Projeto Tainacan é apresentado a museus cariocas

Tainacan RioTécnicos do Ibram, da Secretaria de Políticas Culturais do MinC e da Universidade Federal de Goiás participaram, na última semana, no Rio de Janeiro, de reuniões de trabalho e palestras com foco na digitalização e disponibilização de acervos de museus na internet.

A comitiva se reuniu com as equipes do Museu Histórico Nacional, Museu de Astronomia e Ciências Afins, Fundação Casa de Rui Barbosa e Superintendência de Museus da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, que serão pilotos do projeto Tainacan Museu.

Resultado da parceria entre SPC e UFG, o Tainacan é uma ferramenta de código aberto, voltada para a gestão de acervos culturais de arquivos, bibliotecas e cinematecas, trazendo ainda uma camada voltada para a colaboração de usuários. Com a parceria do Ibram a solução passará também a possibilitar o inventário a gestão e a difusão de acervos museológicos.

Dentre os encaminhamentos das reuniões, foram propostos acordos de cooperação técnica e uma agenda comum sobre documentação nos museus entre as instituições.  A Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro também irá avaliar a possibilidade de integração da Rede Web de Museus ao Tainacan. Fazem parte desta rede, cerca de 20 museus do Estado.

Para a Coordenadora-Geral de Sistemas de Informação Museal do Ibram, “este projeto é essencial para colocar a documentação museológica na agenda política. A solução Tainacan Museu poderá ser gratuitamente utilizada pelas instituições museológicas para identificarem suas coleções de acordo com as normas do Inventário Nacional de Bens Culturais Musealizados”. Além disto, a solução permitirá a gestão das coleções, a publicação de conteúdos nas redes sociais, muitas facilidades advindas da web2.0, e o aumento da interconexão com outras instituições de memória.

Servidoras do Ibram participam de eventos nas áreas de registro e memória

Neste mês de setembro, duas servidoras vinculadas ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) representarão o instituto fora do país. Ainda esta semana, Maria Helena Versiani, pesquisadora do Museu da República (RJ), viaja à cidade de Dresden (Alemanha) para participar da Conferência Anual do Comitê Internacional para Documentação, organizada pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), que acontece entre os dias 5 e 12. Ela irá apresentar o trabalho Memórias de uma coleção histórica.

Museu da República (RJ)

O Museu da República (RJ) guarda acervo que preserva a memória da constituinte de 1988

“O trabalho, resumidamente, discute o processo de formação de um conjunto documental preservado no Museu da República com o nome de Coleção Memória da Constituinte”, explica Maria Helena.

Esse acervo, segundo ela, possui a especificidade de ser uma documentação formada por instâncias da administração pública vinculadas ao Ministério da Cultura (MinC), criadas especificamente para atuar no processo constituinte, que resultou na promulgação da atual Constituição Federal em 1988.

A pesquisadora ressalta que alguns aspectos da formação desse acervo indicam, em grande medida, escolhas políticas dos agentes responsáveis por sua acumulação e organização como patrimônio histórico documental.

“Trata-se de uma coleção museológica que valoriza a redemocratização do Brasil, em contraposição ao regime autoritário imposto no país a partir do golpe de 1964,” conclui Maria Helena Versiani.

Espanha
Já a Coordenadora-Geral de Sistemas de Informação Museus do Ibram, Rose Miranda, que em 2013 apresentou a situação do registro de museus no Brasil no I Encontro do Comitê Assessor do Observatório Ibero-Americano de Museus (OIM) em Toledo (Espanha), se prepara para mais uma atividade no país. Entre 13 e 22 de setembro, ela volta à mesma cidade para participar do segundo encontro do OIM – projeto enquadrado dentro do Programa Ibermuseus.

Matéria relacionada
Observatório Ibero-Americano de Museus se reúne na Espanha

1ª Reunião de Profissionais de Arquivos e Bibliotecas do Ibram/Minc

Nos dias 3 e 4 de maio, na unidade administrativa do Instituto Brasileiro de Museus do Rio de Janeiro-RJ, foi realizada a 1ª Reunião de Profissionais de Arquivos e Bibliotecas do Ibram/MinC. O encontro, promovido pela Coordenação Geral de Sistemas de Informação Museal do Ibram (CGSIM) , por meio da Coordenação de Acervos e Memória, apresentou e debateu programas e projetos desenvolvidos para as áreas de arquivos, bibliotecas e gestão documental dos museus e da área central da instituição.

A abertura do evento contou com a presença do presidente do Ibram/MinC, José do Nascimento Junior, que ressaltou a importância da valorização dos arquivos e bibliotecas de museus enquanto serviços de informação. Nascimento anunciou ainda a criação do Centro de Documentação e Informação do instituto, em Brasília.

Durante o encontro, a coordenadora da CGSIM, Rose Miranda, destacou o expressivo volume de bens conservados nas 28 unidades do Ibram/MinC. Segundo ela, o acervo bibliográfico soma 776.272 bens e o acervo arquivístico é formado por 529.472 itens e 408 metros lineares de documentos. A soma destes bens atinge cerca de 1,5 bilhões.

Temas como o 4º Fórum Nacional de Museus, que pela primeira vez terá um grupo de trabalho específico para a área de informação em museus, e o projeto de integração de bancos de dados em um sistema de gestão compartilhada, que vai possibilitar o desenvolvimento de serviços integrados de disseminação dos acervos documentais e bibliográficos do instituto pela internet, foram destaques durante o evento.

Os 52 profissionais que participaram do encontro compartilharam as experiências promovidas na área documental e bibliográfica das unidades museológicas em que atuam. Ao final, foi aprovada a criação do Sistema de Arquivos e da Rede de Bibliotecas dos Museus do Ibram/Minc, estruturas que têm o objetivo de incentivar a integração e comunicação, além de possibilitar a definição de padrões, normas e metodologias comuns.