MHN conclui pesquisas sobre Casa do Trem e carruagens na literatura

Sob a orientação do Núcleo de Pesquisa do Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a rede Ibram no Rio de Janeiro (RJ), duas pesquisas de iniciação científica foram concluídas recentemente com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

“Estudo sobre as carruagens e sua presença em obras literárias de José de Alencar e Machado de Assis” trouxe um novo recorte para obras de escritores consagrados desde o século XIX.

“Na coleção do Museu Histórico Nacional estão presentes algumas carruagens que aparecem nas histórias contadas por José de Alencar e Machado de Assis”, explica o bolsista Adilson da Silva Santos Junior, autor da pesquisa orientada por Álvaro Marins.

A Vitória é um modelo de carruagem citado em obra de José de Alencar

A Vitória é um modelo de carruagem citado em obra de José de Alencar

“A última seção da coleção contém carros do século XIX até o século XX. As primeiras carruagens expostas na coleção são as vitórias, veículo que aparece parado no início d’a Pata da Gazela” – obra escrita por Alencar em 1870″, revela o bolsista.

“Seja na estrutura da classe senhorial, simbolizada através do Romantismo de Alencar, ou nas formas irônicas presentes nos textos de Machado, as representações literárias desses autores mostram com eficiência as carruagens do século XIX e, sobretudo, a sua função social”, conclui Adilson Santos Junior.

Arquitetura em pauta
A Casa do Trem, um dos edifícios que compõe o complexo arquitetônico do MHN, também foi tema de pesquisa recente. “Valoração e autenticidade histórica na restauração de bens imóveis coloniais: um estudo sobre a Casa do Trem” foi realizada por Fernanda Pinheiro Pereira da Silva sob a orientação de Rafael Zamorano.

O edifício, cuja construção foi iniciada em meados do século XVIII, ficou pronto em 1762. Com a finalidade de guardar armamentos destinados a tropas que seriam enviadas de Portugal para reforçar a defesa da cidade, constantemente ameaçada por corsários, o prédio foi integrado ao MHN em 1922 – ano de criação do museu como parte das celebrações do Centenário da Independência do Brasil.

“A Casa do Trem é testemunha não apenas da história da ocupação do Rio de Janeiro, mas guarda em sua trajetória os embates sobre a autenticidade dos edifícios antigos da cidade, onde houve claramente uma apagamento da intervenções neocoloniais buscando uma suposta autenticidade colonial”, aponta Fernanda Pinheiro em seu relatório final.

As duas pesquisas serão publicadas nos Anais do MHN, assim como ficarão disponíveis para consulta na biblioteca do museu.Saiba mais sobre o Museu Histórico Nacional.

Texto e foto: Ascom MHN

Museu das Missões é tema em edição especial de revista alemã

Artigo aborda a importância do projeto da instituição, de autoria do arquiteto Lucio Costa (1902-1998), por ser construído dentro de um sítio arqueológico – o das Missões Guarani-Jesuíticas.

Artigo aborda a importância do projeto da instituição, de autoria do arquiteto Lucio Costa (1902-1998), por ser construído dentro de um sítio arqueológico.

O Museu das Missões, situado em São Miguel das Missões (RS) e vinculado ao Ibram, foi objeto de artigo publicado na mais recente edição da importante revista de arquitetura alemã Baumeister – Das Architektur-Magazin, lançada em maio.

A edição examina o impacto que têm as condições climáticas, geográficas e regionais na arquitetura. O Museu das Missões é um dos estudos de caso tratados pela publicação, que aborda ainda estruturas arquitetônicas no Japão, Índia, Baglandesh, Finlândia e Reino Unido.

O número traz como curador convidado o arquiteto ganês-britânico David Adjaye, que tem entre seus trabalhos mais conhecidos o projeto arquitetônico do Museu Nacional de História e Cultura Afro Americana (National Museum of Afro American History and Culture), em Washington (EUA).

Produzido a partir de pesquisa junto ao museu Ibram, o artigo aborda a importância do projeto da instituição, de autoria do arquiteto Lucio Costa (1902-1998), por ser construído dentro de um sítio arqueológico – o das Missões Guarani-Jesuíticas, existentes nos séculos XVII e XVIII.

Construção inspirada nas residências indígenas que foram construídas nos povoados missionais no sul do país, o Pavilhão Lucio Costa (que abriga a área expositiva do Museu), é o cerne do artigo.

A revista destaca o aproveitamento do material das ruínas para a construção do museu e a transparência de suas fachadas envidraçadas, que permitem diferentes experiências sensoriais e temporais ao visitante ao visualizar o acervo em confronto com a fachada da antiga igreja-ruínas, cujos remanescentes são considerados Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco desde 1983.

O Museu das Missões colaborou com a publicação alemã fornecendo dados históricos e fotografias sobre a construção da edificação. Para tanto, foi realizada pesquisa histórica no acervo arquivístico da unidade, sendo oferecida aos editores da revista uma cópia do relatório produzido pelo então diretor geral do Iphan, Rodrigo Melo Franco de Andrade, enviado ao ministro da Educação por ocasião da conclusão das obras do museu, em 1941.

O artigo aborda também o projeto do prédio do Ministério da Educação e Saúde (Palácio Capanema), no Rio de Janeiro (RJ), que também teve a participação de Lucio Costa. Parte do conteúdo da revista pode ser acessado online na versão em inglês da revista. Acompanhe o Museu das Missões.

MHN recebe evento internacional sobre Patrimônio Arquitetônico Brasil-Portugal

O 5° Fipa – Fórum Internacional do Patrimônio Arquitetônico Brasil – Portugal começa nesta quarta-feira (23), no Rio de Janeiro (RJ).

Até o dia 25 de maio acontecem conferências, mesas redondas, sessões temáticas, exibição de filme e visitas mediadas no Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram) e Paço Imperial/Iphan.

Filme de Sinai Sganzerla será exibido no MHN na quinta (24)

Filme de Sinai Sganzerla será exibido no MHN na quinta (24)

Após a sessão solene de abertura no dia 23, o diretor do MHN e historiador Paulo Knauss realiza, às 9h30, a conferência “A refuncionalização dos lugares históricos – o caso do Museu Histórico Nacional”.

Entre os destaques da programação no MHN estão, além de mesas e sessões temáticas, a exibição, no dia 24, às 18h, do documentário em longa-metragem “O desmonte do Monte”, de Sinai Sganzerla, às 18h, no auditório do museu.

O filme aborda a história do Morro do Castelo, escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio.

Apesar de sua importância histórica e arquitetônica, o morro foi destruído por sucessivas reformas urbanísticas. A diretora estará presente para conversar com o público após a sessão.

No dia 25, o MHN também será ponto de encontro para as visitas guiadas preparadas pelo evento para os participantes. Entre 9h e 12h, acontecem simultaneamente três roteiros no centro histórico do Rio. Confira a programação completa.

Resultado de um convênio entre instituições brasileiras e portuguesas, o Fipa acontece um ano no Brasil e outro em Portugal, agregando profissionais  nos campos científicos, técnicos e de gestão do patrimônio.

O 5º Fipa contribuirá ainda com a preparação do 27º Congresso Mundial de Arquitetos UIA-2020, o mais importante evento de arquitetura mundial, que está programado para acontecer no Rio de Janeiro. Saiba como participar do 5º Fipa.

Texto: Ascom/MHN
Imagem: Divulgação

Exposição sobre reuso de patrimônio histórico chega a São João del-Rei

O Museu Regional de São João del-Rei (MRSJDR/Ibram), em Minas Gerais (MG), abre, nesta segunda (9), às 19h30, a exposição Reuso na Holanda: reciclagem de patrimônio histórico – do arquiteto holandês Paul Meurs.

Museu Regional de São João del-Rei (MG)

Museu Regional de São João del-Rei/Ibram (MG)

A mostra traz painéis com informações sobre 12 projetos arquitetônicos de edifícios holandeses que, após serem abandonados, foram recuperados e destinados a novos usos.

A exposição aponta para a discussão e reflexão do lugar do passado na paisagem urbana do futuro. A reutilização ou reuso é colocada como uma alternativa à demolição e consequente perda da memória e capital cultural.

Paul Meurs é arquiteto e diretor do escritório SteenhuisMeurs em Roterdã (Holanda). Especialista em arquitetura e urbanismo brasileiros desde 1986, publicou vários artigos e livros sobre conservação, desenvolvimento do patrimônio e reuso.

De 2006 a 2016 foi professor da disciplina Patrimônio e Valores Culturais na Universidade de Tecnologia de Delft (Holanda), onde atualmente é professor convidado. Meurs estará presente na abertura para um bate-papo com o público.

A exposição é gratuita e pode ser visitada até 22 de outubro de segunda a sexta, das 9h às 17h30. Sábados, domingos e feriados, das 9h às 16h.

O Museu Regional de São João del-Rei fica na Rua Marechal Deodoro, 12 – Centro. Mais informações pelo telefone (32) 3371.7663.

Texto e foto: MRSJDR/Divulgação
Edição: Ascom/Ibram

Museu Regional de São João del-Rei abre nova mostra nesta quinta (13)

Convite - AnaO Museu Regional de São João del-Rei/Ibram inaugura, na próxima quinta-feira (13),  às 19 horas, a exposição Art’quitetura, da artista Ana Bello.  Serão apresentadas mais de 14 obras feitas a partir de ilustrações de revistas, jornais, fotos, desenhos e croquis com o objetivo de levar ao público uma observação mais detalhada do conteúdo expressivo da obra de arte.

As obras foram feitas a partir de figuras cortadas ou rasgadas, distribuídas sobre um suporte laminado de superfície lisa, facilitando a colagem. Para o processo de criação foi necessário à atenção a harmonia de cores, formas e texturas para a distribuição harmoniosa. O trabalho de Ana distingui-se pela forma como vê o modo em que a arte se articula à sociedade. A mostra quer evidenciar um processo artístico contemporâneo, de valorização da arquitetura e do design como uma linguagem artística, que, de uma maneira ou outra, trabalham numa engrenagem de funcionamento e estética.

Ana Bello, nascida e criada em São João del-Rei, é pintora e arquiteta. Durante seus mais de 30 anos do trajeto artístico aprendeu a trabalhar com as mais diversas técnicas e materiais. Foi aluna de importantes nomes da arte, como João Quaglia e Frederico Bracher e já apresentou seu trabalho em diversas exposições por Minas Gerais.

Ibram dá início a contratações para restauro da Casa Histórica de Alcântara

MCHA está instalado num sobrado colonial do séc. XIX tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

MCHA está instalado num sobrado colonial do séc. XIX tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) lançou na última quarta-feira (30) edital destinado à seleção via pregão eletrônico, a acontecer no próximo dia 13, de empresa para a realização de levantamentos e projetos com foco no Museu Casa Histórica de Alcântara (MCHA), no Maranhão. A contratação será o primeiro passo para a realização de obras de restauração na unidade.

Caberá à empresa selecionada elaborar projeto executivo de restauro, projeto estrutural e projetos de instalações prediais, comunicação visual e paisagismo, que serão utilizados como base para a execução da obra de restauração do museu – instalado num sobrado colonial do séc. XIX tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A elaboração de projeto executivo, que ficará a cargo de técnicos em Arquitetura e Engenharia, incluirá levantamento cadastral, mapeamento de danos e projeto de intervenção, além de projetos complementares. A ideia é que o restauro compatibilize o prédio às necessidades atuais do MCHA, inclusive quanto à atualização tecnológica, respeitando os critérios de intervenção mínima previstos no tombamento do imóvel.

A obra incluirá intervenção física no interior, fachada e cobertura do edifício e em suas instalações de energia, iluminação, telefonia, segurança, hidráulicas e sanitárias, além da execução de novos projetos de prevenção e combate a incêndio, sinalização, paisagístico, luminotécnico e expográfico. O prazo previsto para a realização dos levantamentos e projetos é de 180 dias.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: MCHA/Divulgação

Concurso internacional vai escolher projeto para museu afrodescendente no DF

Durante o 25º Encontro Mundial de Arquitetos, realizado entre os dias 3 e 7 de agosto na cidade de Durban (África do Sul), o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, anunciou a abertura de concurso internacional para a escolha do projeto arquitetônico do Museu Nacional da Memória Afrodescendente, que será erguido no Lago Sul – região administrativa do Distrito Federal (DF).

Arquitetos de todo o mundo poderão participar da concorrência, que prevê premiação em dinheiro e está sendo organizada em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil, departamento Distrito Federal (IAB-DF). O edital que definirá os critérios para a escolha do projeto tem publicação prevista para o mês de setembro.

Angelo Oswaldo conheceu, na cidade de Pretoria, o Freedom Park

Referências internacionais: Angelo Oswaldo visitou, na cidade de Pretória, o Freedom Park

O museu será construído no interior do futuro Parque Mandela, que será criado numa área de 65 mil m² localizada às margens do lago Paranoá e já cedida pelo Governo do Distrito Federal.

Já o museu terá entre 12 mil e 15 mil m² e contará, além de salas para exposições de longa e curta duração, com área para o desenvolvimento de projetos educacionais.

Referências
Durante a passagem pela África do Sul, o presidente do Ibram conheceu a experiência de museus que servirão de referência para o futuro Museu Nacional Afro-Brasileiro de Cultura e Memória – concebido em parceria com a Fundação Cultural Palmares e a Fundação Casa de Rui Barbosa.

Em Joanesburgo, visitou o Museu do Apartheid, onde foi recebido por seu fundador e curador, Christopher Till; na cidade de Pretória, conheceu o Freedom Park, que inclui memorial dedicado a líderes que lutaram contra a segregação racial; conheceu ainda, na Cidade do Cabo, o Slave Lodge, que aborda a história da escravidão em território sul-africano.

“Assim como na África do Sul essas narrativas se mostram imprescindíveis na conscientização e na transformação sociopolítica e comportamental do público, queremos que o Museu Nacional Afro-Brasileiro de Cultura e Memória possa irradiar uma compreensão mais lúcida sobre a presença e legado da África na cultura e na história do Brasil”, explicou Angelo Oswaldo.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: DivulgaçãoÚltima atualização: 5.9.2014

Editais: R$ 1,7 mi para projetos de Patrimônio, Arquitetura e Museus na Bahia

Interessados em desenvolver projetos voltados para a salvaguarda de bens culturais baianos têm até 15 junho para inscrever propostas nos editais setoriais de Patrimônio, Arquitetura e Urbanismo e de Museus – ambos sob a coordenação do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia – vinculado à Secretaria de Cultura do Estado.

Na setorial de Patrimônio, Arquitetura e Urbanismo, o foco está em amparar propostas culturais nas áreas de patrimônio cultural, sítios arqueológicos, arquitetura e urbanismo, que tenham como objetivo a preservação, salvaguarda, restauração, valorização, pesquisa, inventário, difusão, dinamização, formação e educação patrimonial.

Para este segmento será investido R$ 1 milhão, sendo que o teto de apoio por projeto não poderá ultrapassar R$ 150 mil. O edital está disponível aqui.

Já a de Museus contempla propostas culturais na área que tenham como objetivo a preservação, valorização, pesquisa, inventário, difusão, dinamização, qualificação da gestão e formação. Assim, inventários museológicos e outros registros que identifiquem bens culturais dos museus; estudos e pesquisas que fundamentem as ações em todas as áreas dos museus; ações educativas, de preservação, conservação e restauração; atividades de comunicação e elaboração de plano museológico são alguns exemplos.

Serão empregados R$ 700 mil e cada proposta terá apoio de até R$ 100 mil. O edital está disponível aqui. Leia mais.

Fonte: Secult Bahia

GDF e Ibram promovem o curso Arquitetura em Museus

A Secretaria de Cultura do Distrito Federal, por meio da Subsecretaria do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (SUPHAC) realiza, com o apoio do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), o Curso Arquitetura em Museus entre os dias 25 e 27 de outubro. Estão sendo oferecidas 350 vagas. A atividade acontece no Auditório D. João VI da Imprensa Nacional (SIG, Quadra 06, Lote 800), das 14h às 18h. Inscrições gratuitas.

A arquiteta Léa Therezinha A. de Carvalho, Chefe da Divisão de Arquitetura e Espaços Museais do Ibram/MinC será a ministrante do curso. No programa constam módulos como Arquitetura e Conservação de Acervos, a relação entre as funções dos museus (preservação, investigação e comunicação) e a arquitetura, exemplos de edifícios adaptados e edifícios construídos especialmente para museus, dentre outros tópicos. Veja a programação completa.

Os Interessados podem encaminhar a ficha de inscrição para o endereço eletrônico diretoriadepatrimonio@gmail.com. Mais informações com Martita ou Luciano pelos telefones (61) 3325-6222/6281. Para receber o certificado é exigida a frequência mínima de dois dias ao curso.

 Fonte: Divulgação Secult/DF