Mapeamento: Ibram vai cadastrar pesquisadores em museus e memória

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) deu início a um trabalho de mapeamento de pesquisadores vinculados à instituição interessados em liderar grupos de pesquisa sobre a área de museus e memória. O objetivo é formar um Diretório dos Grupos de Pesquisa do Ibram, que serão cadastrados junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – instituição vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

O cadastramento permitirá um maior intercâmbio e troca de informações entre grupos que atuam dentro do próprio Ibram e outros grupos, instituições e pesquisadores com os quais compartilhem afinidades. Vai possibilitar também o acompanhamento das pesquisas em andamento no instituto e contribuir para a preservação da memória sobre a produção de conhecimento na área museal.

Como funcionará
O Ibram já está inscrito no CNPq como instituição de pesquisa e encontra-se formalmente autorizado a iniciar o processo de cadastramento de líderes e grupos.

A partir desses cadastramentos, as informações geradas pelo desenvolvimento das pesquisas dos futuros grupos passarão a constar da base de dados do CNPq – que reúne, além dos grupos, informações sobre pesquisadores, linhas de pesquisa, especialidades de conhecimento, setores de atividade envolvidos e a produção dos participantes, entre outras.

Cada grupo de pesquisa será formado por um líder (que deve ser um pesquisador com doutorado e cadastrado na plataforma Lattes) e por pesquisadores (graduados ou pós-graduados), podendo incluir ainda estudantes e técnicos. O CNPq não fixa limite para o número de grupos por instituição de pesquisa.

Até o momento, o Ibram cadastrou 12 líderes que atuam dentro do instituto. Será iniciado em breve o cadastramento de líderes não vinculados instituição, mas com um histórico de participação em projetos e ações promovidos pelo Ibram. Para outras informações, faça contato pelo endereço eletrônico alvaro.marins@museus.gov.br.

Texto: Ascom/Ibram
Última atualização: 10.3.2014

Museu Imperial promove seminário sobre digitalização de acervos

Estão abertas até 30 de agosto as inscrições de ouvintes para o Seminário Nacional de Digitalização, Preservação e Difusão de Acervos Patrimoniais, que será promovido pelo Museu Imperial de 19 a 21 de outubro.

O evento é uma iniciativa do Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial (Projeto DAMI) e fará parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. O objetivo é debater o processamento técnico de acervos arquivísticos, bibliográficos e museológicos nas instituições de guarda públicas e privadas, visando à democratização do acesso aos bens culturais através da digitalização e disponibilização online.

Durante o seminário, será apresentado o trabalho realizado na construção da base de dados do Museu Imperial pelo Projeto DAMI, que tem como objetivo disponibilizar na internet todo o acervo da instituição.

A programação completa pode ser conferida no site do Museu Imperial, onde também estão sendo feitas as inscrições, através do link Acervo Digital – Seminário Nacional de Digitalização. Além da participação no seminário, a inscrição também inclui apresentações dos espetáculos Som e Luz e Um Sarau Imperial.
 

 

Serviço
Seminário Nacional de Digitalização, Preservação e Difusão de Acervos Patrimoniais
Data: de 19 a 21 de outubro de 2011
Local: Museu Imperial
Inscrições para ouvintes: até 30 de agosto – R$ 100,00 e R$ 50,00 (estudantes, professores e servidores públicos), pelo site www.museuimperial.gov.br
Informações: mimp.dami@museus.gov.br