Bonde da História: confira as atividades educativas do MHN em julho

O Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a rede Ibram no Rio de Janeiro (RJ), segue apresentando o projeto Bonde da História, cuja proposta é levar os visitantes a conhecer as exposições do museu a partir de temas pensados tanto para o público adulto quanto infantil.

No domingo (8), a visita tem como tema “Brasil entre rupturas”. Em sua primeira edição, a atividade vai abordar diversos episódios críticos da história brasileira e suas consequências na formação do país.

Para o público infantil, o Bondinho da História apresenta o trabalho de Leandro Joaquim (1738-1798). Importante pintor do século XVIII, suas obras retratam o Rio de Janeiro de sua época.

O projeto Bonde da História acontece aos sábados e domingos no MHN

O projeto Bonde da História acontece aos sábados e domingos no MHN

Após conhecer as pinturas do artista, os pequenos participantes são convidados para uma oficina de pintura, onde poderão deixar a imaginação fluir para retratar o Rio atual.

Presença negra
No domingo 15, os visitantes poderão conhecer o museu sob o viés da representatividade negra. A proposta é trazer à tona a produção artística e histórica de matrizes africanas no Brasil.

No Bondinho da História, as crianças poderão conhecer a criação do mundo a partir da mitologia Yorubá – grupo étnico africano importante para a formação do Brasil.

No dia 22, o Bonde da História, com tema “A violência em objetos de nossa história”, irá mostrar ao público peças do acervo com objetivo de propor um debate sobre diferentes expressões de violência. A atividade será acessível para pessoas com deficiência visual.

Para as crianças, haverá contação de história sobre a vida dos primeiros habitantes do território brasileiro, ambientada na exposição Oreretama. A seguir acontece oficina com pintura e modelagem em argila.

Detetives no museu
No último domingo do mês (29), os educadores levam os visitantes para conhecer 10 objetos que contam a história do Brasil. No mesmo dia, as crianças poderão brincar de detetive a partir de uma atividade que tem como objetivo trabalhar os segredos que o museu abriga.

Aos sábados, o Bonde da História acontece às 14h e percorre o circuito da exposição de longa duração do museu. Confira ingresso e gratuidades. Aos domingos, dia de entrada franca no MHN, o Bonde começa às 14h e o Bondinho às 15h.

Não há necessidade de agendamento ou inscrição: o encontro com os educadores acontece na recepção do museu. Confira a programação completa. Mais informações sobre o projeto Bonde da História podem ser obtidas pelo e-mail mhn.educacao@museus.gov.b

MHN tem entrada gratuita, visitas mediadas e prêmios na 16ª Semana de Museus

Até o domingo (20), o Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), oferece entrada gratuita para o público de todas as idades – celebrando a 16ª edição da Semana de Museus, que acontece nesta semana em todo o país.

Além da chance de conhecer a exposição permanente do museu, que aborda a história do Brasil em suas diversas fases, o visitante pode ainda visitar a exposição temporária “Paisagens da guerra”, do pintor italiano Edoardo de Martino. Saiba mais.

Para a Semana de Museus 2018, o MHN lançou ainda dois desafios para o público, que darão prêmios exclusivos do museu para os ganhadores. Saiba como participar.

Bonde da história
Uma programação especial também foi pensada para a 16ª Semana de Museus: o projeto Bonde da História realiza visitas mediadas entre os dias 15 (terça) e 20 (domingo), abordando temas diversos relacionados ao acervo em exposição do museu – todas com entrada gratuita.

Na terça (15), às 15h, o tema será “Umbanda e história do Brasil”. A ideia é abordar o papel e a atualidade de uma manifestação religiosa e cultural importante para a nossa formação. Haverá intérprete de Libras nesta sessão.

O projeto Bonde da História é conduzido pelo setor educativo do MHN

O projeto Bonde da História é conduzido pelo setor educativo do MHN

Na quarta (16), às 11h, o Bonde da História traz o tema “Museus, memória e mulheres”. Como a representação e representatividade femininas estão presentes na memória do país? Essa é uma pergunta que guia a visita mediada – que também conta com intérprete de Libras.

Às 15h acontece uma visita especial:“Museu para museólogos”, voltada especialmente para os profissionais da área de museus.

Na quinta (17), “A presença negra no MHN” será o tema da visita mediada, às 11h, destacando a produção artística e histórica de matrizes africanas no Brasil.

Já às 15h, o tema tem inspiração em um rap nacional e no tradicional 1º de abril para contar “As maiores mentiras do Brasil”. Quais as mentiras, mitos e construções históricas duvidosas acerca da nossa história? Haverá intérprete de Libras nesta sessão.

No sábado (19), às 14h, o Bonde da História aborda o tema “A violência em objetos de nossa história” – um debate, a partir de objetos do circuito expositivo, sobre diferentes tipos de violência. A atividade é acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva.

Encerrando a ampla programação, “Descobrindo o mundo no MHN” traz no domingo 20, às 14h, atividades multissensoriais para famílias com bebês e crianças na primeira infância. O projeto, realizado em parceria com a educadora Suely Mendonça, propõe maior interação entre o público e o espaço do museu, para além do uso de brinquedos pedagógicos e educativos.

Texto e foto: Ascom/MHN