Museu Imperial recebe doação de fragmentos de trajes usados por imperadores

O Museu Imperial/Ibram, em Petrópolis (RJ), receberá, da historiadora e arqueóloga Valdirene Ambiel, a doação de fragmentos dos trajes com os quais os imperadores d. Pedro I e d. Leopoldina foram enterrados.

Valdirene é responsável pela pesquisa que levou à exumação dos imperadores d. Pedro I, d. Leopoldina e d. Amélia e reuniu uma equipe interdisciplinar da USP, que incluiu 12 cientistas de especialidades diferentes. Intitulado Estudos de Arqueologia Forense Aplicados aos Remanescentes Humanos dos Primeiros Imperadores do Brasil Depositados no Monumento à Independência, o estudo será publicado pelo Museu Imperial, conforme anunciou o diretor do MIMP, Maurício Vicente Ferreira Junior.

Fragmentos de galões do imperador d.Pedro I

Serão doadas partes do manto da imperatriz d. Leopoldina – também utilizado por ela na cerimônia de coroação do marido – e do traje do imperador, bem como o salto de sua bota.

“Nós retiramos esses fragmentos para análise e uma parte ‘sobrou’. Eu queria doar a uma instituição pública para ser pesquisado e preservado e escolhi o Museu Imperial, que, além de uma instituição de pesquisa, funciona na antiga casa do filho de d. Pedro I e d. Leopoldina”, destacou a pesquisadora. Ela complementou que, no caso de d. Amélia, o fragmento retirado foi muito pequeno e, por isso, foi todo utilizado nas análises.

O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr., ressaltou a importância da doação e do simbolismo das peças. “O salto da bota de d. Pedro I é emblemático porque, durante seu período como imperador do Brasil, ele sempre fez questão de ser retratado como um cavaleiro. Não há imagens do imperador em que ele não apareça calçando botas. No caso de d. Leopoldina, ela foi enterrada com o mesmo traje usado na coroação do marido”, lembrou.

As peças serão higienizadas e pesquisadas pela equipe do Museu Imperial. Em seguida, serão expostas ao público.

Aquisição de acervo
As peças vão se somar a outras 2.664 que foram incorporadas ao acervo do Museu Imperial nos últimos dez anos.

Painel de Portinari no MNBA: exposição deve acontecer em março

Um levantamento do Ibram junto aos museus vinculados ao Instituto constatou que, desde 2003, cerca de 75 mil itens foram incorporados aos seus acervos por meio de doação, compra, ou transferência.

A compra do quadro A Primeira Missa, de Cândido Portinari, que está no Museu Nacional de Belas Artes (RJ), e de uma pintura religiosa, Nossa Senhora da Soledade, atribuída ao Mestre Ataíde, para o Museu da Inconfidência (MG), são as aquisições mais recentes, feitas em dezembro de 2012.

O Museu da Abolição (PE) também recebeu, por meio de doação, a escultura Samburu Dance I, da artista holandesa Marianne Houtkamp. A obra foi apreendida pela Receita Federal após tentativa de importação com uso de documentos falsos, em 2012. Saiba mais.

Escultura foi doada ao Museu da Abolição/Ibram (PE)

Dentre as aquisições, diversas coleções, objetos que fazem parte da história do Brasil, animais e plantas. O Museu que mais incorporou peças ao acervo foi o Museu de Biologia Professor Mello Leitão (ES): foram 37.431 itens. Os museus Lasar Segall (SP), Histórico Nacional (RJ) e Belas Artes também têm um número alto de aquisições.

A preservação e ampliação dos acervos dos museus fazem parte da Política Nacional de Museus. Implementada em 2003, ela tem, como um de seus pilares, a valorização do patrimônio cultural sob a guarda dos museus e o incentivo a programas e ações que viabilizem a conservação, a preservação e a sustentabilidade do patrimônio cultural submetido a processo de musealização.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Divulgação

Publicado em

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório e-mail válido)
  3. (obrigatório)
  4. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days