Ibram assina acordo com os três poderes para criação de centro cultural

Ibram ficará responsável por oferecer assessoramento técnico à concepção e planejamento da nova unidade museológica, que vai reunir acervos dos três poderes num mesmo espaço na capital federal.

Ibram ficará responsável por oferecer assessoramento técnico à concepção e planejamento da nova unidade museológica, que vai reunir acervos dos três poderes num mesmo espaço na capital federal. (Foto: Jane de Araújo/Agência Senado)

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), o Senado Federal, a Câmara dos Deputados, o Supremo Tribunal Federal (STF) e a Presidência da República assinaram nesta quinta-feira (13) Acordo de Cooperação Técnica para a criação do Centro Cultural dos Três Poderes, em Brasília (DF).

Assinaram o termo o presidente do Senado, Eunício Oliveira; o presidente do STF, Antonio Dias Toffoli; o deputado federal Cleber Verde, em nome do presidente da Câmara, Rodrigo Maia; o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo Fonseca; e a presidente substituta do Ibram, Eneida Braga.

A nova unidade museológica vai reunir num mesmo espaço da capital federal os acervos do Senado, da Câmara, do STF e da Presidência. O centro cultural ficará situado em área com 80 mil m² às margens do Lago Paranoá e de propriedade da União, no Setor de Clubes Norte, já cedida com esta finalidade. O local, que já abrigou um clube de servidores, está abandonado desde 1999.

Entre os itens que poderão compor o acervo estão o documento original da Lei Áurea, a carta de renúncia do ex-presidente Jânio Quadros, o original da Constituição Federal de 1988 e falas originais lidas por Dom Pedro I na abertura das sessões legislativas da época do Império.

Já elaborado, o projeto conta com sala de exposições, espaço para acervo técnico, auditório e praça de alimentação. Os recursos necessários para as obras de reforma do espaço poderão ser obtidos por meio da Lei Rouanet e de parcerias público-privadas.

Assessoramento técnico

Pelo acordo assinado, o Ibram ficará responsável por oferecer assessoramento técnico, orientações e esclarecimentos exigidos para a concepção e planejamento do centro cultural. Serão indicados servidores para o acompanhamento das ações pactuadas. O trabalho terá início em fevereiro de 2019.

“A assinatura desse convênio com toda certeza vai entrar para a história como a junção dos três poderes da República na defesa da cultura nacional”, afirmou durante a cerimônia o presidente do Senado, Eunício Oliveira. O presidente do STF, Dias Toffoli, sublinhou que o centro “Poderá ser frequentado por qualquer cidadão, que terá oportunidade de visitar mostras culturais e conhecer parte deste importante acervo cultural dos três poderes”.

Para a presidente substituta do Ibram, a participação do órgão no projeto demonstra sua qualificação técnica e protagonismo nesta área. “Esse assessoramento é nosso dever de ofício, mas se dá também porque o projeto vai na direção daquilo que mais acreditamos: que todo cidadão tem direito a memórias e museus”, disse Eneida Braga. “O acordo demonstra o desejo e compromisso dos três poderes com o acesso às memórias, o compromisso com o diálogo e o encontro de diferenças”, concluiu.

Presidente do Ibram visita centro cultural e museus comunitários em BH

A partir deste fim de semana, o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, estará em Belo Horizonte (MG) para cumprir agenda oficial. Amanhã (14), ele visita o Centro Cultural Minas Tênis Clube.

Inaugurado este ano, o local possui teatro, Centro de Memória, que abriga o acervo histórico do clube com 78 anos de atividade, e Galeria de Arte. Está prevista para o próximo ano, a incorporação ao Centro de dois cinemas, duas salas multiusos e uma biblioteca.

Na viagem a BH, presidente do Ibram conhecerá o Muquifu

Na viagem a BH, o presidente do Ibram conhecerá o Muquifu

Na segunda (16), Oswaldo visita o Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos (Muquifu) e o Ponto de Memória Museu do Taquaril, acompanhado do vereador Arnaldo Godoy (PT). As visitas têm como objetivo conhecer espaços museais comunitários e experiências de museologia social bem sucedidas na capital mineira.

Memória comunitária
O Muquifu, localizado na comunidade da Barragem Santa Lúcia, tem como vocação garantir o reconhecimento e a salvaguarda das favelas. A curadoria da exposição permanente é do Padre Mauro Luiz da Silva, pároco da favela.

Já o Museu do Taquaril é uma das doze iniciativas pioneiras do Programa Pontos de Memória do Ibram, que visa apoiar a criação de museus comunitários em regiões metropolitanas do país, orientando e mobilizando as comunidades no sentido de apoia-las na proteção e potencialização da memória social e coletiva a partir de seus moradores, suas origens, histórias e valores.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Muquifu/Jorge Quintão

Judiciário realiza Seminário Nacional de Museus e Centros de Memória

Acontece na próxima semana, no Rio de Janeiro, o 2º Seminário Nacional de Museus e Centros de Memória do Poder Judiciário. Promovido pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, o evento tem por objetivo promover o intercâmbio de experiências entre os museus e centros de memória vinculados ao Poder Judiciário no Brasil.

Para o diretor executivo do Centro Cultural da Justiça Federal, Cícero de Almeida, “temos muitas iniciativas mapeadas e é importante discutir a preservação e a promoção da memória do Judiciário brasileiro”.

O seminário compreende quatro eixos temáticos principais: a construção de redes/sistemas de relacionamento; a identificação e tratamento dos acervos; a difusão dos trabalhos de preservação da memória do Judiciário brasileiro e; avaliação das ações desenvolvidas a partir das recomendações do 1º Seminário Nacional de Museus e Centros de Memória do Poder Judiciário, realizado em agosto de 2012, de forma a permitir um diagnóstico mais preciso sobre os temas que avançaram e as pendências.

O presidente do Ibram, Angelo Oswaldo de Araújo, ministra palestra na segunda-feira. Sua fala será voltada para a construção da Política Nacional de Museus e o avanço no setor desde 2003.

O evento é voltado para magistrados, gestores de iniciativas de memória e demais servidores do Poder Judiciário, profissionais que atuam no campo dos museus e dos centros de memória, pesquisadores e profissionais atuantes na área e estudantes universitários.

A programação completa está disponível aqui.