Página 1 de 212

Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos lança campanha de financiamento

Instituição se volta às memórias narradas pelos moradores de favelas e quilombos urbanos, promovendo exposições, debates e oficinas.

Instituição se dedica às memórias narradas por moradores de favelas e quilombos urbanos, promovendo exposições, debates e oficinas.

O Muquifu – Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos, iniciativa pioneira de museologia social em Belo Horizonte (MG), abriu a campanha “Seja amigo e parceiro do Muquifu!”, voltada ao recebimento de contribuições para a manutenção da instituição.

Criado em 2012 no Morro do Papagaio, o Muquifu tem como vocação garantir o reconhecimento e a salvaguarda das favelas, enquanto “verdadeiros quilombos urbanos do Brasil”: lugares não apenas de sofrimento e de privações, mas, também, de memória coletiva digna de ser cuidada. A instituição reúne como acervo fotografias, objetos, imagens de festas, danças, celebrações, tradições e histórias que representam a tradição e a vida cultural dos moradores das diversas favelas e quilombos urbanos.

Museu de território e comunitário, o Muquifu atua como instrumento de resistência diante do risco iminente de expulsão dos favelados dos centros urbanos; e pelo reconhecimento e preservação do patrimônio, histórias, memórias e bens culturais dos moradores dos quilombos urbanos e favelas de Belo Horizonte.
Tocada basicamente por voluntários, a instituição se volta às memórias narradas pelos moradores dessas comunidades, habitadas predominantemente por pessoas negras, promovendo exposições, debates e oficinas. Conheça melhor o trabalho realizado pelo Muquifu.

Interessados em ser amigos do museu podem colaborar mensalmente por meio da plataforma Padrim com valores iniciados em R$ 1. Todo o dinheiro arrecadado será usado para a manutenção do espaço. Colabore aqui.

MOWBrasil oferece oficinas sobre o Programa Memória do Mundo

O Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da UNESCO – MoWBrasil oferece oficinas regionais de apresentação do Programa Memória do Mundo e treinamento para preenchimento das candidaturas ao Edital MoWBrasil 2016. O Programa Memória do Mundo da UNESCO – MoW tem por objetivo promover a identificação, proteção e divulgação de acervos arquivísticos e bibliográficos considerados de valor para a memória da humanidade.

Anualmente o Comitê MoWBrasil lança um Edital para candidaturas de acervos a ser reconhecidos como patrimônio para a memória brasileira por meio de sua inscrição no Registro Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo.

As oficinas regionais ministradas por especialistas do Comitê MoWBrasil em parceria com instituições locais, visam disseminar os objetivos do Programa Memória do Mundo, bem como orientar os interessados na elaboração de suas candidaturas.

A quinta oficina de 2016 acontecerá na cidade de Belo Horizonte – MG, na Universidade Federal de Minas Gerais. O evento será no dia 22 de junho, na Escola de Ciência das Informações da UFMG. São 140 vagas e as inscrições podem ser feitas até o dia 21/6 pelo e-mail dir@bu.ufmg.br<mailto:dir@bu.ufmg.br. Carlos Augusto Silva Ditadi, representante brasileiro no Comitê Regional da América Latina e do Caribe – MoWLAC e Dina Marques Pereira Araújo membro do Comitê Nacional do Brasil – MoWBrasil do Programa Memória do Mundo serão os palestrantes.

A sexta oficina de 2016 acontecerá na cidade de Brasília – DF, na sede do IPHAN, no dia 29 de junho, das 13h30 às 17h30. Os palestrantes são Adleide Catarina Falcão, Evandro Araújo e Leslie Antônio Alcoforado, membros do Comitê Nacional do Brasil – MoWBrasil do Programa Memória do Mundo. As inscrições podem ser feitas até até 28 de junho pelo e-mail: memoriadomundo@arquivonacional.gov.br. São 25 vagas.

Mais informações no site do Arquivo Nacional.

Belo Horizonte terá museus e espaços culturais abertos na noite de sexta (18)

Tendência no cenário museal internacional, as “noites no museu” têm ganho espaço no Brasil. Numa demonstração de que a ideia veio para ficar, a capital mineira, uma das cidades pioneiras em iniciativas deste tipo em território brasileiro, recebe na sexta-feira, 18 de julho, a segunda edição do Noturno nos museus de Belo Horizonte.

Promovido pela Fundação Municipal de Cultura, o projeto envolverá 30 museus e centros culturais públicos e privados. Durante a noite e o início da madrugada o público de Belo Horizonte terá acesso a exposições, oficinas de arte, exibições de vídeos, instalações culturais, shows, apresentações de dança, espetáculos teatrais, entre outras atrações. Todas as ações são gratuitas. Confira a programação completa.

Texto: Ascom/Ibram

Portinari e Vale Cultura: presidente do Ibram cumpre agenda em Belo Horizonte

O presidente do Ibram/MinC, Angelo Oswaldo, está em Belo Horizonte (MG), nos dias 18 e 19, cumprindo agenda oficial em eventos em dois museus mineiros.

Grupo de meninas brincando (1940), de Portinari, integra exposição

A pintura “Grupo de meninas brincando” (1940), de Portinari, integra exposição

Na noite de hoje (18), no Museu Inimá de Paula ( Rua da Bahia, 1201 – Centro), Oswaldo participa com a secretária de Cultura do Estado de Minas Gerais, Eliane Parreiras, da abertura da exposição Portinari na Coleção Castro Maya, com 59 obras em pinturas, desenhos e gravuras realizadas entre 1938 e 1958 pelo pintor modernista brasileiro – que fazem parte de acervos dos museus Castro Maya/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ).

Além da obra gráfica, a mostra apresenta ainda correspondências, documentos e fotos que contam a história entre Candido Portinari e Raymundo Ottoni de Castro Maya.

“A exposição enfoca a obra de Portinari pelo viés das relações tecidas entre o artista e o colecionador, dois importantes atores do cenário artístico brasileiro do século 20”, explica Vera Alencar, diretora dos museus Castro Maya – que também comparece ao evento na capital mineira.

Com patrocínio da Petrobras, por meio do Edital de Circulação de Exposições, a exposição itinerante, antes de chegar a Belo Horizonte, já pasou por Brasília, Salvador, Rio de Janeiro, Curitiba, São Paulo, Porto Alegre, Vitória e Belém.

Vale-Cultura
Amanhã (19), às 10h, no Museu de Artes e Ofícios (Praça da Estação – Centro), o presidente do Ibram participa, ao lado da ministra da Cultura, Marta Suplicy, da entrega simbólica de cartões Vale-Cultura da Caixa.

O banco é tanto empresa beneficiária quanto operadora do programa. Como beneficiária, foi uma das primeiras a se cadastrar no Vale-Cultura para proporcionar, aos seus empregados, acesso a eventos e produtos culturais. Como operador, o banco tem mais de 40 mil estabelecimentos comerciais, em todo o Brasil, habilitados a receber os cartões emitidos às empresas cadastradas. Saiba mais sobre o Vale-Cultura.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: Divulgação museus Castro Maya

Museu comunitário de Belo Horizonte leva exposição para a Itália

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, visitou na segunda-feira (16) duas iniciativas de museologia social em Belo Horizonte (MG): Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos (Muquifu) e o Ponto de Memória Museu do Taquaril. Oswaldo foi acompanhado do vereador Arnaldo Godoy (PT), ex-secretário de Cultura de Belo Horizonte, que propôs a visita.

Muquifu impressionou o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo (dir.)

O trabalho realizado pelo Museu de Favelas e Quilombos Urbanos será conhecido também fora do Brasil: sua Primeira Mostra Itinerante chegará até a cidade de Pádua (Itália), entre 15 de janeiro a 28 de fevereiro de 2014.

A mostra reunirá imagens de moradores das comunidades do Aglomerado Santa Lúcia (Vila Esperança e Vila São Bento) e tem como curador um dos fundadores do Muquifu, o Padre Mauro, que além de pároco da favela é museólogo formado pela Universidade de Pádua.

Localizado na comunidade da Barragem Santa Lúcia, o Muquifu impressionou o presidente do Ibram por seu trabalho de museografia, coleta de objetos e resgate da memória local. “É um museu admirável”, reconheceu.

Memória social
Angelo Oswaldo conheceu também as exposições concebidas pelo museu por ocasião da 7ª Primavera dos Museus (2013), cujo tema foi Museus, Memória e Cultura Afro-Brasileira.

A montagem das exposições envolveu a comunidade, através da doação de objetos, fotografias e histórias que fizeram parte do acervo ali exposto, além dos alunos do 5º período do curso de Museologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que tiveram a oportunidade de realizar um trabalho de campo na área da museologia social.

Já no Ponto de Memória Museu do Taquaril, o presidente do Ibram, acompanhado de lideranças da comunidade, teve contato com o trabalho de memória social realizado no maior bairro da periferia de Belo Horizonte. O Museu do Taquaril é uma das doze iniciativas pioneiras do Programa Pontos de Memória, desenvolvido pelo Ibram. “O trabalho deles tem um grande impacto na autoestima da comunidade”, avaliou Angelo Oswaldo.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

Exposições marcam abertura da Casa Kubitschek em Belo Horizonte (MG)

A Prefeitura de Belo Horizonte (MG) inaugura neste dia 10, a Casa Kubitschek, com duas exposições: Casa Kubitschek: Uma Invenção Modernista do Morar e Pampulha: Território da Modernidade.

Novo espaço museológico na capital mineira valoriza o período Modernista

O novo espaço museológico da cidade, às margens da Lagoa da Pampulha, faz parte do projeto Pampulha: Patrimônio da Humanidade.

A casa modernista irá mostrar ao visitante os modos de habitar dos anos 1940, 1950 e 1960 – período singular para consolidação do pensamento modernista em Minas Gerais.

A mostra Casa Kubitschek: uma invenção modernista do morar, com curadoria de Denise Bahia e Mariana Brandão, apresenta em sua narrativa dois eixos principais que se interpenetram: um referente à história e outro que remete à memória.

A proposta é de uma “casa museu”, com um percurso que parte da referência histórica do ambiente político e cultural em que surge o Modernismo e, no qual, a Casa Kubitschek foi criada. A outra exposição, Pampulha: Território da Modernidade, com curadoria de Luana Maia, instalada no andar térreo, traz um viés mais histórico.

A Casa Kubitschek pode ser visitada a partir do dia 11 de setembro e funcionará de terça a sábado de 10h às 17h. A entrada é gratuita. Outras informações pelo telefone (31) 3277.1586.

Texto e foto: Divulgação
Última atualização: 10.9.2013

Belo Horizonte realiza pela primeira vez no Brasil a Noite de Museus

A Fundação Municipal de Cultura (FMC) de Belo Horizonte (MG) promove, nesta sexta-feira (12), a Primeira Noite de Museus do Brasil. 17 Instituições museológicas da capital mineira abrirão suas portas na noite entre 12 e 13 de julho, com uma programação especial.

O evento internacional, realizado com sucesso em algumas das grandes metrópoles mundiais, e ainda inédito no Brasil, segue uma dinâmica simples e eficiente: em 12 de julho, quando a noite chegar, em vez de fecharem as portas, as instituições permanecerão abertas até mais tarde para receber gratuitamente os visitantes com exposições, shows musicais, peças de teatro, apresentações de dança, performances de artes visuais, eventos especiais, debates, cortejos artísticos e homenagens.

Abertura acontece às 19h no CRModa em Belo Horizonte

A abertura do evento acontece no Centro de Referência da Moda (CRModa), às 19h, com uma homenagem a uma das maiores autoras da literatura brasileira: a mineira Adélia Prado. A programação é totalmente gratuita e pode ser consultada no portal da FMC.

Texto: Divulgação
Foto: Nathália Turcheti/FMC

Ibram participa da inauguração do Museu da História da Inquisição em BH

O Presidente do Instituto Brasileiro de Museus, José do Nascimento Junior, participou neste domingo (19) da abertura do primeiro Museu da História da Inquisição no Brasil. O Museu fica em Belo Horizonte (MG) e foi idealizado por Marcelo Miranda Guimarães que, há mais de vinte anos, pesquisa o tema.

A abertura contou com a presença do deputado estadual João Leite, Naftale Katz, Fundador do Instituto Histórico Israelita Mineiro, da museóloga e historiadora Neuza Fernandes – entre outras autoridades.

Uma encenação teatral, que conta a história da inquisição desde o século XV, foi apresentada aos presentes, que puderam entender um pouco mais sobre o assunto. Em seguida, foi feita uma visita ao museu, que oferece uma biblioteca com mais de 350 obras, vestuários da época e um pedaço do rolo de uma Torá (Pentateuco), que sobreviveu a perseguição inquisitorial na Espanha, uma das preciosidades da coleção exposta.

O museu pretende ser referencia no tema e oferece um banco de dados para pesquisas sobre a história e origem do povo judeu. O espaço fica no bairro Ouro Preto, na capital mineira, e a visitação pode ser feita de terça à sexta e aos domingos. Saiba mais sobre o novo museu.

Texto: Ascom/Ibram

Museu da História da Inquisição no Brasil será aberto em Belo Horizonte

Uma importante capítulo da história do país será mostrado no Museu da História da Inquisição do Brasil, que abre em Belo Horizonte (MG) no dia 19 de agosto.

Painéis, gravuras e pinturas de artistas, exposição de documentos e livros antigos, objetos e até mesmo através de réplicas de alguns equipamentos de tortura fazem parte do acervo do novo museu – uma iniciativa da Associação Brasileira dos Descendentes de Judeus da Inquisição (Abradjin) – que ficará instalado no bairro Ouro Preto da capital mineira.

O museu oferecerá ao público uma biblioteca com mais de 350 obras, constituída por uma coletânea de raríssimos e antigos livros sobre a Inquisição, datados de 1637, e outros documentos originais.

O espaço também conta com um mini-auditório com recursos de multimídia, um banco de dados para pesquisas sobre a história e origem do povo judeu – encarado como um dos grupos étnicos participantes da formação do Brasil. Vestuários da época e um pedaço do rolo de uma Torá (Pentateuco), que sobreviveu a perseguição inquisitorial na Espanha, é uma das preciosidades da coleção que será exposta.

Uma sala do museu foi dedicada aos brasileiros vítimas da Inquisição. Nela constarão os nomes e números dos processos de condenação religiosa no Brasil. Saiba mais.

Fonte: Divulgação Abradjin
Edição: Ascom/Ibram

 

 

Ministra da Cultura participa, em MG, de ato oficial da 10ª Semana de Museus

A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, disse hoje, durante ato oficial da 10ª Semana de Museus, em Belo Horizonte, que estar em Minas é reviver a história do Brasil. “Minas é um museu a céu aberto e abrir a semana aqui é homenagear esta terra”. A cerimônia marcou as comemorações da Semana de Museus, que continua com diversas atividades até domingo (20) em todas as regiões do País.

No evento, a ministra e o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), José do Nascimento Junior, lançaram o cronograma de editais do Programa de Fomento aos Museus Ibram 2012.

“O Brasil tem que investir cada vez mais na memória e os espaços dessa memória são os museus”, disse a ministra, acrescentando que “devemos ter a preocupação de fazer do espaço dos museus um espaço atrativo para os jovens”.

Nascimento Junior informou que o número de visitação aos museus brasileiros nos últimos dois anos teve um aumento de mais de 80%. Sobre a abertura do evento ser em BH, ele lembrou da importância de Minas na área de museus.

Com o tema Museus em um Mundo em Transformação – novos desafios, novas inspirações, a 10ª Semana de Museus realiza 3.420 eventos, inscritos por 1.114 museus e organizações culturais de 513 cidades brasileiras. A Semana de Museus acontece anualmente em comemoração ao Dia Internacional de Museus – celebrado no dia 18 de maio. É promovida pelo Ibram/MinC em parceria com os museus brasileiros.

Confira aqui a programação completa da 10ª Semana de Museus e participe!

Texto: Ascom/MinC
Edição: Ascom Ibram

Foto: Pedro Silveira, Ascom/MinC

Página 1 de 212