Página 2 de 3123

Requalificação: presidente do Ibram visita museus Ibram em obras

Museu Lasar Segall deve ser reaberto em outubro deste ano

Museu Lasar Segall deve ser reaberto em outubro deste ano

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Angelo Oswaldo, esteve na segunda-feira (17), em São Paulo (SP), em visita ao Museu Lasar Segall – único museu a integrar a rede Ibram no estado.

Acompanhado pelo diretor da instituição, Jorge Scwhartz, o presidente viu de perto o andamento das obras de requalificação do museu, um dos nove vinculados ao instituto que teve contratados serviços deste tipo no final do ano passado. Outros nove têm previsão de entrar em obras ainda este ano.

Para o Museu Lasar Segall, foi contratada empresa de engenharia especializada com o objetivo de recuperar as coberturas e anexos, além das instalações elétrica, telefônica, lógica e luminotécnica, do Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) e do sistema de segurança. Os projetos serão concluídos com recursos do Fundo Nacional de Cultura (FNC) e Petrobras, no valor total de R$ 2,5 milhões.

Presidente do Ibram entrega ao prefeito de Caeté, Zezé Oliveira, correspondência da presidência

Presidente do Ibram entrega ao prefeito de Caeté, Zezé Oliveira, correspondência da presidenta

Por conta das obras, que já estão em andamento, o museu está fechado até outubro. Atividades como cursos, oficinas, ação educativa e exposições, continuarão a ser promovidas pelo Museu Lasar Segall externamente, em parceria com outras instituições culturais, como a Fundação Ema Klabin e Centro Cultural São Paulo (CCSP). A programação já foi iniciada.

Em Caeté
No sábado (22), o presidente do Ibram visitou o Museu Regional de Caeté, em Minas Gerais, outra instituição vinculada ao Ibram que passa por obras de requalificação. Na pauta estavam questões ligadas ao patrimônio histórico-cultural.

Angelo Oswaldo também levou ao município mineiro mensagem da presidenta da República, Dilma Rousseff, parabenizando pelos 300 anos da Vila Nova da Rainha (atual Caeté), comemorados neste mês.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Prefeitura de Caeté

Presidente do Ibram participa de cerimônia pelos 300 anos de Serro (MG)

Museu Regional Casa dos Ottoni

Museu Regional Casa dos Ottoni

As cidades de Serro e Caeté, em Minas Gerais (MG), completam amanhã (29), 300 anos de criação. Importantes centros irradiadores da cultura e história mineiras, os municípios contam com dois emblemáticos museus da rede Ibram: o Museu Regional Casa dos Ottoni, no Serro, e o Museu Regional de Caeté.

Cidadão honorário de Serro, o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, participa neste dia 29 do encerramento das celebrações pelo 300 anos de Vila do Príncipe – fundada em 1714 em homenagem ao futuro rei D. José I, filho de D. João V.

Às 9h, acontece a entrega da comenda 300 anos de Vila do Príncipe pelo atual prefeito da cidade a 18 ex-prefeitos, e às 10h, no adro da Igreja do Carmo, será feita a abertura da urna com a memória da campanha de mobilização pela preservação do patrimônio de Serro. Angelo Oswaldo fará o discurso final como orador da cerimônia.

Museu Regional de Caeté (MG)

Museu Regional de Caeté

História
Serro foi a primeira cidade inscrita pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC) na lista do patrimônio histórico brasileiro, em 1938.

Um de seus principais atrativos, o Museu Casa dos Ottoni foi criado em 1949 e ocupa uma construção do século XVIII. Seu acervo é formado principalmente por imagens de arte católica, e o museu começa a ser restaurado e revitalizado dentro do PAC das Cidades Históricas. Saiba mais.

Criada na mesma data como “Vila do Ouro”, a cidade de Caeté, que reúne igrejas barrocas com peças atribuídas a Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1738–1814), também já está em festa pelos seus 300 anos. A cidade é a sede do Museu Regional de Caeté, instalado em uma casa construída em fins do século XVIII.

O museu guarda um acervo composto por mobiliário e objetos de época, além de peças de arte popular e de arte sacra de cunho popular. Também atua na preservação da riqueza cultural, dos saberes e fazeres do povo de Caeté e seus distritos, promovendo cursos e oficinas sobre técnicas artesanais tradicionais na região.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Divulgação Ibram

Ministra da Cultura participa das comemorações dos 77 anos do MNBA

Nesta segunda-feira (13), a Ministra da Cultura, Marta Suplicy e o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, participaram da celebração dos 77 anos de criação do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Rio de Janeiro.

O evento contou com a premiação dos agraciados no Prêmio Quirino Campoforito e com a doação de 205 obras de Portinari ao museu pela Finep – agência vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

O Prêmio Quirino Campoforito é voltado àqueles que contribuíram ou contribuem para o desenvolvimento das artes no país. A cerimônia aconteceu no Salão Nobre do Museu Nacional de Belas Artes e foram agraciados, entre outros, a ministra Marta Suplicy, o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo Santos, o cardeal Orani Tempesta, o cônsul da Itália, Mário Panaro e o presidente da Finep, Glauco Arbix.

Durante o evento, Marta Suplicy ressaltou a importância do acervo doado ao Museu: “A doação de obras artísticas aos museus é um ato que tem acontecido no Brasil de forma significante, mas precisa ser praticada mais vezes por colecionadores e artistas para que transforme o ato num hábito brasileiro”, disse a ministra.

Com a oficialização da doação de pinturas a óleo em tela, desenhos em grafite, nanquim bico-de-pena, caneta tinteiro, gravura a água-forte e água-tinta em papel, a coleção passa a fazer parte do acervo do MNBA. Com isso, o museu é detentor do maior acervo público de Portinari, com 243 trabalhos. De acordo com a diretora do Museu de Belas Artes, Mônica Xexéo, a coleção será exposta a partir de maio desse ano.

Presente ao evento, o filho de Portinari, João Cândido, destacou que a importância da doação das obras de arte está, principalmente, no fato de torná-la acessível ao público e, em especial, no Museu Nacional de Belas Artes, que era a casa do artista. Ressaltou também o apoio da ministra Marta Suplicy em tornar o acervo de Portinari patrimônio público para fruição do grande público.

No seu discurso, a ministra salientou ainda uma das ações do MinC, que é a de recuperar os museus e incentivar o público a visitá-los.

Texto: Ascom/MinC

Edição: Ascom/Ibram

Ministra e dirigentes do sistema MinC assinam Pacto de Desempenho

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, se reuniu com os dirigentes e os secretários do sistema MinC para assinar, na manhã desta terça-feira (7), a Pactuação de Desempenho de gestão para o exercício de 2014. O enfoque do programa é uma nova cultura na gestão de recursos com melhor performance e transparência no uso das verbas do ministério.

Após desejar um Feliz Ano Novo aos gestores do MinC, a ministra agradeceu a presença de todos e parabenizou a equipe pelos resultados alcançados na pactuação firmada em 2013, a primeira a ser realizada na estrutura da pasta. Os resultados apresentados apontam que, a partir da implementação do Pacto, o Ministerio da Cultura evolui de 92,39% de execução das despesas discricionárias em 2012 para 99,05% de execução dos mesmos recursos no ano passado.

Com a pactuação do programa os gestores de todas as áreas do MinC trabalharão com metas e cronogramas para a realização de seus projetos, com a visualização das ações para o ano todo. Com alinhamento estratégico, os objetivos são o contínuo aprimoramento da gestão, da execução orçamentária e financeira, e da eficiência e efetividade das ações e políticas do ministério.

Os compromissos de desempenho e gestão foram assinados pelos presidentes da Fundação Biblioteca Nacional, Renato Lessa; Fundação Casa de Rui Barbosa, Manolo Florentino; Fundação Cultural Palmares, Hilton Cobra; Fundação Nacional de Artes, Guti Fraga; do Instituto Brasileiro de Museus, Angelo Oswaldo; do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Jurema Machado; e pela diretora da Agência Nacional do Cinema Ângela Alcântara.

Também pactuaram suas metas os secretários do Audiovisual, Mário Borgneth; da Economia Criativa, Marcos André Carvalho; os secretários substitutos de Economia e Fomento à Cultura, Odecir Costa; e da Articulação Institucional, Bernardo Machado. Os documentos foram assinados pelos diretores Pedro Vasconcelos da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural; Juana Nunes da Secretaria de Políticas Culturais; Bruno Melo da Diretoria de Relações Internacionais; Germano Ladeira da Diretoria de Infraestrutura Cultural; e pelo diretor substituto da Diretoria de Direitos Intelectuais Luis Paulo Bogliolo.

Para garantir a transparência na gestão dos recursos financeiros e orçamentários, tanto os acordos de desempenho quanto os resultados do processo de monitoramento deverão ser disponibilizados na página na internet do Ministério da Cultura.

Texto: Lara Aliano (Ascom/MinC)

Presidente do Ibram visita centro cultural e museus comunitários em BH

A partir deste fim de semana, o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, estará em Belo Horizonte (MG) para cumprir agenda oficial. Amanhã (14), ele visita o Centro Cultural Minas Tênis Clube.

Inaugurado este ano, o local possui teatro, Centro de Memória, que abriga o acervo histórico do clube com 78 anos de atividade, e Galeria de Arte. Está prevista para o próximo ano, a incorporação ao Centro de dois cinemas, duas salas multiusos e uma biblioteca.

Na viagem a BH, presidente do Ibram conhecerá o Muquifu

Na viagem a BH, o presidente do Ibram conhecerá o Muquifu

Na segunda (16), Oswaldo visita o Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos (Muquifu) e o Ponto de Memória Museu do Taquaril, acompanhado do vereador Arnaldo Godoy (PT). As visitas têm como objetivo conhecer espaços museais comunitários e experiências de museologia social bem sucedidas na capital mineira.

Memória comunitária
O Muquifu, localizado na comunidade da Barragem Santa Lúcia, tem como vocação garantir o reconhecimento e a salvaguarda das favelas. A curadoria da exposição permanente é do Padre Mauro Luiz da Silva, pároco da favela.

Já o Museu do Taquaril é uma das doze iniciativas pioneiras do Programa Pontos de Memória do Ibram, que visa apoiar a criação de museus comunitários em regiões metropolitanas do país, orientando e mobilizando as comunidades no sentido de apoia-las na proteção e potencialização da memória social e coletiva a partir de seus moradores, suas origens, histórias e valores.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Muquifu/Jorge Quintão

Angelo Oswaldo participa de reunião e visita Museu das Missões no RS

O presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, participou ontem (9), de reunião da organização das Cidades Patrimônio Mundial da Unesco, em São Miguel das Missões (RS), que integra ampla programação que comemora os 30 anos do reconhecimento das Ruínas das Missões como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Oswaldo (esq.) acompanhado do coordenado do Ponto de Memória Missioneira, Valter Braga

Oswaldo (dir.) acompanhado do coordenado do Ponto de Memória Missioneira,Valter Braga

No domingo (8), Oswaldo visitou o Museu das Missões/Ibram, que reúne a maior coleção pública de imagens sacras e fragmentos missioneiros do Mercosul, o projeto Fonte Missioneira e a exposição A trajetória da arqueologia no Rio Grande do Sul, organizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC).

Aproveitou ainda a viagem até São Miguel para realizar visita técnica ao Ponto de Memória Missioneira, localizado no bairro Alegria, e que integra a rede do Programa Pontos de Memória/Ibram. Hoje (10), o presidente do Ibram está em Porto Alegre onde realiza visita técnica à Fundação Iberê Camargo.

Desde o dia 29 de novembro, a histórica cidade gaúcha celebra o título internacional da Unesco, único no estado, com discussões sobre pesquisa arqueológica, exposição fotográfica,  encontro de benzedeiros, rezadeiros e mateiros; shows regionais, sessão de cinema nas ruínas e outras atividades. Confira a programação que segue até sexta (13).

Nos dias 12 e 13 também acontece na cidade o Seminário Internacional Missões: patrimônio da humanidade, que propõe um diálogo entre turismo, patrimônio e preservação. Conheça os principais atrativos do sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo e um pouco do trabalho do Museu das Missões.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Museu das Missões

Presidente do Ibram vai debater no Rio decreto que protege coleções

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Angelo Oswaldo, estará nesta sexta-feira (13), às 14h30, no Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), com o objetivo de discutir e esclarecer dúvidas sobre o recém aprovado Decreto 8.124/2013, que regulamenta o Estatuto de Museus.

O encontro que vai acontecer no auditório do museu, no bairro do Catete, é o segundo que o órgão promove para tratar do assunto e deve reunir especialmente colecionadores, diretores de museus e outros representantes do setor.

Museu da República (RJ)

Encontro acontece no Museu da República (RJ)

No dia 29 de novembro, Angelo Oswaldo esteve em São Paulo (SP) com um grupo de artistas, galeristas e colecionadores para esclarecer sobre pontos do decreto que têm despertado dúvidas, especialmente o que trata da Declaração de Interesse Público.

“A declaração de interesse público visa preservar a memória de acervos e de bens, sem afetar sua comercialização e localização. O objetivo é proteger o patrimônio cultural, integrado ou não aos museus”, explica o presidente do Ibram, que solicitou ao grupo a construção de um documento com as principais dúvidas em relação ao decreto. Saiba mais.

Para o diretor do instituto Itaú Cultural, Eduardo Saron, que participou do encontro e será responsável por formatar o documento, a reunião foi muito produtiva. “Conseguimos nos entender e abrir um importante canal de diálogo com o governo”, disse. Para outras informações escreva para faleconosco@museus.gov.br.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Família Segall doa 110 obras do artista para o Museu Lasar Segall

Segall_Autorretrato_IV_1930

Autorretrato de Lasar Segall (1930) é uma das 110 obras a serem incorporadas ao ao museu Ibram em São Paulo

O Museu Lasar Segall/Ibram, em São Paulo (SP), recebe, nesta sexta-feira (29), doação de 110 obras pertencentes à coleção particular do neto do artista, Mario Segall. A cerimônia, para convidados, terá a presença da Ministra da Cultura, Marta Suplicy e do presidente do Ibram, Angelo Oswaldo.

A lista de obras doadas consiste em 12 pinturas, sendo quatro pinturas sobre tela e oito sobre papel, 18 gravuras e 80 desenhos de Lasar Segall. Destaque para o Autorretrato IV (1930), pintura em óleo sobre tela, com dimensões de 46,5 × 38 cm, obra pouco divulgada e de inestimável valor para a compreensão da trajetória do artista. Para o diretor do Museu, Jorge Schwartz, “é uma honra receber esta doação. Ela enriquece o acervo do Museu sobremaneira”.

Mario Segall afirma que “de minha parte, não fiz nada a mais do que faria meu pai, com quem aprendi que arte só vale se for compartilhada, dividida com potencial para sensibilizar, bem como mexer com os seres humanos a ponto de fazê-los refletir e atuar ativa e criticamente sobre seu mundo. Nem todos conseguem estar abertos a esse tipo de influência. Fui muito privilegiado”, conclui.
O museu
O Museu, idealizado por Jenny Klabin Segall, viúva de Lasar Segall, foi criado por seus filhos Mauricio Segall e Oscar Klabin Segall, em 1967, e se localiza na antiga residência e atelier do artista. O acervo é constituído de por cerca de três mil obras, arquivos de documentos, fotografias, objetos (pincéis, tintas, instrumentos de gravura, paletas e indumentária), matrizes de gravuras, mobiliário.

O museu tem como principal objetivo, preservar, pesquisar e divulgar a obra de Lasar Segall, mas foi constituído de forma a atuar como centro de atividades culturais, oferecendo cursos e oficinas voltados à disseminação da arte e cultura nas áreas de Gravura, Fotografia, Criação Literária, com atividades paralelas à fruição das obras de arte do acervo e das exposições temporárias.

Oferece a Biblioteca Jenny Klabin Segall que possui um acervo especializado na Arte do Espetáculo (cinema, teatro, dança, ópera, circo, rádio, televisão, fotografia), e extensa documentação sobre a vida e a obra de Lasar Segall, constituindo-se em importante centro de pesquisa. Este acervo é considerado um dos mais completos em suas áreas de atuação.

A Ação Educativa desenvolve programas para formação de professores, estudantes e famílias com o objetivo de capacitar os visitantes a ver, analisar e interpretar obras de arte em múltiplos contextos, contribuindo para ampliar o acesso às manifestações culturais e para a formação da cidadania no contexto brasileiro.

Com uma sala de cinema de 92 lugares, o Cine Segall desempenhou importante papel na vida cultural da cidade de São Paulo nas décadas de 1970 e 1980, com a exibição de filmes proibidos pela ditadura e mostras especiais que davam ênfase ao cinema independente. Hoje, a programação é de filmes do circuito cultural nacional e internacional.

O museu possui ainda dois jardins com esculturas de Lasar Segall. No primeiro jardim encontra-se o Café Segall, e o projeto Intervenções, que se constitui em expor obras de artistas contemporâneos. O outro jardim é um local de convivência e troca de experiência para os frequentadores, e encontra-se à frente do ateliê em que Segall criou boa parte de suas obras.

Texto: Divulgação Museu Lasar Segall
Edição: Ascom Ibram

Angelo Oswaldo escreve artigo sobre a Primavera dos Museus

Primavera afro-brasileira

Angelo Oswaldo de Araújo Santos

 

Cartas e manifestos consagram o conceito que reconhece a diversidade cultural – fonte de intercâmbio, inovação e criatividade – como sendo tão necessária para o gênero humano quanto a biodiversidade para a ordem da vida. No nosso contexto cultural, as vertentes de origem africana são veios ricos que alimentaram e abastecem as mais variadas manifestações, contribuindo, intensamente, tanto para a originalidade da expressão brasileira, quanto para a permanência de uma identidade que evolui com o tempo.

Nenhum espaço mais adequado que os museus para um contato direto com a multiplicidade opulenta e surpreendente das criações que trazem os signos afro-brasileiros, da poesia às artes plástico-visuais, da dança ao teatro, do cinema à gastronomia, da oralidade aos altos estudos, nas trilhas da memória à história. Ao escolher o tema da sétima edição anual da Primavera de Museus – Museus. Memória e Cultura Afro-brasileira – o Ibram quis enfatizar os valores da diversidade e o vigor da cultura afro-brasileira.

Celebramos também o quarto de século completado pela Fundação Palmares, vinculada ao Ministério da Cultura. Preocupada com a igualdade racial e a valorização da matriz africana, foi o primeiro órgão federal criado para preservar e promover a cultura negra. Nestes 25 anos, a Palmares fortaleceu e fomentou as mais diversificadas iniciativas que balizam as políticas públicas reivindicadas pelos movimentos dos afro-descendentes.

As respostas ao chamado são empolgantes, como se verá até o final deste mês. Os museus se afirmam como admiráveis produtores, razão pela qual quase 3 mil eventos se realizam em cerca de mil instituições, nos 27 Estados e em 460 cidades. Traduzem o empenho com que as equipes conseguiram organizá-los, de modo inventivo e cativante. No Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, por exemplo, as palavras de origem africana estarão em destaque. Nas visitas guiadas, o público vai identificar e decifrar uma infinidade delas. Em Recife, o Museu da Abolição, por sobre o solar aristocrático do Império, é o ponto de convergência dos movimentos pernambucanos de afro-brasilidade.

O “Xirê das Pretas”, no Museu Casa do Benin, no Pelourinho de Salvador, marca a presença forte das mulheres nas ações da Primavera de 2013. São Benedito, o santo negro, é focalizado no Museu de Arte Sacra João Paulo II, em Pelotas, e o embaixador Alberto da Costa e Silva, notável estudioso dos temas da África, faz palestra no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio. Entre os participantes, inscrevem-se também o Museu do Artesanato do Mato Grosso, em Cuiabá, e o Museu Amazônico, em Manaus.

O Museu do Taquaril, ponto de memória em Belo Horizonte, expõe fotos de moradores da comunidade. Em Ouro Preto, o Museu Casa Guignard focaliza personagens negras em desenhos e pinturas do mestre, enquanto o Inconfidência tem exibição de filmes, palestras e mostras. O Museu do Oratório conta história para crianças e jovens. Em São João del Rei, Caeté, Sabará, Serro e Diamantina, os museus do Ibram da mesma forma se integram ao grande evento.

O dia internacional dos museus, 18 de maio, enseja a promoção da Semana Nacional, que igualmente provoca ações em todo o País. Assim, duas vezes ao ano, o Ibram articula essa projeção das atividades museológicas na agenda cultural brasileira, sempre obtendo êxito nos resultados. A Primavera dos Museus promete belas flores e bons frutos para todos. Consulte WWW.museus.gov.br e conheça a esplêndida agenda dos eventos.

Angelo Oswaldo de Araújo Santos é presidente do Instituto Brasileiro de Museus, Ibram      

Paraty quer ser reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade

Paraty (RJ) pode vir a ser Patrimônio da Humanidade na lista da Unesco, disse na cidade o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, ao falar sobre Ouro Preto e Olinda em conferência na abertura do festival cultural Mimo na sexta-feira (23).

Angelo Oswaldo aproveitou sua viagem a Paraty para visitar os museus Ibram na cidade

Para Oswaldo, Paraty deve integrar os valores de seu acervo cultural às qualidades da paisagem e da natureza e criar um ícone singular. É essa singularidade que lhe garantirá o título.

Ele disse ainda que a inscrição entre os monumentos mundiais somente gera resultados concretos e surte efeito positivo se a cidade assume o título e o utiliza como chave para abrir todas as portas: “caso contrário, o diploma fica esquecido numa gaveta e a cidade descobre que não é patrimônio de ninguém”.

Museus Ibram
Na cidade, Angelo Oswaldo visitou ainda as unidades administradas pelo Ibram em Paraty: o Museu de Arte Sacra, atualmente em reforma, e o Museu Forte Defensor Perpétuo, onde visitou a exposição de máscaras do mestre paratiense Natalino de Jesus Silva e pôde conferir o potencial museográfico do conjunto do Morro da Vila Velha.

O presidente do Ibram confirmou a liberação de recursos do Ministério da Cultura (MinC) e Petrobras para a conclusão das obras de restauro da Igreja de Santa Rita, onde está instalado o Museu de Arte Sacra, e anunciou novos projetos para o Museu Forte. “O apoio da Fundação Roberto Marinho vem garantir o êxito das iniciativas em articulação”, garantiu.

Texto e foto: Ascom/Ibram e Forte Defensor Perpétuo
Edição: Ascom/Ibram

 

Página 2 de 3123