Página 1 de 3123

Gestão: Angelo Oswaldo deixa a presidência do Ibram no dia 31

O atual presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo de Araujo Santos, informou hoje (23) que deixará a presidência da autarquia federal, ligada ao Ministério da Cultura (MinC), no dia 31 de dezembro.

Atendendo ao convite do governador eleito de Minas Gerais (MG), Fernando Pimentel, e com respaldo da presidenta Dilma Rousseff, Oswaldo irá assumir o cargo de Secretário de Estado de Cultura de Minas Gerais.

Angelo Oswaldo ocupará cargo no próximo governo de Minas Gerais

Angelo Oswaldo ocupará a Secretaria de Cultura no próximo governo de Minas Gerais

Em comunicado enviado por e-mail a todos os servidores do Ibram, na tarde de hoje, Oswaldo fez um breve balanço de sua gestão, iniciada em julho de 2013, dizendo-se “feliz” por verificar “um saldo positivo de muito trabalho e empenho nas metas da instituição e no revigoramento do campo museológico brasileiro”.

“Nossa gestão foi pautada pelo diálogo e pela harmonia entre todos os protagonistas do campo museal”, reforça no texto. “Promovemos a concórdia e o entendimento entre as partes, interna e externamente. Enfatizamos o papel primordial dos museus e valorizamos a museologia social”.

Angelo Oswaldo lembra ainda que o Ibram, criado em 2009, “é um projeto em andamento, muito recente e rico em possibilidades de êxito”, caso se saiba” vencer as amarras e alcançar metas que desenham uma política pública de museus”.

E conclui: “Conservação de museus é uma coisa, conservadorismo de atitudes é outra. Sejamos ousados, busquemos inovar e crescer com todos os museus brasileiros”.

O próximo presidente do Ibram deverá ser conhecido quando da decisão, por parte da Presidência da República, sobre quem assumirá o Ministério da Cultura – atualmente sob gestão interina de Ana Cristina Wanzeler.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Matéria relacionada
Angelo Oswaldo é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus

Presidente do Ibram visita instituições em Maceió e Salvador esta semana

Durante a 8ª Primavera dos Museus, o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, participa de uma série de atividades nas cidades de Maceió (AL) e Salvador (BA).

No dia 24, durante a abertura do V Encontro Nacional de Memoriais do Ministério Público (MP), em Maceió, Oswaldo profere palestra sobre sua experiência na área museológica, com destaque para a preservação da memória brasileira. Antes, visita, ao lado do procurador-geral de Justiça no estado, Sérgio Jucá, o memorial do MP de Alagoas.

Fachada da Casa de Jorge de Lima no centro de Maceió (AL)

Com o tema O papel social dos museus, o encontro se estende até o dia 26 e reúne representantes de memoriais de ministérios públicos de 17 estados. Apresentação de experiências, grupos de trabalho em torno da memória institucional e suas interrelações, e a preparação da Carta de Maceió, documento síntese do encontro, compõem a programação.

“O Ministério Público exerce papel relevante na salvaguarda de acervos museológicos. Daí a importância de se dialogar com os representantes ligados diretamente aos campos da cultura e memória nos estados”, enfatiza Angelo Oswaldo.

Arte e Memória
No dia 25, ele visita instituições de arte e memória na capital alagoana: a Fundação Pierre Chalita e a Casa Jorge de Lima. Localizada em um casarão no centro da capital, a fundação, que leva o nome do artista e colecionador Pierra Chalita (1930-2010), é responsável por dois museus: Museu de Arte Brasileira (MAB) e Museu de Arte Pierre Chalita – que ocupa o mesmo edifício histórico da fundação.

A coleção do museu é constituída por parte das mais de 2,2 mil obras pertencentes à fundação e abrange pinturas, esculturas, desenhos, gravuras, objetos decorativos e um núcleo de arte sacra. Já o MAB, instalado em armazéns no bairro portuário de Jaraguá, conserva um variado acervo de objetos artísticos, com ênfase na arte alagoana e nordestina.

Recentemente restaurada, a Casa Jorge de Lima, atual sede da Academia Alagoana de Letras, propõe um roteiro pela obra e a história do poeta alagoano (1893-1953). A casa apresenta exposições permanentes, como  os versos ilustrados de Rio São Francisco e Acendedor de Lampiões, e a mostra O mundo de Jorge de Lima, que conta a vida do escritor detalhada em linha cronológica.

Cultura afro-brasileira
Em Salvador, no dia 26, o presidente do Ibram encontra-se com o diretor do Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira (Muncab), José Carlos Capinan. O Ministério da Cultura (MinC) tem interesse na federalização do museu, que passaria a integrar a rede de museus Ibram.

Muncab: maquete do gradil Histórias de Ogum

“Estamos atuando no Muncab em parceria com a Petrobras”, explica Angelo Oswaldo. “Ocupando dois antigos prédios, que abrigavam secretarias de estado da Bahia, o Muncab certamente irá se constituir como um espaço de cultura, educação, cidadania e turismo não só para Salvador mas para todo o Brasil”.

Segundo o diretor do museu, as obras caminham a bom passo: após a atualização do projeto arquitetônico do Muncab, várias melhorias têm sido feitas – do sistema elétrico a acessibilidade.

“Iniciamos também a urbanização do entorno do museu, o que já nos rendeu uma boa receptividade da população”, conta Capinan. No dia 27, o museu vai inaugurar um painel esculpido em ferro (gradil), realizado pelo artista J.Cunha, denominado Histórias de Ogum.

Além do encontro no Muncab, uma visita ao Museu Afro-Brasileiro (Mafro) da Universidade Federal da Bahia (UFBA) também deve acontecer no dia 26. Localizado no Pelourinho, o museu possui um acervo com mais de mil peças de cultura material africana e afro-brasileira e tem papel relevante na divulgação e preservação dessas matrizes culturais. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto 1: Secult Alagoas/divulgação
Foto 2: Roberto Abreu/MinC

Ministra da Cultura e prefeito do Rio assinam cessão de terreno para MHN

O Museu Histórico Nacional (MHN), situado no centro do Rio de Janeiro (RJ) e vinculado ao Ibram/MinC, recebeu na tarde desta quinta-feira (21), a visita da ministra da Cultura, Marta Suplicy, e do prefeito do Rio, Eduardo Paes.

Cerimônia de doação aconteceu na Sala

Cerimônia de cessão de terreno e entrega de medalhas aconteceu na Galeria das Tapeçarias do MHN

Marta Suplicy assinou com o prefeito da capital protocolo para a cessão da parte do terreno que pertence ao município. Durante a cerimônia, Ambos receberam a Medalha Henrique Sérgio Gregori, entregues pelo Presidente da Associação dos Amigos do Museu Histórico Nacional, Jorge La Saigne de Botton.

Também acompanhada pelo presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, e pela diretora do museu, Vera Tostes, a ministra  e o prefeito conheceram o terreno onde será erguido o futuro anexo do museu – resultado de doações tanto do governo do Estado do RJ e, agora, da prefeitura do Rio.

A área total do terreno doado é de 3,3 mil m². Para o anexo do museu a ser construído, serão transferidas as áreas museográfica e administrativa, a biblioteca e o arquivo histórico do museu.

A nova construção possibilitará, ainda, a implantação de um Centro de Referência em Conservação e Restauração; de um auditório de maior capacidade; e a ampliação das áreas de serviços ao público. Com a transferência, novos espaços de exposições de longa e curta duração serão liberados no atual prédio do MHN.

Comemorações em 2022
“É um marco histórico”, resumiu o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo. “Com a assinatura deste protocolo, damos início a um projeto que vai permitir a um dos museus mais ricos do Brasil expor quase todo seu acervo, de 350 mil itens, além de preparar-se para seu centenário em 2022, quando também se comemora o bicentenário de nossa independência”.

Ministra da Cultura assina Livro de Ouro do MHN

Ministra da Cultura assina Livro de Ouro do MHN

De acordo com Angelo Oswaldo, já está em estudo a formatação de Parceria Público-Privada para a construção do novo prédio, cujo projeto será escolhido através de concorrência coordenada pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB). “Será um projeto bastante ousado, em diálogo com o século XXI”, adianta.

O presidente do Ibram agradeceu pessoalmente ao prefeito do Rio de Janeiro pela demolição do chamado Elevado da Perimetral, intervenção que integra programa de revitalização da área portuária da cidade e deu maior visibilidade ao MHN e outros museus de seu entorno.

A visita da ministra Marta Suplicy ao Museu Histórico Nacional motivou ainda a realização de uma homenagem a seu avô, Jaime Smith de Vasconcellos – o terceiro Barão de Vasconcellos. O barão foi, nos anos 1920, um dos primeiros doadores do MHN, que até os anos 1960 manteve a Sala de Smith de Vasconcellos, reunindo cerâmicas, cristais e porcelanas.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Gustavo Serrate/MinC

Matéria relacionada
Cessão de terreno ao Ibram vai ampliar Museu Histórico Nacional no RJ

Direito à Memória é tema de audiência pública em Brasília

No dia 26 de agosto, o Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília (DF), promove a audiência pública Direito à Memória. O evento tem início às 8h30 e contará com as presenças da ministra da Cultura, Marta Suplicy, e do presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo.

O objetivo é reunir formuladores e executores de políticas públicas, representantes do meio acadêmico e da sociedade civil para identificar indicadores capazes de retratar e avaliar os resultados de políticas públicas destinadas a assegurar o direito à memória.

Sede do TCU em Brasília

Sede do TCU em Brasília

Participam ainda representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados e da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal.

As contribuições dos expositores e participantes da audiência devem ter a finalidade de responder a questões-chave, como quais resultados se podem esperar das políticas públicas culturais relacionadas ao direito à memória; quais indicadores podem mensurar esses resultados e quais instrumentos podem ser utilizados para verificar o alcance das metas constantes do Plano Plurianual 2012-2015, do Plano Nacional de Cultura (PNC) e do Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM) que estejam relacionadas ao direito à memória.

Programação
Durante a audiência pública, haverá palestras e debates, além de uma contextualização sobre o controle externo das políticas culturais a cargo do Governo Federal. A primeira mesa redonda versará sobre O Direito à Memória: Museus e Patrimônio – definição, evolução, abrangência e desafios, e o presidente do Ibram participará, ao lado do museólogo Mário Chagas (Ibram/Unirio) e de outros convidados.

Já a segunda mesa terá o tema Direito à memória no Plano Plurianual 2012-2015, Plano Nacional de Cultura e no Plano Nacional Setorial de Museus: ações governamentais adotadas e dificuldades enfrentadas, e dela participará a chefe de gabinete do Ibram, Eneida Braga Rocha, junto com Célia Maria Corsino, do Iphan.

As inscrições para o evento já estão abertas. Todos os inscritos serão considerados, inicialmente, ouvintes. A inscrição como colaborador, com uso da palavra, somente será possível àqueles que solicitarem essa condição. O edifício sede do TCU está localizado no Setor de Administração Federal Sul (SAFS), Quadra 4, Lote 1. Saiba mais.

Texto: Divulgação TCU
Edição: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação/Internet

Concurso internacional vai escolher projeto para museu afrodescendente no DF

Durante o 25º Encontro Mundial de Arquitetos, realizado entre os dias 3 e 7 de agosto na cidade de Durban (África do Sul), o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, anunciou a abertura de concurso internacional para a escolha do projeto arquitetônico do Museu Nacional da Memória Afrodescendente, que será erguido no Lago Sul – região administrativa do Distrito Federal (DF).

Arquitetos de todo o mundo poderão participar da concorrência, que prevê premiação em dinheiro e está sendo organizada em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil, departamento Distrito Federal (IAB-DF). O edital que definirá os critérios para a escolha do projeto tem publicação prevista para o mês de setembro.

Angelo Oswaldo conheceu, na cidade de Pretoria, o Freedom Park

Referências internacionais: Angelo Oswaldo visitou, na cidade de Pretória, o Freedom Park

O museu será construído no interior do futuro Parque Mandela, que será criado numa área de 65 mil m² localizada às margens do lago Paranoá e já cedida pelo Governo do Distrito Federal.

Já o museu terá entre 12 mil e 15 mil m² e contará, além de salas para exposições de longa e curta duração, com área para o desenvolvimento de projetos educacionais.

Referências
Durante a passagem pela África do Sul, o presidente do Ibram conheceu a experiência de museus que servirão de referência para o futuro Museu Nacional Afro-Brasileiro de Cultura e Memória – concebido em parceria com a Fundação Cultural Palmares e a Fundação Casa de Rui Barbosa.

Em Joanesburgo, visitou o Museu do Apartheid, onde foi recebido por seu fundador e curador, Christopher Till; na cidade de Pretória, conheceu o Freedom Park, que inclui memorial dedicado a líderes que lutaram contra a segregação racial; conheceu ainda, na Cidade do Cabo, o Slave Lodge, que aborda a história da escravidão em território sul-africano.

“Assim como na África do Sul essas narrativas se mostram imprescindíveis na conscientização e na transformação sociopolítica e comportamental do público, queremos que o Museu Nacional Afro-Brasileiro de Cultura e Memória possa irradiar uma compreensão mais lúcida sobre a presença e legado da África na cultura e na história do Brasil”, explicou Angelo Oswaldo.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: DivulgaçãoÚltima atualização: 5.9.2014

Semana de Museus 2014: presidente do Ibram participa de eventos em MG e RJ

A 12ª Semana de Museus será aberta pelo presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, no domingo (11), na cidade histórica de Congonhas (MG), com uma palestra, seguida da Série de Concertos Coloniais com o Coral Cidade dos Profetas.

AngeloOswaldo

Presidente do Ibram participa de eventos em Minas Gerais e Rio de Janeiro na próxima semana

Oswaldo também faz visita às obras de implantação do Museu de Congonhas. Ao longo da semana, pela primeira vez a futura instituição ganhará as ruas da cidade histórica em palestras, concursos educativos, lançamentos de livros e exposições, adiantando a possibilidade de futuras conexões.

A agenda oficial do presidente ainda conta com um evento no Museu de Artes e Ofícios (MAO), em Belo Horizonte e uma visita ao Museu de Arte Contemporânea (MAC), na cidade de Niterói (RJ).

Na ocasião será assinado um termo de cooperação entre o Ibram, a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e a Fundação de Arte de Niterói para a elaboração do estudo preliminar de reserva técnica compartilhada de acervos museológicos dos museus de Arte Contemporânea, Arqueologia de Itaipu, História e Arte do Rio de Janeiro e Museu Antonio Parreiras.  A criação do Sistema Municipal de Museus de Niterói também será formalizada no evento.

Este ano, a Semana de Museus reúne 1.337 instituições, que realizam mais de quatro mil atividades durante o mês de maio. O tema proposto pelo Conselho Internacional de Museus (Icom), para comemorar o Dia Internacional de Museus (18 de maio) em 2014, Museus: coleções criam conexões, estimula a valorização do colecionismo e a interação entre acervos públicos e privados no campo das realidades culturais do país.

Para Angelo Oswaldo, os números mostram o dinamismo do campo museológico brasileiro: “são mais de quatro mil ações que movimentarão o campo cultural brasileiro ao longo do mês de maio, trazendo, inclusive, reflexos positivos na economia”. Confira a programação completa do evento nacional por estado da federação.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Ministra da Cultura pensa em centro de restauração para museus federais

Nesta segunda (5), a Ministra da Cultura, Marta Suplicy, e o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, visitaram no Museu do Louvre, em Paris, o trabalho da restauradora brasileira Regina Costa Pinto Moreira – baiana que trabalha há mais de 40 anos para o museu mais visitado do mundo.

A ministra e Angelo Oswaldo (dir.) em visita ao Museu do Louvre

A ministra e Angelo Oswaldo (dir.) em visita ao Museu do Louvre

“É um trabalho inspirador e nós devemos focar em um Centro de Restauração para os museus federais nos moldes do Louvre. É uma forma interessante de se trabalhar”, destaca a ministra.

A ideia é montar um Centro Referencial de Restauração Nacional com um laboratório para fazer um exame das obras e definir o trabalho que deve ser realizado em cada peça. A contratação da restauração é feita por obra por meio de licitação.

“A intenção é conjugar recursos públicos e privados para se manter um grande programa de restauração e conservação de obras”, explica Angelo Oswaldo. No Louvre, cerca de 1,6 mil obras são restauradas anualmente.

A visita ao Louvre faz parte da viagem oficial da ministra à França, onde participa da abertura da exposição dos painéis Guerra e Paz, do pintor brasileiro Candido Portinari, no Grand Palais, no dia 6. A exposição será aberta ao público no dia 7 e conta com peças de acervos de museus Ibram. Saiba mais.

Durante a visita, a ministra foi recebida ainda pelo diretor do museu Jean-Luc Martinez. O diretor ressaltou que os brasileiros estão entre os que mais visitam o Louvre – cerca de 370 mil por ano. Continue lendo.

Texto: Priscila Costa e Silva / Ascom MinC
Foto: Fernanda Peruzzo
Edição: Ascom/Ibram

MAI e sistema de museus foram tema de reunião em Niterói esta semana

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, esteve na quarta-feira (2), em Niterói (RJ), onde se reuniu com o prefeito da cidade, Rodrigo Neves, para discutir a necessidade de melhorias no entorno do Museu de Arqueologia/Socioambiental de Itaipu (MAI/Ibram),  além da criação de um sistema integrado de museus no município.

Oswaldo (esq.) e o prefeito de Niterói durante encontro

Oswaldo (esq.) e o prefeito de Niterói durante encontro

A reunião contou ainda com a participação do presidente da Fundação de Arte de Niterói (FAN), André Diniz, das coordenadoras do Sistema Estadual de Museus do Rio de Janeiro, Lucienne dos Santos, e do Patrimônio Museológico do Ibram, Vera Mangas, além do diretor do museu, Pedro Heringer.

O presidente do Ibram destacou a necessidade de readequação urbanística no entorno do MAI, que considera fundamental para a visibilidade e acesso à instituição.

Instalado no antigo Recolhimento de Santa Teresa, fundada em 1764, o local, que reúne testemunhos da ocupação humana pré-cabralina na região, é considerado um dos sítios arqueológicos pré-históricos mais importantes do país.

“A requalificação urbana da área do entorno do museu irá organizar e valorizar o espaço público, como também o patrimônio histórico-cultural e as comunidades que o cercam”, declarou Pedro Heringer.

Entorno e valorização
Ficou definido no encontro que o Sistema Municipal de Museus, cuja criação será oficializada por decreto, será lançado no dia 15 de maio em cerimônia no Museu de Arte Contemporânea (MAC) de Niterói, quando também será apresentado um folder com o roteiro dos museus locais.

A expectativa, a partir da criação do sistema, é aperfeiçoar a sinalização dos museus locais, organizar seus horários de funcionamentos e agendas, facilitar o diálogo entre museus e instituições afins, promover o compartilhamento dos acervos, mostras conjuntas e atividades museológicas, além de melhorar o entorno dos museus através da valorização paisagística e ordenamento urbano.

Além do MAC e do Museu de Arqueologia de Itaipu, Niterói reúne instituições importantes como o Museu Antônio Parreiras, o Museu do Ingá, o Solar do Jambeiro, a Casa de Oliveira Vianna e o Museu Janete Costa de Arte Popular, reaberto no ano passado, além de vários espaços expositivos, como o recém-inaugurado Espaço Cultural dos Correios.

De acordo com o prefeito, a cidade vai ganhar em breve mais três museus: o do Cinema Brasileiro, em São Domingos; o da Ciência e Criatividade, no Caminho Niemeyer; e o do Samba e Choro, em Jurujuba.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Prefeitura de Niterói/divulgação

Estatuto de Museus não interfere no mercado de arte e valoriza coleções

Considerada uma das maiores do mundo, começa hoje (2), a Feira Internacional de Arte de São Paulo (SP-Arte). Ocupando o Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, até o dia 6, o evento este ano reúne 78 galerias brasileiras e 58 provenientes de 17 países, totalizando 136 expositores – número recorde de participantes nos 10 anos da feira.

SP-Arte abre ao público amanhã (3) no Pavilhão da Bienal

SP-Arte abre ao público amanhã (3) no Pavilhão da Bienal

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Angelo Oswaldo, esses números demonstram “a vitalidade do mercado e as amplas possibilidades de comercialização das obras de arte no Brasil”.

Segundo dados da SP-Arte, as transações realizadas em 2012 na feira por galerias paulistas e estrangeiras, sob o amparo da isenção do ICMS, somaram quase R$ 49 milhões. Em 2013, o volume chegou a R$ 99 milhões. “Neste ano a isenção de ICMS novamente assegurada pelo Estado de São Paulo para o período da feira, poderá proporcionar ainda mais negócios”. Saiba mais sobre a SP-Arte.

Estatuto de Museus
Em relação ao receio com que galeristas brasileiros têm visto o decreto de regulamentação do Estatuto de Museus, voltado à proteção de obras fundamentais para a memória cultural do país por meio da declaração de interesse público, Angelo Oswaldo diz que “o Estatuto de Museus, na verdade, valoriza a produção artística e reconhece a importância das coleções públicas e privadas”.

“O que o Ibram deseja, com base em uma legislação moderna e avançada, é proteger obras emblemáticas, sem afetar a questão da propriedade ou da comercialização”, enfatiza. “É no mínimo estranho ver que algumas pessoas do mercado de arte insistem nervosamente em propagar interpretações equivocadas sobre o Estatuto de Museus. Isso pode prejudicar apenas os seus próprios interesses”, acredita. Conheça o Estatuto de Museus e seus principais aspectos.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Equipe SP-Arte/Divulgação

Portinari e Vale Cultura: presidente do Ibram cumpre agenda em Belo Horizonte

O presidente do Ibram/MinC, Angelo Oswaldo, está em Belo Horizonte (MG), nos dias 18 e 19, cumprindo agenda oficial em eventos em dois museus mineiros.

Grupo de meninas brincando (1940), de Portinari, integra exposição

A pintura “Grupo de meninas brincando” (1940), de Portinari, integra exposição

Na noite de hoje (18), no Museu Inimá de Paula ( Rua da Bahia, 1201 – Centro), Oswaldo participa com a secretária de Cultura do Estado de Minas Gerais, Eliane Parreiras, da abertura da exposição Portinari na Coleção Castro Maya, com 59 obras em pinturas, desenhos e gravuras realizadas entre 1938 e 1958 pelo pintor modernista brasileiro – que fazem parte de acervos dos museus Castro Maya/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ).

Além da obra gráfica, a mostra apresenta ainda correspondências, documentos e fotos que contam a história entre Candido Portinari e Raymundo Ottoni de Castro Maya.

“A exposição enfoca a obra de Portinari pelo viés das relações tecidas entre o artista e o colecionador, dois importantes atores do cenário artístico brasileiro do século 20”, explica Vera Alencar, diretora dos museus Castro Maya – que também comparece ao evento na capital mineira.

Com patrocínio da Petrobras, por meio do Edital de Circulação de Exposições, a exposição itinerante, antes de chegar a Belo Horizonte, já pasou por Brasília, Salvador, Rio de Janeiro, Curitiba, São Paulo, Porto Alegre, Vitória e Belém.

Vale-Cultura
Amanhã (19), às 10h, no Museu de Artes e Ofícios (Praça da Estação – Centro), o presidente do Ibram participa, ao lado da ministra da Cultura, Marta Suplicy, da entrega simbólica de cartões Vale-Cultura da Caixa.

O banco é tanto empresa beneficiária quanto operadora do programa. Como beneficiária, foi uma das primeiras a se cadastrar no Vale-Cultura para proporcionar, aos seus empregados, acesso a eventos e produtos culturais. Como operador, o banco tem mais de 40 mil estabelecimentos comerciais, em todo o Brasil, habilitados a receber os cartões emitidos às empresas cadastradas. Saiba mais sobre o Vale-Cultura.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: Divulgação museus Castro Maya

Página 1 de 3123