Página 5 de 512345

Estudantes de moda fazem visita técnica ao Museu Casa da Hera (RJ)

No dia 22 de outubro, o Museu Casa da Hera/Ibram recebeu cerca de 50 alunos e professores do Curso de Especialização em Moda, Cultura de Moda e Arte, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), e do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda, do Centro de Educação Superior de Juiz de Fora (CES/JF).

A visita técnica, organizada pela Coordenação do curso de Pós-Graduação da UFJF teve por objetivo conhecer o museu e, em especial, parte de sua coleção de indumentária, que conta com peças assinadas por grandes mestres do século XIX, como A. Felix Breveté e Charles Worth – considerado o “pai da alta costura” e dos desfiles de moda com modelos.

A coleção de indumentária da Casa da Hera é constituída por peças variadas, que vão desde trajes para passeio, montaria, festas e roupas para dormir, além de acessórios como sapatos, sombrinhas, chapéu e leques.

Segundo a diretora do Museu Casa da Hera, Daniele de Sá, essa abertura às instituições e grupos especializados faz parte do programa de incentivo à pesquisa sobre o repertório temático do museu. Para que outros grupos também possam ter acesso ao acervo é necessário o agendamento prévio. Leia mais sobre a visita.

O Museu Casa da Hera fica aberto ao público nos dias úteis, das 10h às 17h, e nos finais de semana e feriados, das 13h às 17h. A entrada é gratuita.

Fonte: Divulgação Museu Casa da Hera

Peças do Museu Histórico Nacional (RJ) integram a exposição Índia

Dez peças da coleção do Museu Histórico Nacional/Ibram integram a exposição Índia - em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro, de 12 de outubro de 2011 a 29 de janeiro de 2012.

São três peças de mobiliário em madeira do século XIX - mesa de centro, espreguiçadeira e cadeira de braços – e sete esculturas religiosas em marfim, integrantes da coleção Souza Lima, incorporada ao acervo do MHN/Ibram em 1940. Dentre as peças sacras, datadas dos séculos XVII e XVIII, estão imagens de Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora de Guadalupe e Nossa Senhora com o Menino Jesus.

A exposição, que ocupa 18 galerias e apresenta 380 peças, está dividida em quatro módulos – Homem, Deuses, Formação da Índia Moderna e Arte Contemporânea. A exposição Índia tem itinerância prevista para os centros culturais Banco do Brasil em São Paulo (11 de fevereiro a 06 de maio de 2012, e Brasília (21 de maio a 29 de julho de 2012).

Fonte: Divulgação MHN/Ibram

Casa de Cláudio de Souza (RJ) abre no feriado do dia 12

No feriado de 12 de outubro (quarta-feira), a Casa de Cláudio de Souza,  que integra o Museu Imperial/Ibram, estará aberta à visitação. O horário de funcionamento é das 11h às 18h e a entrada é gratuita.

Atualmente, o público pode conhecer a exposição temporária “O olhar feminino na literatura de Cláudio de Souza”, que apresenta a forma como o escritor explorava o universo feminino em seus livros, peças e artigos. Entre os destaques, estão os textos escritos para a Revista Feminina, sob o pseudônimo de Anna Rita Malheiros.

A casa, que pertenceu ao escritor, dramaturgo e acadêmico Cláudio de Souza, data de fins do século XIX. Seu estilo arquitetônico eclético é completado com vitrais, painéis de azulejos do século XVIII, pinturas no teto pela técnica francesa marrouflage e outros elementos inseridos por seu ilustre proprietário.

No espaço, o visitante pode conferir a exposição permanente com móveis e objetos do escritor que recontam um pouco de sua vida em Petrópolis. Além disso, é possível consultar a biblioteca de Cláudio de Souza, composta por 660 obras de sua autoria e de outros escritores consagrados.

Serviço
Casa de Cláudio de Souza
Endereço: Praça de Liberdade, 247, Centro, Petrópolis
Telefone: (24)2245-3418

Museu Imperial inaugura exposição de retratos femininos

Como parte da programação da 5ª Primavera dos Museus, que este ano traz como tema “Museus, mulheres e memórias”, o Museu Imperial, em Petrópolis (RJ), inaugura na terça-feira (20) uma mostra temporária com os retratos femininos que compõem o acervo da instituição.

Os retratos apresentam mulheres não pertencentes à família imperial, entre elas baronesas, viscondessas, senhoras da aristocracia, anônimas e aquelas que por muito tempo foram “esquecidas”. A exposição permite observar como as figuras femininas eram retratadas no Brasil do século XIX.

Além da mostra, o Museu Imperial e a Casa de Cláudio de Souza, ligada à instituição, promovem outras atividades durante a 5ª Primavera dos Museus. Entre elas,  está disponível para acesso a exposição virtual “Mulheres, Museu Imperial e memória”. São cerca de 60 fotografias e ilustrações que apresentam as mulheres no acervo e na história do Museu Imperial. A exposição pode ser vista no portal www.museuimperial.gov.br/.

Já a exposição “O olhar feminino na literatura de Cláudio de Souza”, também aberta na terça-feira (20), aborda não somente seus livros, mas também seus artigos para a Revista Feminina, na qual escrevia sob o pseudônimo de Anna Rita Malheiros.

SERVIÇO

5ª Primavera dos Museus
Datas: de 19 a 25 de setembro de 2011
Locais: Museu Imperial e Casa de Cláudio de Souza
Entrada franca

Museu Imperial
Endereço: Rua da Imperatriz, 220 – Centro – Petrópolis, RJ
Telefones: (24) 2245-5550 / (24) 2245-5560
Site: www.museuimperial.gov.br
Visitação: de terça a domingo, das 11h às 18h
Jardins: de terça a domingo, das 8h às 18h

Casa de Cláudio de Souza
Endereço: Praça de Liberdade, 247, Centro, Petrópolis
Telefone: (24)2245-3418
E-mail: mimp.casaclaudiodesouza@museus.gov.br
Visitação: de terça a sexta, das 11h às 18h

Museu Imperial promove seminário sobre digitalização de acervos

Estão abertas até 30 de agosto as inscrições de ouvintes para o Seminário Nacional de Digitalização, Preservação e Difusão de Acervos Patrimoniais, que será promovido pelo Museu Imperial de 19 a 21 de outubro.

O evento é uma iniciativa do Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial (Projeto DAMI) e fará parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. O objetivo é debater o processamento técnico de acervos arquivísticos, bibliográficos e museológicos nas instituições de guarda públicas e privadas, visando à democratização do acesso aos bens culturais através da digitalização e disponibilização online.

Ibram e Museu Casa da Hera concluem inventário de acervo

O Museu Casa da Hera/Ibram, em Vassouras (RJ), concluiu o inventário do acervo museológico da instituição. Ao todo, foram identificadas 1.219 peças, especialmente mobiliário, porcelanas, prataria, pinturas e objetos de uso pessoal de Eufrásia Teixeira Leite, última proprietária do imóvel. O inventário foi realizado graças a parceria entre o museu e a Coordenação de Patrimônio Museológico do Ibram.

Dentre os itens da coleção destacam-se o piano Henri Herz, de 1862, ainda em funcionamento, o aparelho de jantar em faiança inglesa com monograma e peças de indumentária desenhadas por estilistas famosos, como Charles Worth, considerado o “pai da alta-costura” e dos desfiles de moda com modelos. A casa Worth vestia uma elite que incluía a realeza européia, famílias ricas dos Estados Unidos e atrizes famosas.

Museu Imperial reinaugura pórtico de pedra do palácio

No dia 16 de março, quarta-feira, a cidade de Petrópolis (RJ) comemora 168 anos e o Museu Imperial, 68 anos. Para celebrar a data, o museu terá visitação gratuita não só para moradores da cidade, mas também para todos os visitantes.
O duplo aniversário também foi a data escolhida pelo museu para reabrir oficialmente o pórtico de pedra da fachada do palácio, que desde novembro de 2010 vinha passando por processo de restauração. A cerimônia de reinauguração começa às 15h, com presença do presidente do Ibram, José do Nascimento Júnior, representando a ministra da Cultura, Ana de Hollanda.

O restauro reparou danos na estrutura do pórtico, que apresentava manchas escuras, vegetação, fendas e modificação da textura, além de deformação volumétrica do material, descolamento de pintura e outros problemas. Também foram restaurados os cachepots (vasos) de mármore, as rampas de acesso e a balaustrada.

O processo teve como premissa interferir o mínimo possível na estrutura e usar materiais não agressivos. As próteses inseridas, por exemplo, foram feitas com o material original, o granito, sempre com pigmentação o mais próximo possível da existente. Ao final do restauro, foi aplicado um protetivo, substância que preserva a pedra contra intempéries. O pórtico dá acesso à entrada principal do museu e é elemento importante da arquitetura do palácio.
Guia – No dia 16, o público receberá ainda outro presente: será lançado o Guia de Visitação do Museu Imperial, que passará a ser distribuído diariamente a todos os visitantes de forma gratuita. Patrocinada pela família imperial brasileira, a publicação descreve todos os ambientes do palácio e seus anexos, além de destacar as principais peças do acervo. O guia relata também algumas curiosidades, como hábitos da família imperial e seu cotidiano em Petrópolis, e apresenta um histórico do museu e os setores técnicos da instituição.

Comunidade homenageia Nossa Senhora do Rosário e São Benedito em Paraty

Mantendo uma tradição que remonta ao século XVIII, a paróquia de Nossa Senhora dos Remédios realiza a Festa de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, em Paraty (RJ). Até domingo, 21/11, uma pequena procissão sairá às 19h da casa dos festeiros  empunhando bandeiras e estandartes com imagens do Santo e da Virgem, rumo à Igreja do Rosário, no Centro Histórico da cidade. No trajeto, os fiéis buscam a imagem do Santo, guardada na casa de um devoto, e são acompanhados pela Banda Santa Cecília e folia. O ritual começou no dia 12 de novembro. No encerramento do evento, no dia 21, o Rei e a Rainha da festa serão coroados.

As peças que integram essa festa (incluindo as utilizadas na coroação), dos séculos XVIII e XIX, pertencem à Paróquia de Nossa Senhora dos Remédios e são parte do acervo do Museu de Arte Sacra, vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC). Confeccionadas em prata repuxada, as peças são emblemáticas na comunidade, e todo ano são utilizadas nesses festejos e procissões, sendo exibidas em altar próprio na Casa do Festeiro.

Ana Lúcia Cananéa, que neste ano organiza a festa com as filhas Ana Carolina e Olívia, comenta a grande alegria que é ser uma “festeira”: “Dá muito trabalho, mas é uma alegria sem tamanho. E neste ano a festa está de roupa nova”, diz, referindo-se às bandeiras e estandartes pintados a mão pelo artista mineiro Walter Paiva.  

Histórico da festa
Os reis e rainhas de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito possuíam grande prestígio durante o ano de seu reinado, nas comemorações realizadas nos séculos XVIII, XIX e XX. Constam dos livros da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário de Paraty seus nomes e identificações. Em Paraty, a festa agregava os negros da zona urbana e zona rural.

Página 5 de 512345