Ibram divulga resultados da pesquisa sobre a Semana de Museus 2016

As instituições que participaram da 14ª Semana de Museus tiveram um aumento de 79% no número de visitantes entre os dias 16 e 22 de maio.

Cartaz da Semana de Museus 2016

Cartaz da Semana de Museus 2016

Este é um dos resultados apresentados na pesquisa sobre a Semana de Museus 2016, a partir da resposta de 482 museus de todo o país, lançada hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

O objetivo é avaliar o impacto da temporada nacional de eventos, que acontece no primeiro semestre de cada ano para celebrar o Dia Internacional de Museus (18 de maio).

34% dos museus brasileiros cadastrados juntos ao Ibram (3.646 até julho) desenvolveram no período da Semana de Museus deste ano atividades sob o tema Museus e Paisagens Culturais. A maior participação foi de museus municipais (39%), seguida por museus privados (26%).

Em relação ao impacto econômico, houve um crescimento de 21% na geração de emprego e renda no campo museal, especialmente no quesito contratação de recursos humanos. Confira a pesquisa na íntegra.

Além dos números, os resultados da pesquisa, realizada desde 2011, também permitem avaliar o direcionamento dado pelo Ibram para a atividade anual, assim como permitem a gestores municipais, estaduais e federais ajustarem suas ações em prol do desenvolvimento e consolidação do setor de museus no país. Conheça as pesquisas anteriores da Semana de Museus realizadas pelo Ibram.

15ª Semana de Museus
“Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus” (Museums and contested histories: saying the unspeakable in museums, em inglês) é o tema definido pelo Conselho Internacional de Museus (Icom) para o Dia Internacional de Museus 2017 – celebrado em 18 de maio.

Nas próximas semanas, o Ibram definirá o período de realização da Semana de Museus 2017, assim como dará início ao processo de inscrições de atividades por parte das instituições interessadas em participar.

Texto: Ascom/Ibram

Museus e a dimensão econômica (2014)

Museus_DimensaoEconomica_CapaMuseus e a dimensão econômica: da cadeia produtiva à gestão sustentável é uma publicação do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Lançada em 2014.

A publicação, que integra a coleção Museu, economia e sustentabilidade, apresenta os resultados do primeiro estudo sistêmico da cadeia produtiva dos museus brasileiros e está disponível gratuitamente para consulta e download.

Inscrições prorrogadas: Primavera dos Museus e Pesquisa Cadeia Produtiva

O Ibram prorrogou a data de inscrições para a 6ª Primavera dos Museus e para o preenchimento da pesquisa Cadeia Produtiva em Museus.

Instituições interessadas em inscrever eventos para a 6ª Primavera dos Museus, cujo tema é A Função Social dos Museus podem fazê-lo até a próxima sexta-feira, dia 17 de agosto. A Primavera acontecerá entre os dias 24 e 30 de setembro. Saiba mais aqui.

O Ibram também prorrogou o prazo para que as instituições museais participem da pesquisa que está realizando sobre a Cadeia Produtiva dos Museus brasileiros. Agora as instituições podem participar da pesquisa até o dia 31 de agosto.

O objetivo do levantamento é identificar os elos econômicos acionados com a atividade dos museus. As respostas fornecidas não serão utilizadas para fins de fiscalização ou de controle, uma vez que a confidencialidade individual das informações prestadas será preservada.

A análise, a divulgação e o tratamento dos dados e informações serão realizados de maneira agregada, sem permitir particularizar ou identificar a instituição participante. O formulário está disponível aqui.

Texto: Ascom/Ibram
Última atualização: 14.8.2012

Ibram realiza pesquisa inédita sobre Cadeia Produtiva dos Museus

Com o objetivo de identificar os elos econômicos acionados com a atividade dos museus, o Ibram/MinC convida as instituições museais de todo o Brasil a participar, até 10 de agosto, da pesquisa da Cadeia de Produtiva dos Museus. Para acessar o questionário, clique aqui.

O questionário é de fácil preenchimento, com questões de múltipla escolha. As respostas fornecidas não serão utilizadas para fins de fiscalização ou de controle, tampouco de divulgação, uma vez que a confidencialidade individual das informações prestadas será preservada. A análise e o tratamento dos dados e informações serão realizados de maneira agregada, sem permitir particularizar ou identificar a instituição participante.

Agentes produtivos
O conceito de cadeia produtiva, ainda pouco difundido na área cultural, representa um esforço em compreender quem são os agentes econômicos e de que forma eles participam da economia gerada pela atividade de determinado setor, seja contratando serviços ou comprando e transformando insumos, realizando eventos ou mesmo executando atividades rotineiras do dia a dia.

No caso dos museus, para cada exposição promovida, por exemplo, vários são os agentes que participam indiretamente para que o evento possa existir. Profissionais são contratados para a montagem, a iluminação é especial, obras cedidas por empréstimo precisam ser seguradas, a divulgação acertada com os meios de comunicação, convites e o serviço de buffet encomendados para o lançamento etc.

Internamente, por outro lado, uma série de outras atividades é demandada, a abranger desde um detalhado processo de restauração de obras do acervo, que requer produtos químicos e ferramental específicos, até à conservação dos objetos, curadoria da coleção, manutenção e vigilância do edifício, para citar alguns. Todos os recursos – materiais e humanos – demandados pelo museu, se analisados em conjunto, compõem a cadeia produtiva do setor museal.

Texto: Divulgação DDFEM/Ibram