FNM: saiba o que aconteceu na quinta-feira (1)

IMG_5023No segundo dia de painéis do 7º Fórum Nacional de Museus, diversos temas ligados aos desafios e possíveis caminhos contemporâneos para a preservação e promoção de museus e coleções voltaram a estar em pauta e atrair o interesse do público que participa do evento em Porto Alegre (RS).

Os três painéis realizados na quinta-feira (1º) abordaram a gestão da propriedade intelectual sob a guarda dos museus, novas abordagens para o cumprimento de sua função social na atualidade e a digitalização de acervos.

Com o tema Preservação e acesso à informação museal em meio digital, o Painel 6 da programação iniciou com a apresentação de case sobre o Museu do Doce, quando foram expostos os projetos de acessibilidade e tecnologia do museu, com destaque para projeto de realidade aumentada desenvolvido em conjunto com a Universidade Federal de Pelotas.

Em seguida, o painelista José Murilo Carvalho Junior, coordenador de Arquitetura da Informação da Coordenação-Geral de Sistemas de Informação Museal do Ibram, apresentou o Projeto Tainacan+Museu. Os painelistas Wellington Pedro da Silva, representante do Ponto de Memória Taquaril (MG), e Daniel Flores, doutor em Metodologias e Linhas de Investigação em Biblioteconomia e Documentação, também trouxeram ao público reflexão sobre a função do acervo a partir do uso de tecnologias por museus comunitários e sobre as estratégias de preservação digital, uso de banco de dados, plataformas de acesso e segurança de repositórios digitais.

Função social dos museus: novas abordagens frente às transformações sociais trouxe como painelistas a diretora do Núcleo de Pesquisa do Museu do Samba (RJ), Desirree Reis; a diretora do Museu do Sexo da Putas (MG), Cida Vieira; e Suzenalson da Silva Santos, representante do Museu Indígena Kanindé (CE). Mediado pela diretora do Departamento de Processos Museais do Ibram, Renata Bittencourt, a mesa abordou, através da apresentação das três experiências e debate com o público, o museu como ferramenta privilegiada para a promoção dos direitos humanos e respeito à diversidade, combate a violências e empoderamento de grupos sociais vulneráveis.

O terceiro painel do dia, A utilização criativa de acervos de museus e a gestão da propriedade intelectual, teve como mote a criação de laços afetivos com o público, a partir da oferta de experiências completas que façam os visitantes permanecerem por mais tempo nas instituições, continuando esse relacionamento após o término da visitação – a exemplo do desenvolvimento de produtos das lojas e cafés ligados à temática dos museus. O assunto foi abordado por Rafael Ferraz Vazquez, advogado associado e consultor sobre Direito Autoral da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI); Cláudia Porto, museóloga e consultora de museus, membro da diretoria do Icom para o Desenvolvimento de Coleções, e Gabriela Agustini, professora de Cultura e Tecnologia na Universidade Cândido Mendes e Fundação Getúlio Vargas, sócia e diretora de inovação no Olabi. A mediação foi da diretora do Departamento de Difusão, Fomento e Economia de Museus do Ibram, Eneida Braga. Continue lendo.

 II Conferência

7FNM_AlanTrampeNa segunda Conferência do 7º FNM, Alan Trampe Torrejón falou sobre a Valorização dos museus por meio da cooperação internacional e os 10 anos da Declaração de Salvador.

Torrejón, que é subdiretor Nacional de Museus da Direção de Bibliotecas, Arquivos e Museus do Governo do Chile e membro fundador do Programa Ibermuseus, destacou a mudança na concepção de cooperação, que antes era vista apenas como um caminho para se conseguir recursos.

Ele afirmou que, após a Declaração de Salvador, os museus ibero-americanos passaram a trabalhar com uma concepção de cooperação mais horizontal e destacou o protagonismo do Brasil no desenvolvimento do setor na região, que levou à criação do Programa Ibermuseus.

“Houve um avanço significativo na compreensão de que cooperação, com mais diálogo, com a compreensão de problemas comuns e uma reflexão para encontrar solução para assuntos comuns, tendo ciência das especificidades de cada um”, comentou.

Torrejón levantou ainda questões sobre o papel dos museus, suas problemáticas, suas relações com a sociedade e ressaltou que ainda há muito o que avançar em termos de cooperação regional, pois ainda há vários países que não têm políticas específicas para o setor de museus.

Assista a Conferência na integra aqui.

Publicado em

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório e-mail válido)
  3. (obrigatório)
  4. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days