Museus e antropologia: encontro reuniu vertentes das duas áreas em SP

A Antropologia vai aos Museus. Os Museus vão à Antropologia foi o evento que o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) e a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), realizaram, entre os dias 29 de junho e 1º de julho, no Museu de Arte de São Paulo (Masp).

O objetivo do encontro, segundo Bela Feldman-Bianco, presidente da ABA, era apresentar e discutir as intersecções entre a antropologia e os museus. Para isso, o evento contou com seis painéis sobre temas relacionados às duas áreas de conhecimento.

Na abertura, o antropólogo Roberto DaMatta falou de sua trajetória na antropologia, relembrando as dificuldades enfrentadas nos anos 60, quando “escrevia para poucos lerem e menos ainda entenderem”.

Tradição e tecnologia
O primeiro painel contou com João Pacheco de Oliveira (UFRJ) e Roque Laraia (UNB) e apresentou situações de quatro instituições distintas: tradicionais e com foco no ensino - Museu Nacional (RJ) e Museu Antropológico da UFG (GO) - e iniciativas recentes que têm a comunidade como foco – Museu da Maré (RJ) e Ponto de Memória Terra Firme de Belém (PA).

Redes, hipermídia, virtualidade: um novo museu? foi o tema do segundo painel que apresentou os museus do Futebol, da Língua Portuguesa e da Imigração, todos em São Paulo. Para Antônio Carlos de Moraes Sartini, do Museu da Língua Portuguesa,“os museus do futuro não têm uma cara, têm várias; e a tecnologia é mais uma ferramenta, entre tantas disponíveis para que o museu possa transmitir sua mensagem”.

As atividades de sábado encerraram-se com o tema Antropologia em rede: Museu Afrodigital, que contou com representantes das universidades federais da Bahia e Pernambuco, além da estadual do Rio de Janeiro, que fazem parte do projeto do Museu Afrodigital.

Painel Música e Performance durante evento ABA-Ibram no Masp

Fernando de Tacca, doutor em Antropologia, e o antropólogo Terri Aquino apresentaram seus trabalhos junto a comunidades indígenas no painel de abertura do domingo (1º de julho).

Tacca, por meio de fotografias tiradas durante a Comissão Rondon, analisou a construção da imagem ”oficial” do índio. Já Aquino apresentou a situação das etnias que vivem na fronteira do Brasil com o Peru, enfatizando o avanço crescente sobre as terras indígenas protegidas.

No painel Música e Performance, as percursionistas Alessandra Belloni e Magda Pucci, do grupo Mawaca, e a antropóloga e atriz Regina Muller apresentaram seus trabalhos relacionando as duas áreas. O grupo Mawaca recria temas tradicionais de variadas etnias, buscando conexões com a música brasileira. E Regina Muller, com a sua Chica Chic (performance de Carmen Miranda) mistura antropologia e arte.

O evento foi encerrado pelo presidente do Ibram, José do Nascimento Junior, e Bela Feldman-Bianco, presidente da ABA. Nascimento reforçou a importância de eventos como esse para o fortalecimento dos estudos no campo museal e destacou a parceria com a Associação Brasileira de Antropologia.

Texto: Valentina Naves (Ascom/Ibram)
Foto: Antonio Carlos

Publicado em

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório e-mail válido)
  3. (obrigatório)
  4. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days