Museu Histórico Nacional exibe obras de Candido Portinari

A tela “Fogo” de Portinari sendo fixada: MHN exibirá série do artista enquanto o palácio Capanema passa por obras de  restauração e modernização

A tela “Fogo” de Portinari sendo fixada: MHN exibirá série do artista enquanto o palácio Capanema passa por obras de restauração e modernização

Realizada por Portinari em meados da década de 1940, a série abstrata de grandes dimensões “Os quatro elementos” decora o interior de alguns dos gabinetes do edifício – marco da arquitetura modernista brasileira, inaugurado em 1943 no centro do Rio.

O artista foi responsável tanto pelas telas e murais do interior do palácio quanto pelo desenho dos azulejos que revestem seu exterior.

Devido às obras de restauração e modernização pelas quais o edifício Gustavo Capanema passa desde 2014, o MHN será o fiel depositário dos quadros durante os três anos previstos para o fim dos trabalhos.

Neste primeiro momento, serão exibidas duas das quatro telas: “Água” e “Fogo”. As telas “Ar” e “Terra” passarão por um processo de restauro antes de se juntarem às demais – o que deve acontecer no mês de setembro. Será a primeira vez que a série completa será exibida fora do palácio Capanema.

A obra “Fogo” apresenta tons de ocre, marrons passando a vermelhos e azuis intensos. Já “Água” apresenta tons de verde passando por azuis intensos e alguns tons de vermelho. Ambas as telas decoravam o gabinete que pertencera ao escritor Carlos Drummond de Andrade, então chefe de Gabinete do ministro Gustavo Capanema (1900-1985), quando o prédio era a sede do Ministério da Educação e Saúde durante o Estado Novo.

“Abrigar temporariamente as famosas telas abstratas de Candido Portinari afirma o compromisso com a renovação das formas de pensar e abordar a história do Brasil e traduz o empenho da instituição em fortalecer a sua imagem contemporânea”, pontua o diretor do MHN, Paulo Knauss

A exibição é resultado de cooperação técnica entre o MHN, que integra a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), e a superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Rio de Janeiro, com o apoio logístico da empresa Rei de Ouro.

O Museu Histórico Nacional funciona de terça a sexta, das 10h às 17h30; e aos finais de semana e feriados, das 13h às 17h. A entrada custa R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Aos domingos, a entrada é gratuita para todos os públicos.

Texto e fotos: Ascom/MHN

Publicado em

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório e-mail válido)
  3. (obrigatório)
  4. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days