Museu Lasar Segall recebe ‘Ocupação Gregori Warchavchik’

Ambos imigrantes judeus, Warchavchik era concunhado do lituano Lasar Segall e projetou em 1932 a casa e ateliê de Segall (1889-1957) no bairro da Vila Mariana, em São Paulo (SP). O imóvel abriga o Museu Lasar Segall desde sua criação, em 1967.

Ambos imigrantes judeus, Warchavchik era concunhado do lituano Lasar Segall e projetou em 1932 a casa e ateliê do artista no bairro da Vila Mariana, em São Paulo (SP). O imóvel abriga o Museu Lasar Segall desde sua criação, em 1967.

O Museu Lasar Segall, integrante da rede Ibram em São Paulo (SP), recebe desde o último sábado (27) exposição do Itaú Cultural sobre o arquiteto ucraniano Gregori Warchavchik (1896-1972), pioneiro da arquitetura moderna brasileira.

Ambos imigrantes judeus, Warchavchik era concunhado do lituano Lasar Segall – o artista era casado com Jenny Klabin Segall e o arquiteto casou-se com a paisagista e cantora lírica Mina Klabin, irmã dela – e projetou em 1932 a casa e ateliê de Segall (1889-1957) no bairro da Vila Mariana, em São Paulo (SP). O imóvel abriga o Museu Lasar Segall desde sua criação, em 1967.

Atuante em São Paulo no período em que a cidade já começava a respirar os ares de renovação do modernismo, no contexto da Semana de Arte Moderna de 1922, Gregori Warchavchik foi próximo de intelectuais e artistas modernistas como Mario e Oswald de Andrade, Graça Aranha, Guilherme de Almeida, Di Cavalcanti, Anita Malfatti e Tarsila do Amaral, além do próprio Lasar Segall.

Entre 1927 e 1928, o arquiteto projetou e construiu para viver aquela que foi considerada a primeira casa moderna do Brasil, na rua Santa Cruz, também na Vila Mariana – que hoje integra o Museu da Cidade de São Paulo. Situada perto dali, na rua Berta, a antiga residência modernista projetada pouco depois para Segall e sua família vai agora abrigar parte da Ocupação Gregori Warchavchik numa parceria entre o Itaú Cultural e o Museu Lasar Segall.

Revolucionário de moradias

Entre 1927 e 1928, o arquiteto projetou e construiu para viver aquela que foi considerada a primeira casa moderna do Brasil, na rua Santa Cruz, também na Vila Mariana.

Entre 1927 e 1928, o arquiteto projetou e construiu para viver aquela que foi considerada a primeira casa moderna do Brasil, também na Vila Mariana.

Com curadoria dos núcleos de Artes Visuais e de Enciclopédia do Itaú Cultural, cocuradoria de Silvia Prado Segall e projeto expográfico de Juliana Prado Godoy, a exposição apresenta na sede do instituto a trajetória profissional e a obra do arquiteto reconhecido pela imprensa da época como “revolucionário de moradias”, apresentando projetos, fotos, conteúdos audiovisuais atuais e da época, artigos, recortes de jornais e material de pesquisa.

No local o público pode rever, em fotografias, projetos e desenhos, casas construídas por Warchavchik – hoje desfiguradas ou já inexistentes – e prédios ainda em pé, uns conservados, outros não, que passam despercebidos por quem desconhece a obra do arquiteto. Depoimentos gravados em audiovisual de outros profissionais da arquitetura, como Aracy Amaral, contextualizam o período e a produção de Warchavchik.

Já no Museu Lasar Segall, em outro percurso da mostra, são expostas referências mais intimistas sobre o arquiteto, traçando a conexão das famílias Klabin, Segall e Warchavchik, sua paixão pela fotografia e uma representação de ambiente modernista semelhante àqueles em que eles conviviam.

Como visitar

A Ocupação Gregori Warchavchik, para a qual estão programadas diversas atividades paralelas, fica em cartaz até 23 de junho. No Itaú Cultural (Av. Paulista, 149 – Estação Brigadeiro do Metrô), pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 9h às 20h; e aos sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h. No Museu Lasar Segall (Rua Berta, 111 – Vila Mariana), pode ser visitada de quarta a segunda-feira, das 11h às 19h. Em ambos com indicação livre e entrada gratuita. Saiba mais.

MNBA reabre galeria de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea no RJ

A galeria de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea, uma das principais mostras permanentes do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro, reabre neste dia 10 (quinta-feira), às 19h, após reformas estruturais iniciadas em setembro passado.

Situada no 3º Piso do MNBA, a galeria abriga uma da raras mostras no Brasil onde se pode descortinar, num só espaço, um relevante percurso artístico que vai do início do século XX até os dias atuais.

Na nova exposição, que chega atualmente a 205 peças, há obras de Candido Portinari, Willys de Castro, Décio Vieira, Maria Bonomi, Fayga Ostrower, Gilvan Samico, Celso Antonio, entre outros artistas brasileiros.

Com 1.800 metros quadrados, divididos em dois andares, a galeria exibirá no primeiro andar, o movimento da Abstração na gravura, e no segundo, a importância da gravura na produção artística brasileira das décadas de 1980 à contemporaneidade, assim como esculturas de artistas como Farnese de Andrade e Rubens Gerchman.

O MNBA fica aberto de terça a sexta, de 10h às 18h e aos sábados, domingos e feriados de 12h às 17h. Mais informações na página do museu.

Texto e foto: Divulgação MNBA