Ibram abre seleção para projetos de iniciação científica

O Instituto Brasileiro de Museus – Ibram publicou na última sexta-feira (5) edital para a seleção de bolsas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do CNPq (PIBIC). A seleção visa estimular o desenvolvimento do pensamento científico e iniciação à pesquisa de estudantes de graduação do ensino superior e tem como principal objetivo possibilitar maior interação entre alunos de graduação e as pesquisas desenvolvidas no campo museal.

Ao todo foram disponibilizadas 10 (dez) bolsas de Iniciação Científica (IC) e cada orientador poderá propor à seleção apenas 1 (um) projeto. O Orientador deverá ser servidor do Ibram, ativo e sem estar em período de licença maior do que o período de vigência da bolsa, com titulação de doutor, ou de perfil equivalente.

Cabe ao orientador, entre outras coisas, escolher e indicar, para bolsista, o aluno com perfil e desempenho acadêmico compatíveis com as atividades previstas observando princípios éticos e conflito de interesse. A vigência da bolsa será de 11 (onze) meses, tendo início em 1º de junho de 2019, podendo ser prorrogada por 12 (doze) meses. O valor da bolsa é de R$ 400,00 mensais.

Os candidatos a orientador deverão enviar os projetos de pesquisa para a Coordenação do PIBIC/CNPq-Ibram conforme especificado no Edital Nº 4/2019 até o dia 30 de abril de 2019, exclusivamente pelo e-mail mhn.pesquisa@museus.gov.br.

Somente serão avaliados e concorrerão a bolsas os projetos apresentados por servidores ativos do Ibram com doutorado e com toda a documentação apresentada no momento da inscrição.

Cada projeto de pesquisa será julgado por membros da Comissão Externa da Coordenação PIBIC/CNPq-Ibram e o resultado da seleção será publicado no dia 11/06/2019.

Educação museal: linha de pesquisa realiza encontros mensais no MHN

Objetivo da ação é a formação continuada no campo, a produção de conhecimento em educação museal, a elaboração teórica coletiva e a construção de ferramentas e metodologias aplicáveis à prática educativa em museus.

Objetivo da ação é a formação continuada no campo, a produção de conhecimento em educação museal, a elaboração teórica coletiva e a construção de ferramentas e metodologias aplicáveis à prática educativa em museus.

Vinculada ao grupo de pesquisa “Escritas da história em museus: objetos, narrativas e temporalidades”, do Museu Histórico Nacional (MHN) e CNPq, a linha de pesquisa “Educação museal: conceitos, história e políticas”, passa a se reunir mensalmente no museu com educadores, profissionais de museus, pesquisadores e estudantes.

O objetivo da ação é a formação continuada no campo, a produção de conhecimento e de informação em educação museal, a elaboração teórica coletiva e a construção de ferramentas e metodologias aplicáveis à prática educativa em museus. O calendário 2019 inclui cursos, mesas redondas, encontros e apresentações de pesquisas.

Na próxima quinta-feira (28), das 10h às 13h, acontece a primeira reunião da linha de pesquisa em 2019, que vai realizar a leitura e debate de termos e conceitos do Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) – disponível para download gratuito.

Saiba mais.

Ibram inscreve até esta quarta para bolsas de iniciação científica

Oportunidade se destina ao financiamento de projetos de pesquisa no campo de atuação do órgão.

Serão oferecidas 10 bolsas destinadas ao financiamento de projetos de pesquisa no campo de atuação do órgão.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) recebe até a próxima quarta-feira (15) inscrições para seleção de bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Lançada numa parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a oportunidade se destina ao financiamento de projetos de pesquisa no campo de atuação do órgão.

Serão oferecidas dez bolsas de iniciação científica no valor de R$ 400 mensais pelo período de 12 (doze) meses, sendo prorrogável por igual período. Podem se candidatar alunos regularmente matriculados em cursos de graduação de instituições públicas ou privadas de ensino superior reconhecidas pelo MEC que não estejam recebendo qualquer outra modalidade de bolsa.

Poderão atuar como orientadores servidores ativos do quadro técnico do Ibram que não estejam em período de licença e possuam título de doutor, além de experiência compatível com a função de orientador e formador de recursos humanos qualificados. Também será requisito a produção científica, tecnológica ou artístico-cultural comprovada nos últimos três anos.

O mérito científico dos projetos apresentados será avaliado pelo Comitê Externo da Coordenação PIBIC/CNPq/MinC/Ibram. Um dos objetivos da iniciativa é proporcionar aos bolsistas a aprendizagem de técnicas e métodos científicos relacionados ao campo dos museus, contribuindo para o desenvolvimento de sua criatividade teórica e cultural.

Os candidatos a orientador do programa deverão enviar os projetos de pesquisa para a Coordenação do PIBIC/CNPq-Ibram até o dia 15 de agosto, exclusivamente pelo e-mail mhn.pesquisa@museus.gov.br. Para mais detalhes, leia o edital.

Mapeamento: Ibram vai cadastrar pesquisadores em museus e memória

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) deu início a um trabalho de mapeamento de pesquisadores vinculados à instituição interessados em liderar grupos de pesquisa sobre a área de museus e memória. O objetivo é formar um Diretório dos Grupos de Pesquisa do Ibram, que serão cadastrados junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – instituição vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

O cadastramento permitirá um maior intercâmbio e troca de informações entre grupos que atuam dentro do próprio Ibram e outros grupos, instituições e pesquisadores com os quais compartilhem afinidades. Vai possibilitar também o acompanhamento das pesquisas em andamento no instituto e contribuir para a preservação da memória sobre a produção de conhecimento na área museal.

Como funcionará
O Ibram já está inscrito no CNPq como instituição de pesquisa e encontra-se formalmente autorizado a iniciar o processo de cadastramento de líderes e grupos.

A partir desses cadastramentos, as informações geradas pelo desenvolvimento das pesquisas dos futuros grupos passarão a constar da base de dados do CNPq – que reúne, além dos grupos, informações sobre pesquisadores, linhas de pesquisa, especialidades de conhecimento, setores de atividade envolvidos e a produção dos participantes, entre outras.

Cada grupo de pesquisa será formado por um líder (que deve ser um pesquisador com doutorado e cadastrado na plataforma Lattes) e por pesquisadores (graduados ou pós-graduados), podendo incluir ainda estudantes e técnicos. O CNPq não fixa limite para o número de grupos por instituição de pesquisa.

Até o momento, o Ibram cadastrou 12 líderes que atuam dentro do instituto. Será iniciado em breve o cadastramento de líderes não vinculados instituição, mas com um histórico de participação em projetos e ações promovidos pelo Ibram. Para outras informações, faça contato pelo endereço eletrônico alvaro.marins@museus.gov.br.

Texto: Ascom/Ibram
Última atualização: 10.3.2014