Museu Lasar Segall abre mostra no próximo sábado (28)

???????????????????????????????O Museu Lasar Segall/Ibram, em São Paulo, dando continuidade a temporada de exposições temporárias, a partir do dia 28 de novembro próximo apresenta mais uma vez ao público fotografias de Facundo de Zuviría (Argentina 1954). A mostra intitulada Frontalismo: Facundo de Zuviría, traz 36 fotografias da série Siesta Argentina, produzida entre 2001 e 2003. No mesmo dia, ainda, será inaugurada a nona edição do projeto Intervenções que tem como convidado o artista Macaparana.

A série de Zuviría faz alusão ao período de grave crise econômica, política e social enfrentada na Argentina a partir do ano 2001, que diante da fuga de capitais, do déficit fiscal, da recessão e das restrições impostas a saques bancários, geraram no país distúrbios que levaram a greve geral, manifestações, saques e ondas de violência.

O olhar do fotógrafo, num primeiro momento, se atém com familiaridade à paisagem urbana e a memória cotidiana da cidade por meio de bares, cabelereiros, tinturarias e estabelecimentos comerciais, reconhecidos e enquadrados a partir da frontalidade, para em seguida capturar no instante fotográfico os restos de cartazes, pichações inacabadas, anúncios publicitários sobrepostos contrapondo-se a superfícies claras e límpidas, como se essa fosse a condição natural do país.

As fotografias mostram, mesmo que não explicitamente, a crise econômica, política e social, na qual o país estava mergulhado naquele momento, proporcionando ao público a possibilidade de refletir tais questões por meio das próprias imagens.

Intervenções

Em sua nona edição o projeto Intervenções, que apresenta anualmente três artistas contemporâneos, com projetos inéditos, no jardim do Museu, propiciando ao público uma reflexão sobre as relações entre espaço arquitetônico, espaço público e artes visuais, convidou o artista Macaparana (PE-1952), pintor, desenhista e escultor.

A obra é um díptico confeccionado em aço inoxidável, um desdobramento da série Sara executada sobre papel em homenagem a uma grande amiga, feito a partir de hastes e esferas fixadas ao chão e na parede, apresentadas em duas situações, na vertical e na horizontal.  Retas e círculos projetados no espaço, representando um jardim. Ele estabelece conexões entre o universo plástico do artista, e o ambiente cercado pela vegetação.

As estruturas duras, rígidas e frias dos objetos ampliam o campo de visão e a percepção sobre as relações entre arte e natureza. Há uma interação entre o jogo de luzes e sombras, em diferentes situações, proporcionada pela luz natural e artificial.

Texto e foto: Ascom Museu Lasar Segall

Publicado em

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório e-mail válido)
  3. (obrigatório)
  4. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days