Projeto do Ibram busca conectar museus e artesãos locais

Oficina, que deverá ser replicada em outros museus da rede Ibram, teve como objetivo aproximar artesãs do acervo do Museu Regional de Caeté e propor a produção de peças inspiradas por ele; peças devem ser vendidas na lojinha do museu.

Oficina, que deverá ser replicada em outros museus da rede Ibram, teve como objetivo aproximar artesãs do acervo do Museu Regional de Caeté e propor a produção de peças inspiradas por ele; itens devem ser vendidos na lojinha do museu.

Uma oficina diferente, realizada no último dia 9, atraiu a participação de 25 produtoras de artesanato em tecido do município de Caeté, em Minas Gerais. Promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) com o Museu Regional de Caeté, a atividade foi o primeiro passo de projeto que pretende estreitar a conexão entre museus Ibram e os artesãos de suas comunidades.

Artesãs mineiras de bordado e pintura em tecido participaram da oficina, que foi ministrada por Servio Costa, da Coordenação de Comercialização de Produtos do Ibram, e teve como objetivo aproximá-las do acervo do Museu Regional de Caeté e propor a produção de peças inspiradas por ele, oferecendo indicações de como utilizar seus elementos.

Exemplos de produções similares neste campo e o trabalho de artistas têxteis internacionais contemporâneas também foram apresentados às participantes da oficina para lhes oferecer diferentes possibilidades criativas.

“A receptividade foi muito boa. As participantes se sentiram contempladas, valorizadas e envolvidas pela proposta”, explica Servio Costa. Segundo o ministrante da oficina, um segundo encontro será realizado, no segundo semestre, para uma avaliação conjunta dos trabalhos produzidos a partir deste convite, que poderão ser exibidos em futura exposição.

A ideia é, principalmente, comercializar o artesanato local inspirado pelos museus em suas próprias lojas. “É um projeto promissor: este formato com certeza será frutífero e aplicável em outros lugares, ajudando os museus a fecundar seus artesanatos locais”, avalia Costa.

Aos 94 anos, Dona Dica mantém museu de arte em sua casa no Pará

Nesta segunda-feira (29), Dona Raimunda Rodrigues Frazão, ou simplesmente Dona Dica, como é conhecida, completa 94 anos.

Museu Dona Dica Frazão

Vitrine do museu na casa de D.Dica: dedicação pessoal

Idealizadora e responsável pela manutenção do Museu de Arte Dica Frazão, que funciona em sua casa, em Santarém (PA), desde 1999, o museu doméstico é também o ateliê onde a artesã utiliza-se de matérias-primas extraídas da flora amazônica para confeccionar roupas e acessórios: entrecascas de árvore, fibras extraídas de capim, palha de buriti, sementes, raízes de patchouli e outros materiais.

“Pego a natureza e transformo em roupa, faço fibra virar pano. E minhas criações já ganharam o mundo!”, comenta ela, lembrando que já presenteou a rainha da Bélgica, o Papa João Paulo II, e outros chefes de estado com criações suas.

O museu é uma das referências para turistas nacionais e estrangeiros que visitam a região, e Dona Dica se queixa da falta de recepcionista bilíngue para auxiliá-la no atendimento aos turistas que não falam português. Ela diz ainda que necessita de mais vitrines para a exposição de cerca de 20 peças que estão guardadas dentro de caixas. A artesã mantém o museu com o dinheiro da sua pensão.

Memória e reconhecimento
Segundo a paraense Sylvia Braga, arquiteta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que conheceu, ainda na infância, o trabalho de Dona Dica por meio dos leques que sua mãe usava, a estilista, artesã e bordadeira precisa ter seu valor reconhecido, especialmente pelo esforço pessoal em preservar a memória do trabalho feito à mão na região oeste do Pará.

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, Dona Dica é “exemplo de mulher guerreira, a qual devemos generosas lições de vida e uma criação artesanal de notável qualidade, internacionalmente reconhecida”.

Ele ressalta ainda que a valorização e a proteção desse acervo, por meio de programas públicos de fomento à cultura e ao turismo, podem em muito beneficiar Dona Dica e o próprio município de Santarém. Na cidade existem ainda outros três museus mapeados pelo Cadastro Nacional de Museus.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Museu Dica Frazão/divulgação

Capacitação para artesanato no MART em Cabo Frio (RJ)

Acontecem, entre os dias 9 e 13 de janeiro, oficinas de empreendedorismo para artesãos de Cabo Frio no Museu de Arte Religiosa e Tradicional (MART/Ibram). A iniciativa é do Instituto Bioatlântica e faz parte do Projeto Negócios Comunitários Sustentáveis em Arraial do Cabo, Cabo Frio e Armação dos Búzios, que tem por objetivo integrar o artesanato ao desenvolvimento do turismo sustentável na região.

Durante os cinco dias, trabalhadores ligados ao artesanato local participam de atividades que envolvem o diagnóstico do ofício e medidas necessárias para o incremento da atividade na cidade. Entre as etapas programadas, o estudo da Portaria nº 28, de 05 de outubro de 2010, base conceitual do artesanato brasileiro, e a mobilização de artesãos em feiras da cidade. Outras informações pelos telefones (21) 2522.3913/3940.

Texto e foto: Divulgação Mart/Ibram