Ibram e CCBB Rio promovem seminário sobre 200 anos de museus no Brasil

Seminário vai propor uma reflexão sobre dois séculos de presença contínua dos museus em território brasileiro, celebrados em 2018 por ocasião do bicentenário de criação do Museu Nacional.

Seminário vai propor uma reflexão sobre dois séculos de presença contínua dos museus em território brasileiro, celebrados em 2018 por ocasião do bicentenário de criação do Museu Nacional.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro promovem de 30 de julho a 3 de agosto o seminário “200 anos de Museu no Brasil: Desafios e Perspectivas”.

Realizado com o patrocínio do CCBB Rio, o evento vai propor uma reflexão sobre dois séculos de presença contínua dos museus em território brasileiro, celebrados em 2018 por ocasião do bicentenário de criação do Museu Nacional.

O seminário vai debater o percurso histórico de constituição e consolidação dos museus no Brasil em toda sua diversidade e abrangência, analisando as contribuições trazidas para a cultura brasileira e os desafios e perspectivas neste campo. Com este objetivo, importantes nomes do segmento foram convidados a participar de extensa programação que ocupará o Teatro 1 do CCBB Rio de Janeiro ao longo de cinco dias e inclui nove mesas redondas, além de palestra.

Entre os temas que serão abordados estão a memória do pensamento museológico brasileiro; a educação museal no Brasil; reflexões sobre museus de Arte, História, Antropologia, Arqueologia e Ciência; a presença das memórias afro-brasileiras nos museus brasileiros; e os desafios e perspectivas para os museus no Brasil contemporâneo. O evento terá entrada gratuita, com distribuição de senhas 1h antes de cada atividade programada. Confira a programação completa.

“Nesse ano em que celebramos os 200 anos de museus no Brasil, é fundamental para nossas instituições museológicas desenvolver uma reflexão sobre suas histórias e memórias”, explica o presidente do Ibram, Marcelo Araujo. “Não só para identificarmos suas contribuições para a cultura do país, mas principalmente para melhor compreender as potencialidades e os desafios que se colocam, no momento presente, para o exercício de seu papel de agentes no processo de construção de uma sociedade solidária”, completa.

O Museu Nacional

Criado em 6 de junho de 1818 por Dom João VI, responsável pela transferência da corte portuguesa para o Brasil, o então Museu Real – hoje situado no antigo Palácio Imperial de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista – foi pensado para propagar o conhecimento e o estudo das ciências naturais em terras brasileiras.

Com acervo de mais de 20 milhões de itens, constituído principalmente por itens relacionados às áreas de Antropologia, Botânica, Entomologia, Geologia e Paleontologia, o Museu Nacional/UFRJ é a mais antiga instituição científica do Brasil voltada à pesquisa e à memória da produção do conhecimento, hoje reconhecida como centro de excelência de pesquisa em história natural e antropológica na América Latina.

A partir da criação do Museu Nacional, os museus se multiplicaram nas décadas seguintes por todo o território brasileiro, assumiram diferentes modelos, ampliaram suas áreas de atuação e marcaram a cultura brasileira de maneira decisiva. Hoje, são mais de 3,8 mil instituições cada dia mais abertas, voltadas à construção e ampliação de diálogos, sintonizadas com suas comunidades e visando um desenvolvimento sustentável em todas as frentes.

Comemorações

Para celebrar o bicentenário do Museu Nacional e seu significado, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) lançou em maio marca comemorativa aos 200 anos de museus no Brasil. Ela será utilizada em todos os produtos lançados pelo Ibram ao longo de 2018 e também estará presente em todas as ações desenvolvidas pelo órgão e seus museus vinculados.

Também como parte das comemorações, o Ibram publicará ainda edição especial da MUSAS – Revista Brasileira de Museus e Museologia, que vai trazer uma reflexão sobre dois séculos de experiência museal em território brasileiro lançando um amplo olhar avaliativo sobre as principais questões, experimentações e conquistas acumuladas nesta trajetória.

Programa Ibermuseus abre chamada de trabalhos para Seminário Internacional

Card-Chamada-a-trabalhosO Programa Ibermuseus realiza, nos dias 29 e 30 de novembro, o Seminário Internacional 10 anos de cooperação entre museus, no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília (DF). Três mesas redondas, uma conferência e duas sessões de debates abertos compõem a programação.

Os debates abertos servirão de espaço para que os atores do setor deem sua visão em relação às transformações dos museus ibero-americanos. A chamada pública está aberta a pesquisadores, profissionais e instituições museológicas que apresentem trabalhos centrados em duas perspectivas: Museus como agentes da mudança social: da teoria à prática e Museologias: Qual o futuro da disciplina na Ibero-América?

Leia o regulamento no link Chamada Para Apresentação de Trabalhos – 10 Anos de Cooperação Entre Museus e faça o download do Formulario de Inscrição – Chamada a Trabalhos 10 anos de Cooperação entre Museus.

Seminário

Durante dois dias, importantes atores do setor, provenientes de diferentes países ibero-americanos, se encontram em Brasília para dialogar sobre a contribuição, vigência e aportes teóricos e práticos da Declaração de Salvador à museologia da região, e para debater os desafios e oportunidades de futuro para os museus.

O seminário pretende ser um espaço de reunião de experiências, discussões e abordagens desde distintas perspectivas em relação às transformações do setor museológico na Ibero-América, seu papel na atual conjuntura sociopolítica da região, e acima de tudo sobre os desafios para sua sustentabilidade.

O evento marca o fechamento das celebrações dos 10 anos da assinatura da Declaração de Salvador, documento referendado pelos 22 países da Comunidade Ibero-americana, em junho de 2007, e que abriu um caminho de cooperação sem precedentes para os museus da região, além de fortalecer e dinamizar o papel dos museus nas dinâmicas sociais.

Serão debatidos temas como os instrumentos normativos internacionais, políticas de sustentabilidade, o papel social dos museus, a atuação dos profissionais, as diferentes formas de fazer museu, e também serão feitas reflexões sobre as contribuições de Ibermuseus ao setor, especialmente às políticas públicas.  Conheça a programação completa.

Texto: Ascom/Ibermuseus
Edição Ascom/Ibram

Exposições brasileiras estão entre as 20 mais visitadas no mundo em 2014

Detalhe da exposição de Yayoi Kusama no CCBB Rio

Detalhe da exposição de Yayoi Kusama no CCBB Rio ano passado

A edição de abril da publicação em língua inglesa The Art Newspaper traz o levantamento anual das exposições mais visitadas em todo o mundo em 2014 e, novamente, o Brasil é destaque: dentre as 20 exposições mais visitas pelo público, o país ocupa sete posições.

O quarto lugar geral em 2014 foi para a mostra Salvador Dalí, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, seguida por Cabeça: Milton Machado, em quinto lugar, no mesmo CCBB Rio.

A exposição Yayoi Kusama: obsessão infinita, ficou em sexto e sétimo lugares – no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e CCBB Rio, respectivamente.

Os trabalhos em exposição da artista japonesa levaram ainda a 11ª colocação do ranking de visitantes quando em exibição no CCBB Brasília, enquanto outra exposição do CCBB Rio, Visões sobre a Coleção Ludwig, ficou em 10º lugar. Confira o encarte completo da publicação (em inglês).

Na lista geral das 100 exposições mais vistas pelo mundo, outras instituições brasileiras estão presentes, como o Museu Oscar Niemeyer (PR), o Museu de Arte Moderna de São Paulo e a Pinacoteca do Estado (SP), o Museu do Conjunto Cultural da República (DF) e unidades da Caixa Cultural.

O papel do Ibram
Os dados do Brasil são fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para a publicação The Art Newspaper desde 2010. A coleta de dados sobre as exposições do ano anterior é feita no início de cada ano. O objetivo é subsidiar tanto a publicação estrangeira quanto o banco de dados do Ibram.

O projeto Exposições no Brasil consiste na implantação de um sistema permanente de coleta, gerenciamento, tratamento e compartilhamento anual de dados sobre exposições de curta duração realizadas em todo o território nacional. Ainda em caráter piloto, a proposta é que o projeto fique disponível na plataforma institucional utilizada pelo Ibram.

Uma das obras da Coleção Ludwig em exposição no CCBB São Paulo em 2014

Uma das obras da Coleção Ludwig em exposição no CCBB São Paulo em 2014

Em 2013, o Brasil ocupou quatro das 20 exposições mais populares do ano anterior (2012), de acordo com o número diário de visitantes. Vale salientar ainda que todas elas foram gratuitas. Saiba mais.

Análise
Com o título “Fim do boom brasileiro?”, a publicação The Art Newspaper faz uma leitura dos dados brasileiros relativos ao ano passado.

“O CCBB continua a sediar as mostras gratuitas mais frequentadas: ‘Salvador Dalí’, na sua temporada no Rio de Janeiro, alcançou o ponto mais alto com 9.782 visitantes por dia”, contabiliza.

Já a retrospectiva de Yayoi Kusama, que também foi sucesso de público quando exibida no RJ e SP, atraiu, contudo, menos pessoas por dia do que a mostra do artista contemporâneo brasileiro Milton Machado no CCBB Rio.

“Não fica claro se exposições de alto custo e gratuitas são sustentáveis”, especula a publicação, fazendo um paralelo com um “enfraquecimento da economia brasileira” para falar que “2014 pode marcar o fim de um ‘boom’ da visitação a exposições no país” – deixando a entender, porém, que a exposição Picasso e a modernidade espanhola, que está em cartaz em São Paulo desde 25 de março, possa ser ainda reflexo do ‘boom” dos últimos anos.

Texto: Geyzon Dantas (Ascom/Ibram)
Fotos: Divulgação/Internet

Ranking: exposições no Brasil entre as mais populares do mundo em 2013

Na sua edição Primavera/Verão 2014, a publicação em língua inglesa The Art Newspaper lança, como faz anualmente, reportagem especial na qual apresenta e analisa números de visitação a museus e exposições em todo o mundo em 2013.

Da Vincis do povo: exposição chinesa no CCBB entre as mais visitadas em 2013

Da Vincis do povo: exposição chinesa no CCBB entre as mais visitadas em 2013

O Brasil ocupa quatro das 20 exposições mais populares do ano passado, de acordo com o número diário de visitantes: Impressionismo: Paris e a modernidade (3º lugar); Cao-Guo-Qiang: Da Vincis do povo (6º lugar); Movie-se: no tempo da animação (10º lugar) e Elas: mulheres artistas na coleção do Centro Pompidou (11º lugar).

Todas elas foram gratuitas e os números foram obtidos quando estavam em cartaz no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro.

Mais museus
Em outras posições da lista mundial, que mapeou 650 exposições, aparecem mostras de outras unidades do CCBB (SP, MG e DF), o Museu Oscar Niemeyer (PR), a Pinacoteca de São Paulo, o Museu Nacional do Conjunto Cultural da República (DF), o Santander Cultural (RS), o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ), a Fundação Bienal e o Paço das Artes (SP).

A 9ª Bienal do Mercosul (RS) entrou na lista das mostras chamadas ‘big ticket’ em inglês – onde o visitante acessa várias exposições no mesmo lugar. Este é o terceiro ano consecutivo que o Brasil entra no ranking mundial de exposições mais populares. Confira o ranking completo de 2013 (em inglês).

Para o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, a presença expressiva do Brasil na lista internacional “traduz a efervescência do nosso setor museal”. “Nos últimos anos, ampliou-se consideravelmente o acesso a museus e centros culturais no país, que oferecem programações cada vez mais dinâmicas e variadas”, reforça, “e faz com que o público reconheça isso como cultura, educação, lazer e turismo”.

Desde 2010, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) realiza uma coleta de dados, no início de cada ano, das exposições do ano anterior no Brasil com o objetivo de subsidiar tanto a publicação The Art Newspaper quanto para seu próprio banco de dados.

Abertura da exposição no MNBA em julho de 2013 com a Ministra da Cultura

Museus Ibram
Em 2013, os 30 museus federais que compõem a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) receberam cerca de 1,1 milhão de visitantes, segundo dados fornecidos pela Coordenação Geral de Sistemas de Informação Museal do Ibram.

Os museus mais visitados foram no estado do Rio de Janeiro: Museu Imperial, com mais de 280 mil visitantes; o Museu Histórico Nacional (MHN), que alcançou 154 mil visitantes; e o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), com cerca de 152 mil.

O destaque entre os museus Ibram em 2013 foi a exposição A herança do sagrado: obras-primas do Vaticano e de museus italianos, que esteve em cartaz entre julho e outubro no MNBA, e levou, em média, 25 mil visitantes ao museu no período.

O Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (MG), também é destaque com mais de 135 mil visitantes no ano passado. Conheça todos os museus Ibram.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil (foto 1) – MinC (foto 2)

Matérias relacionadas
Brasil ocupa 1º lugar no ranking mundial de exposições mais visitadas em 2011
Ibram começa a mapear público de exposições de curta duração no Brasil

Última atualização: 10.4.2014

Brasil ocupa 1º lugar no ranking mundial de exposições mais visitadas em 2011

Litogravura de Escher: Belvedere (1958)

A publicação The Art Newspaper, que realiza desde 1996 o ranking das exposições mais vistas no mundo, divulga na sua edição de abril os números relativos a 2011.

Segundo o levantamento, tendo como base a frequência diária, a exposição mais vista foi O Mundo Mágico de Escher, que esteve em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, tendo recebido 9.700 visitantes ao dia entre janeiro e março de 2011.

A mesma unidade do CCBB emplacou mais duas exposições entre as 10 mais vistas: Oneness, de Mariko Mori, com 6.990 visitantes diários, e Eu em Tu: Laurie Anderson, com 6.930 visitantes – todas tinham entrada franca. Veja a lista completa aqui.

Segundo a publicação, “o apetite por arte contemporânea no Brasil é incrível” e cita Inhotim, instituto de arte localizado em Brumadinho (MG), como referência, tendo recebido 770 mil visitantes em 2011.

Exposições que estiveram em cartaz em museus que integram o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) aparecem na lista geral de The Art Newspaper 2011. O Museu Imperial, com a exposição Museu Imperial na Memória, recebeu mais de 92 mil visitantes em quatro meses. 

Já o Museu Histórico Nacional (MHN), no Rio de Janeiro, aparece com cinco exposições: Mulheres na Coleção do Museu Histórico Nacional (32.500 visitantes), Percurso Gráfico – 50 anos da arte de Clécio Penedo (23.100 visitantes), Brasil e a Transformação da Paisagem (16.300 visitantes), Jóias Auditions (15.200 visitantes) e Mostra Welasco de Móveis (12.300 visitantes).

O Museu Nacional de Belas (MNBA), também no Rio de Janeiro, recebeu 11.035 visitantes para a exposição Um retrato da sociedade brasileira: Coleção Francisco Rodrigues de Fotografias 1840-1920, que esteve em cartaz por apenas um mês – entre junho e julho de 2011.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: Site Oficial M.C.Escher

Peças do Museu Histórico Nacional (RJ) integram a exposição Índia

Dez peças da coleção do Museu Histórico Nacional/Ibram integram a exposição Índia - em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro, de 12 de outubro de 2011 a 29 de janeiro de 2012.

São três peças de mobiliário em madeira do século XIX - mesa de centro, espreguiçadeira e cadeira de braços – e sete esculturas religiosas em marfim, integrantes da coleção Souza Lima, incorporada ao acervo do MHN/Ibram em 1940. Dentre as peças sacras, datadas dos séculos XVII e XVIII, estão imagens de Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora de Guadalupe e Nossa Senhora com o Menino Jesus.

A exposição, que ocupa 18 galerias e apresenta 380 peças, está dividida em quatro módulos – Homem, Deuses, Formação da Índia Moderna e Arte Contemporânea. A exposição Índia tem itinerância prevista para os centros culturais Banco do Brasil em São Paulo (11 de fevereiro a 06 de maio de 2012, e Brasília (21 de maio a 29 de julho de 2012).

Fonte: Divulgação MHN/Ibram

CCBB São Paulo recebe exposição Oneness, de Mariko Mori

Promovida pelo Banco do Brasil, a mostra MARIKO MORI / ONENESS será aberta no dia 20 de agosto de 2011, no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo, onde poderá ser vista até 16 de outubro. A própria artista virá ao Brasil para o vernissage.

Mariko Mori utiliza o design e a arte de vanguarda para compor elementos de engenharia de ponta, interativos e de forte impacto físico e visual. A exposição apresenta dez trabalhos de alta complexidade tecnológica.

Os trabalhos de Mariko Mori fundem arte e tecnologia, Budismo e a ideia de uma consciência espiritual universal. Desenhando antigos rituais e símbolos, Mori usa tecnologia de ponta e materiais de última geração para criar uma visão bela e surpreendente do século XXI.

Serviço:

Mariko Mori – Oneness

Quando: 20 de agosto a 16 de outubro – terça a domingo, das 9h às 21h
Onde: CCBB São Paulo (Rua Álvares Penteado, 112 – Centro – São Paulo)
Informações: www.bb.com.br/cultura

Fonte: Assessoria de Imprensa CCBB