável Floriênski, presente no cinema de Andrei Tarkóvski.

novo Lasar Segall_CONV ELETRONICO_LIVRO CLAFER-LS-MULTIPLOS OLHARES (5)Às 15h30, haverá o lançamento do livro Lasar Segall: Múltiplos Olhares, do jurista Celso Lafer e editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, com apoio do Museu Lasar Segall, que cedeu as imagens que ilustram a obra. O livro é organizado em duas partes: a primeira constituída por ensaios, concebidos originalmente para catálogos de exposições de Segall, realizadas no Brasil e no exterior, dedicados à análise das múltiplas vertentes da obra e da vida do artista. A segunda parte traz textos do autor apresentados em eventos de caráter diverso. Nele, o autor descreve um pouco sobre seu vínculo de parentesco e amizade com a família de Lasar Segall.

Na sequência haverá, ainda, o 1º Encontro Guismo de Contação de Histórias, lasar segall_FOLDER_CONTACA-HIST_C-LITERARIA1com a Arte-educadora e atriz Patty Mattioli. O Encontro é voltado a educadores, contadores e admiradores de uma boa história, a iniciativa tem como objetivo resgatar a tradição dos contos orais. O evento será dividido em duas etapas, na primeira Mattioli contará histórias, para em seguida apresentar técnicas realizadas por meio de exercícios práticos, e abrir espaço para debates, reflexões e trocas de experiências sobre o tema.

O Museu Lasar Segall fica na Rua Berta, 111, em São Paulo, e está aberto à visitação de quarta a segunda-feira, das 11h às 19h. Mais informações pelo telefone (11) 2159.0400 ou no site do museu.

Outubro cheio de homenagens na Biblioteca Rocambole, do Museu Imperial

Um homem no sotaoOutubro é o mês das crianças, do poeta, dos animais, do pintor e do livro. Diante de tantas comemorações a Biblioteca Rocambole (Museu Imperial/Ibram/MinC) não poderia ficar de fora e preparou uma intensa programação com exploração do acervo, oficinas criativas e leitura com histórias dinâmicas. Todas as atividades são gratuitas e destinadas a grupos escolares previamente agendados junto ao setor de Educação do Museu Imperial.

Nos dias 06 e 07 de outubro, a hora do conto homenageará o Dia Mundial dos Animais com o livro “A Galinha que botava batatas” de Simone Pedersen, em seguida haverá interação com fantoches e jogos. Na história, Miranda é convidada a ir ao galinheiro para desvendar um enigma. A galinha Josefina não colocou um ovo e sim uma batata. Com sua mala de detetives a menina começa a fazer investigações, anotações e segue pistas até chegar a uma solução.

No dia 08 de outubro a contação de histórias irá comemorar o Dia do Pintor, com o livro “Claude Monet”, de Mike Venezia, em seguida, haverá oficina criativa. O livro aborda de forma fácil e clara a infância, a família, os amigos, os primeiros traços, as obras mais importantes, os desafios e as conquistas de Monet. Em meio à biografia do artista há comentários a respeito das obras, nos quais formas, cores e texturas tornam-se elementos familiares e facilmente observáveis ao leitor.

Já nos dias 20 e 21 de outubro, será a vez do livro ser homenageado com a história “Um homem no Sótão”, de Ricardo de Azevedo, em seguida haverá exploração de livros jogos e fantoches na Biblioteca Rocambole. A leitura conta que personagens de contos de fada invadem furiosos a vida do autor e exigem mudanças nos papéis que representam há centenas de anos. O que será que vai acontecer? Será que as histórias mudarão?

No dia 22 de outubro, a Biblioteca Rocambole homenageará o Dia da Poesia com o livro “Poesia na varanda”, de Sonia Junqueira. Posteriormente haverá exploração de livros, jogos e fantoches. O texto apresenta um poema sobre onde se pode encontrar a poesia – na planta que brota, na chuva que cai, numa canção, no céu estrelado, entre outros.

bruxa-bruxa-venha-minha-festa

Nos dias 27 e 28 de outubro, mais uma vez, o Dia Nacional do Livro será homenageado, porém, com a história “O livro inclinado”, de Peter Newell, seguida da exploração do acervo. O formato inclinado do livro nos dá uma pista do que o leitor encontrará ao abri-lo: um carrinho de bebê foge desgovernado ladeira abaixo, causando uma grande desordem por onde passa.

Para fechar o mês de outubro, no dia 29 de outubro, a hora do conto será com o livro “Bruxa, bruxa venha a minha festa”, de Arden Druce, acompanhada de oficina criativa. O texto fala sobre uma menina que pede para que todos os tipos de seres assustadores compareçam a sua festa, desde bruxas até fantasmas.

A Biblioteca Rocambole funciona de terça a sexta-feira, das 9h às 12h, para leitura espontânea, consultas e empréstimos. Na parte da tarde, o espaço abre as portas para as atividades escolares agendadas através do telefone (24) 2233-0345, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 12h30 às 17h30.

O acervo é composto por cerca de 600 títulos, entre livros, revistas, gibis, dicionários, atlas, DVDs e jogos.  Sua programação mensal de atividades e outras informações relativas ao seu funcionamento e obras podem ser acessadas no Blog da Biblioteca: http://bibliotecarocambole.blogspot.com.

SERVIÇO

Biblioteca Rocambole

Funcionamento: terça a sexta-feira, das 9h às 12h (consultas e empréstimos) e das 14h às 17h (atividades com grupos escolares agendados)

Local: Museu Imperial

Informações: (24) 2233-0332 / (24) 2233-0312

Agendamento para grupos escolares: (24) 2233-0345 (setor de Educação)

Mais informações e programação: http://bibliotecarocambole.blogspot.com

Contação de histórias no Casa da Hera

O Museu Casa da Hera, em Vassouras (RJ), promove na próxima sexta-feira (20/5), o espetáculo teatral Memória Duradoura – sabedorias e encantamentos que mescla contação de histórias, brincadeiras infantis e música. O espetáculo faz parte das comemorações da 9ª Semana Nacional de Museus e foi criado para afirmar nossas raízes culturais, sobretudo africana, indígena e portuguesa, através do contar e recontar, encantando crianças e adultos com nossas sabedorias, costumes e saberes.

Confira a programação:

17 de maio – terça-feira

Cineclube Casa da Hera Especial – I. Rozemberg

Horário: 14h

18 de maio – quarta-feira

Oficina Memória e Patrimônio

Horário: De 9h as 11h no Museu Casa da Hera e de 14:00 as 16:00 na Casa de Cultura Tancredo Neves

Visita mediada ao Museu

Horário: 15h

19 de maio – quinta-feira

Visita mediada ao Museu

Horário: 15h

20 de maio – sexta-feira

Espetáculo “Memória Duradoura – sabedorias e encantamentos”

Horário: 14h

Visita mediada ao Museu

Horário: 15h

Ponto de Memória da Estrutural realiza primeira ação museal

O Ponto de Memória da Estrutural (DF) realizou no último sábado, 4 de dezembro, na Casa dos Movimentos,  sua primeira ação museal na comunidade – um café-da-manhã acompanhado de uma  roda de contação de histórias sobre a região.

O evento permitiu que moradores pioneiros, como Geralda Dias e Elias Mendes, revelassem detalhes sobre como a população fazia há vinte anos para resistir e sobrevier diante da constante ameaça de remoção. “Não podíamos sair de casa nem para trabalhar, porque corríamos o risco de ter tudo derrubado. Mesmo com todas as dificuldades éramos unidos e felizes”, enfatiza Elias.

Para ele, o ponto de memória é a oportunidade de a Estrutural desenvolver um trabalho que não conte apenas fatos políticos, mas reflita a comunidade. Os moradores querem criar um museu que mostre experiências e vivências antigas e que deram origem à comunidade, mas também abrir espaço para os hábitos atuais dos moradores, sejam eles crianças, jovens, adultos ou idosos.

“Nossa ideia é fazer um museu vivo, no qual as escolas possam trazer seus alunos para fazer pesquisas, mas também onde os moradores possam contar suas histórias e divulgar suas experiências de vida”, destaca Abadia Teixeira, líder comunitária e membro do conselho gestor do Ponto de Memória da Estrutural. Durante o evento, ela enfatizou a função positiva que o museu pode ter na comunidade e lembrou a importância do projeto dar certo na região para poder ser levado a outras localidades do País.

A valorização da memória ajuda não apenas a preservar a história dos moradores, mas também a unir a comunidade em torno de objetivos comuns na busca pelo desenvolvimento local. “Os moradores da Estrutural sempre receberam coisas materiais, principalmente vindas de políticos. Mas não adianta só receber, é preciso aprender como tudo aconteceu para despertar na comunidade a vontade de retribuir e de fazer algo pelo outro”, defende a moradora Clara Soraia Ribeiro.

Felizes por poderem contar a história da cidade pelo ponto de vista de quem dela participou, os moradores prometeram doar fotos e objetos relevantes para descrever a trajetória da comunidade.  A “roda de memória” foi gravada e, segundo o conselho gestor do ponto de memória, integrará o acervo do futuro museu.

Programa Pontos de Memória

Desde 2003, o Instituto Brasilieiro de Museus – Ibram/MinC apoia iniciativas de memória, que ajudam a fortalecer as comunidades a partir do reconhecimento de suas raízes históricas. “É importante fazer com que as experiências de memória tenham vida, tenham voz. As pessoas se sentem valorizadas. Se alguém não escreve sua história, ela será escrita por outra pessoa”, destaca Marcelle Pereira, coordenadora de Museologia Social e Educação do Ibram.

Atualmente, o Ibram é parceiro em 12 projetos-pilotos nas cinco regiões brasileiras. A idéia é auxiliar, por meio de apoio técnico e de consultorias, iniciativas existentes ou novas experiências comunitárias de grupos envolvidos em ações de preservação da memória local.

Além da Estrutural (DF), há pontos de memória em Belém, PA (Terra Firme); Belo Horizonte, MG (Taquaril); Curitiba, PR (Sítio Cercado); Fortaleza, CE (Grande Bom Jardim); Maceió, AL (Jacintinho); Porto Alegre, RS (Lomba do Pinheiro); Recife, PE (Coque); Rio de Janeiro, RJ (Pavão- Pavãozinho-Cantagalo); Salvador, BA (Beiru); São Paulo, SP (Brasilândia) e Vitória, ES (São Pedro).

Os projetos são resultado de parceria entre os programas Mais Cultura e Cultura Viva, do Ministério da Cultura (MinC); o Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci), do Ministério da Justiça (MJ); e a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI).