MHN conclui pesquisas sobre Casa do Trem e carruagens na literatura

Sob a orientação do Núcleo de Pesquisa do Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a rede Ibram no Rio de Janeiro (RJ), duas pesquisas de iniciação científica foram concluídas recentemente com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

“Estudo sobre as carruagens e sua presença em obras literárias de José de Alencar e Machado de Assis” trouxe um novo recorte para obras de escritores consagrados desde o século XIX.

“Na coleção do Museu Histórico Nacional estão presentes algumas carruagens que aparecem nas histórias contadas por José de Alencar e Machado de Assis”, explica o bolsista Adilson da Silva Santos Junior, autor da pesquisa orientada por Álvaro Marins.

A Vitória é um modelo de carruagem citado em obra de José de Alencar

A Vitória é um modelo de carruagem citado em obra de José de Alencar

“A última seção da coleção contém carros do século XIX até o século XX. As primeiras carruagens expostas na coleção são as vitórias, veículo que aparece parado no início d’a Pata da Gazela” – obra escrita por Alencar em 1870″, revela o bolsista.

“Seja na estrutura da classe senhorial, simbolizada através do Romantismo de Alencar, ou nas formas irônicas presentes nos textos de Machado, as representações literárias desses autores mostram com eficiência as carruagens do século XIX e, sobretudo, a sua função social”, conclui Adilson Santos Junior.

Arquitetura em pauta
A Casa do Trem, um dos edifícios que compõe o complexo arquitetônico do MHN, também foi tema de pesquisa recente. “Valoração e autenticidade histórica na restauração de bens imóveis coloniais: um estudo sobre a Casa do Trem” foi realizada por Fernanda Pinheiro Pereira da Silva sob a orientação de Rafael Zamorano.

O edifício, cuja construção foi iniciada em meados do século XVIII, ficou pronto em 1762. Com a finalidade de guardar armamentos destinados a tropas que seriam enviadas de Portugal para reforçar a defesa da cidade, constantemente ameaçada por corsários, o prédio foi integrado ao MHN em 1922 – ano de criação do museu como parte das celebrações do Centenário da Independência do Brasil.

“A Casa do Trem é testemunha não apenas da história da ocupação do Rio de Janeiro, mas guarda em sua trajetória os embates sobre a autenticidade dos edifícios antigos da cidade, onde houve claramente uma apagamento da intervenções neocoloniais buscando uma suposta autenticidade colonial”, aponta Fernanda Pinheiro em seu relatório final.

As duas pesquisas serão publicadas nos Anais do MHN, assim como ficarão disponíveis para consulta na biblioteca do museu.Saiba mais sobre o Museu Histórico Nacional.

Texto e foto: Ascom MHN