Museu da República adquire quadro histórico de Emil Bauch

Datado de 1867, quadro retrata o casal de moradores originais do Palácio do Catete – que, a partir de 1887, tornou-se a sede do poder executivo brasileiro e residência oficial da Presidência da República.

Datado de 1867, quadro retrata o casal de moradores originais do Palácio do Catete – que, a partir de 1887, tornou-se a sede do poder executivo brasileiro.

O Museu da República, situado no Rio de Janeiro (RJ) e integrante da rede Ibram, adquiriu nos últimos dias o quadro “Barão e Baronesa de Nova Friburgo”, de autoria do pintor alemão Emil Bauch, obra que possui conexão estreita com a história da instituição.

Datado de 1867, o óleo sobre tela de 3,90×2,94m retrata o casal Antônio Clemente Pinto e Laura Clementina da Silva, moradores originais do Palácio do Catete – que, a partir de 1887, tornou-se a sede do poder executivo brasileiro e residência oficial da Presidência da República, funções que abrigou até 1961, com a transferência da capital federal para Brasília (DF).

O quadro pertencia desde 1920 ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e encontrava-se desde 1974 sob a guarda do Museu da República, em caráter de comodato, e em exposição permanente no Palácio do Catete. Sua incorporação definitiva ao acervo do Museu da República integra política de regularização de uma série de bens culturais sob a guarda da instituição, que pertence à rede Ibram.

A aquisição da obra, efetuada após avaliação de empresa especializada pelo valor de R$ 450 mil, foi realizada através de dispensa de licitação, conforme a Lei nº 8.666/93, com recursos provenientes do Fundo Nacional de Cultura.

A avaliação do quadro, que lhe concedeu parecer de autenticidade, levou em conta aspectos temáticos, técnicos, estéticos e formais, e incluiu análise comparativa por meio de imagens fotográficas, exame com lentes de aumento, aplicação de luz ultravioleta e consulta bibliográfica e documental.

O autor

Pintor de paisagens, cenas de gênero e retratos, litógrafo e aquarelista, Emil Bauch nasceu em Hamburgo (Alemanha) em 1823 e faleceu no Rio de Janeiro provavelmente na década de 1890.

O retrato dos Barões de Nova Friburgo é considerado um dos mais significativos da retratística brasileira do século XIX, mais especificamente da iconografia da nobreza cafeeira do Vale do Paraíba, com importante influência nos meios políticos e sociais do Rio de Janeiro.

A obra faz parte de um amplo projeto civilizatório e de autoafirmação do fazendeiro e comerciante Antonio Clemente Pinto, verdadeiro self-made man oitocentista de origens simples que acabou tornando-se dono de uma das maiores fortunas da época.

Acervo em Rede: sistema desenvolvido pelo Ibram já tem nome

O novo Sistema de Catalogação e Gestão do Patrimônio Museológico, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), já tem um nome: Acervo.

6º FNM: a votação esteve disponível durante os dias 24 e 28 de novembro

6º FNM: a votação esteve disponível durante os dias 24 e 28 de novembro em Belém

Escolhido entre 22 opções dadas pelos participantes do 6º Fórum Nacional de Museus, realizado em novembro em Belém (PA), o nome foi proposto por Joel Santana da Gama, coordenador do Sistema Estadual de Museus do Rio Grande do Sul (SEM/RS).

Entre todas as denominações sugeridas, ele foi considerado pelos membros da Comissão Julgadora o melhor por sintetizar, de modo simples e claro, a finalidade a que se destina.

O Acervo terá capacidade para exportar dados do Inventário Nacional dos Bens Culturais Musealizados (INBCM), instrumento de inserção periódica de dados sobre os bens culturais musealizados, que integram os acervos museológico, bibliográfico e arquivístico dos museus brasileiros, para fins de identificação, acautelamento e preservação, previstos na Política Nacional de Museus.

“Pensei em associar o nome da plataforma a algo que as pessoas já têm conhecimento, como é o caso do programa de que o sistema faz parte, o Acervo em Rede. Na verdade, essa plataforma é um complemento para ele,” explica o vencedor do concurso. O sistema será gratuito e deve estar disponível no primeiro semestre de 2015.

O Programa Acervo em Rede tem o desafio de promover, por meio da internet, o acesso dos cidadãos aos bens culturais preservados nos museus de todo território nacional. Atualmente, no universo de mais de 3,4 mil museus brasileiros, apenas 10% das instituições possuem informações dos seus acervos em meio digital. Saiba mais.

Texto e foto: Ascom/Ibram