Museu da Inconfidência disponibiliza online documentos musicais raros

O Museu da Inconfidência/Ibram, em Ouro Preto (MG), deu início a um processo de difusão via internet de um importante acervo musical histórico brasileiro.

Com cerca de 1,3 mil obras musicais de autores nacionais e europeus, datadas do século XVIII ao início do século XX, a base de dados de documentos musicais do Museu da Inconfidência Musicologia (MIMus) já começou a ser aberta ao público.

Base de dados com arquivos musicais do Museu da Inconfidência (MG)

Base de dados com arquivos musicais do Museu da Inconfidência (MG)

Até o momento, podem ser pesquisados dados históricos e detalhes dos verbetes das coleções Francisco Curt Lange, registrado como Memória do Mundo no Brasil pela Unesco; Arquivo Público Mineiro, Anália Esteves Ribas e José Luiz Pompeu da Silva, presentes no acervo do museu. Para pesquisar conteúdos, basta buscar por palavras-chave ou números.

O sistema MicroIsis, software de armazenamento desenvolvido pela Unesco, foi usado para recuperar os dados. A organização do material foi feita pela musicóloga Mary Angela Biason.

O preparo para a internet foi responsabilidade do doutor em Ciência da Informação pela ECI-UFMG, Agnaldo Lopes Martins, e das bibliotecárias especialistas em MicroIsis Ana Maria de Mendonça, Mariângela Macedo Cunha Poni e Lúcia Maria Alves.

A consolidação da base de dados foi financiada pelo Instituto Brasileiro de Museus com apoio da Fundação Vitae e da Caixa Econômica Federal.

A expectativa é que, em breve, as demais coleções depositadas no acervo do Museu da Inconfidência, que ainda não passaram por tratamento técnico, sejam disponibilizadas, a exemplo das Coleções Cacilda Coeli Clímaco, Joaquim Nunes de Carvalho e Família Gesteira. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram

MHN funciona normalmente mesmo com obras no entorno

O Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram), localizado entre a Praça XV e o aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro (RJ), está funcionando normalmente, mesmo com obras de urbanização no entorno do museu.

Museu Histórico Nacional (RJ)

Museu Histórico Nacional (RJ)

Além das exposições de longa duração, que abrangem dos primórdios da história do Brasil até os dias atuais, está em cartaz, até 8 de fevereiro, a exposição Bienal Europeia e Latino Americana de Arte Contemporânea (BELA Bienal), reunindo obras de 90 artistas de oito países: Alemanha, Argentina, Brasil, Dinamarca, Finlândia, França, Noruega e Suécia.

Para quem for de carro, o estacionamento do MHN, gratuito e com 23 vagas, fica aberto normalmente nos horários de funcionamento do museu: de terça a sexta-feira, das 10h às 17h30, e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h.

Dúvidas e outras questões podem ser tratadas pelos telefones (21) 3299.0324 ou 0311. Veja os acessos disponíveis e saiba mais sobre Museu Histórico Nacional.

Solar Monjardim
O Museu Solar Monjardim (MSM), que fica em Vitória (ES) e também integra a rede de museus Ibram,  passa a funcionar com novo horário, a partir de 3 de fevereiro, devido à readequação do novo contrato da empresa responsável pelo serviço de recepção aos visitantes.

De terça a sexta-feira, o museu abrirá meia hora mais cedo: das 9h às 16h30. Já aos sábados, domingos e feriados (exceto Carnaval, Natal e Ano Novo), continuará funcionando no mesmo horário: das 13h às 17h.

A entrada no museu é franca e todas as visitas são monitoradas. O agendamento prévio é necessário para grupos de 10 ou mais visitantes e pode ser feito pelo telefone (27) 3223.6609. Mais informações pelo endereço eletrônico msm@museus.gov.br.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Banco de Imagens Ibram

Rio 450 anos: museus cariocas integrarão atividades comemorativas

Nesta sexta (5), o presidente do Instituto Brasileiro de Museus, Angelo Oswaldo, e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, assinaram convênio que formaliza a criação do Passaporte Museus Cariocas em cerimônia no Palácio da Cidade, às 10h.

Logomarca oficial das celebrações dos 450 anos do Rio

Logomarca oficial das celebrações dos 450 anos do Rio

Integrado a um conjunto amplo de atividades comemorativas aos 450 anos do Rio, que decorre entre 31 de dezembro de 2014 e 1º de março de 2016, o passaporte dará ao público acesso a cerca de 40 museus cariocas de forma gratuita, em determinados dias da semana, ou a obtenção de descontos nos ingressos.

“O evento tem um papel relevante para a difusão dos valores cariocas e acontece em um momento importante para a cidade, que sediará os Jogos Olímpicos em 2016″, diz Angelo Oswaldo.

Na cerimônia foram anunciadas ainda as seis categorias de eventos e as demais iniciativas âncora, assim como o Passaporte Carioca, que integram o Calendário Comemorativo. Saiba mais.

Novo museu em Paraty
Já às 16h da sexta (5),  desta vez na Casa de Cultura de Paraty, no litoral fluminense, Angelo Oswaldo participa da Jornada de Debates Histórias e Ofícios do Território, que marca a abertura do Museu do Território, cuja missão será pesquisar, documentar, interpretar e comunicar o processo de transformação territorial da cidade de Paraty.

Com mediação do jornalista Paulo Werneck  e do pesquisador Alexandre Pimentel, o presidente do Ibram falará sobre o patrimônio material e imaterial que caracterizam a cidade.

Em palestra na cidade em 2013, Angelo Oswaldo lembrou que a integração entre acervo cultural, paisagem e natureza podem dar condições para a histórica cidade vir a ser reconhecida como Patrimônio da Humanidade – assim como foram Olinda (PE) e Ouro Preto (MG).

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: Divulgação Rio 450

Matéria relacionada
Rio 450 anos: Ibram apoiará comitê na mobilização de museus cariocas

Acesso: Museu do Diamante está com nova página na internet

A exemplo do que já ocorreu com outras instituições vinculadas à rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), o Museu do Diamante, em Diamantina (MG) – que em 2014 comemora seus 60 anos de criação – pôs no ar esta semana seu novo sítio web institucional.

Museu do Diamante em Minas Gerais

Criada com o objetivo de fornecer informações e notícias sobre o museu ao seu público, a página traz dados sobre a história do museu, seu acervo, exposições e atividades, além de fotos e agenda completa de eventos.

A página também oferece visita virtual ao museu e acesso ao blog e perfis das instituições nas redes sociais. O agendamento de visitas também poderá ser feito pelo site, com formulário próprio para turmas escolares e não escolares.

Os usuários terão também acesso ao Fale Conosco, onde o visitante poderá deixar sua sugestão, crítica, tirar dúvidas, além de outras interações. Outra ferramenta criada é o Destaque do Mês, onde serão publicadas todo mês peças do acervo do museu.

Criado em 1954, o Museu do Diamante reúne acervo formado por objetos de estilos e tipologias diversas, como indumentária e imaginária sacra, armaria, numismática, mineralogia, além de instrumentos utilizados no processo de mineração do ouro e diamante, que compõem o quadro do que foi o processo de formação e ocupação do norte de Minas Gerais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

Trajetória do Museu da República no RJ contada pela voz de antigos diretores

Museu da República (RJ)

Museu da República (RJ)

De 1960 até hoje, foram dez diretores, em sua maioria mulheres, que marcaram presença à frente do Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ). A partir da necessidade de organizar e sistematizar a documentação resultante dos seus mais de 50 anos de atividades,  foi criado o Programa de Memória Institucional do Museu da República (PMI/MR).

Coordenado pelo Arquivo Histórico e Institucional do Museu da República, o programa vem sendo desenvolvido desde 2011. Em 2014, iniciou-se a etapa de entrevistas baseada nos métodos de história oral.

Além de recontar a trajetória histórica do museu, o objetivo dessa tomada de depoimentos é também incorporá-los ao acervo na forma de documentos históricos audiovisuais. E todo esse material, produzido a partir da documentação impressa e das memórias orais dos entrevistados, será disponibilizado para consulta de pesquisadores e estudantes, ampliando a visibilidade e o conhecimento da trajetória da instituição que preserva a memória do período republicano brasileiro.

Outros desdobramentos poderão resultar desse processo. Exemplo disso é a produção de um livro sobre a história do Museu da República. Exposições e outros eventos também já estão sendo pensados a partir da materialização desse programa de resgate da memória e da trajetória do Museu da República.

O museu, que está localizado à Rua do Catete, 153, funciona de terça a sexta, das 10h às 17h; e sábados, domingos e feriados, das 11h às 18h. Outras informações pelo telefone (21) 2127.0324 e pelo endereço eletrônico mr@museus.gov.br.

Texto: Divulgação Museu da República
Edição: Ascom/Ibram

Acesso: Museu Imperial já pode ser visitado a partir da internet

Com público médio de mais de 340 mil visitantes por ano, sendo um dos museus mais visitados do Brasil, o Museu Imperial/Ibram, em Petrópolis (RJ), também pode, desde a semana passada, ter seu acervo conferido por qualquer pessoa via internet.

A Coroa Imperial está no acervo do museu em Petrópolis (RJ)

O novo recurso é resultado de uma parceria com o projeto Era Virtual Museus, lançado em 2010 e especializado em visitas imersivas a instituições museais. Mais do que visualizar as obras, os visitantes irão sentir como se caminhassem dentro do espaço, já que a ferramenta permite visualização em 360°. Além disso, a visita reserva possibilidades que vão além da visitação real. Conheça.

“Ao entrar n página do projeto, o visitante tem a mesma experiência imersiva que um jogador de vídeo game. Através de setas se pode caminhar por salas, ter informações detalhadas dos objetos e arquitetura, tem auxílio de um áudio guia, mapa e, com algumas peças, a pessoa pode até movê-las”, explica Carla Sandim, coordenadora do projeto.

Detentor de um dos mais importantes acervos históricos do Brasil, o Museu Imperial é o mais novo dos 14 projetos de visitas online já desenvolvidos pelo projeto Era Virtual. Considerando que 78,9% dos municípios brasileiros não possuem museus, a ferramenta possibilita maior difusão do patrimônio cultural musealizado nacional via acesso digital.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

Vale Cultura: após decreto, MinC prepara a regulamentação do programa

A presidenta da República, Dilma Rousseff, assinou o decreto do Vale-Cultura, publicado na edição de ontem (27), no Diário Oficial da União. Com a publicação, fica estabelecido que o Ministério da Cultura (MinC) fará a gestão do benefício em articulação com outros órgãos federais.

O Vale-Cultura é o maior Programa de incentivo ao consumo da Cultura já realizado no Brasil. A estimativa é que cerca de 42 milhões de brasileiros poderão ser beneficiados. Com isso, o potencial de recursos a serem injetados na cadeia produtiva cultural pode chegar a R$ 25 bilhões.

Etapas
“Agora falta pouco para o Vale-Cultura chegar às mãos dos trabalhadores. Com o decreto assinado, o Vale se torna uma realidade. Vamos fazer uma força-tarefa para finalizar os procedimentos internos e disponibilizar este alimento para a alma, que é o acesso à Cultura, até o fim do ano”, comemorou a ministra da Cultura, Marta Suplicy.

O próximo passo é publicar a Instrução Normativa (IN) que vai regular todo o funcionamento do Vale Cultura. A previsão é de que a IN seja publicada até o dia 6 de setembro. Enquanto isso, o grupo de trabalho do MinC fará uma reunião com empresas que tem interesse em operar o novo mecanismo de acesso à cultura.

Quando credenciadas, serão elas que vão distribuir os cartões. O MinC também está desenvolvendo o sistema que vai credenciar as empresas beneficiárias, ou seja, aquelas que poderão oferecer o benefício aos seus funcionários. Continue lendo e saiba mais no portal do MinC.

Texto: Ascom/MinC
Edição: Ascom/Ibram

 

Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial entra em nova fase

O Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial (Projeto DAMI) entra em uma nova fase com a digitalização das coleções Museu Histórico de Petrópolis e José Kopke Fróes, contabilizando 3.612 itens de natureza arquivística, bibliográfica e museológica.

A partir de agora, o projeto conta com recursos recebidos através da assinatura de um termo de parceria com o Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (CFDD), órgão colegiado, no âmbito da estrutura organizacional do Ministério da Justiça.

Além da digitalização das imagens em um banco de dados online , os itens recebem um tratamento técnico de catalogação e organização, com o objetivo de disponibilizar todo o acervo do Museu Imperial. A metá é, em aproximadamente dez anos, digitalizar todos os cerca de 300 mil itens do acervo, o que deve gerar o número estimado de 8 milhões de imagens.

A importância do projeto foi reconhecida recentemente pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM) que ressaltou que projetos como esse têm como objetivo promover maior acessibilidade ao acervo relacionado ao Brasil na monarquia dos Bragança, ressaltando o nascimento da cidade e o ambiente do Palácio durante o período imperial.