Carta vai definir diretrizes para Política Pública de Direito à Memória

O programa Pontos de Memória divulga, nos próximos dias, o texto final de documento com estratégias de articulação em rede voltadas para a construção e fortalecimento de uma Política Pública de Direito à Memória.

A carta, que está sendo formatada, é resultado de encontro realizado, entre 4 e 6 de junho, na sede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) com  32 representantes e articuladores de Pontos de Memória e museus comunitários das cinco regiões do Brasil.

Autonomia, descentralização, diversidade e cooperação foram os princípios norteadores da carta, que apresenta 15 princípios, 18 propostas e 13 itens de agenda voltados para a articulação de redes, fomento, financiamento e sustentabilidade, qualificação e inventário participativo.

Assegurar que as iniciativas sejam geridas por instâncias participativas; garantir a autonomia e a descentralização das iniciativas comunitárias de memória, fomentando a cooperação entre as redes estaduais; e instituir a formação em rede como parte do processo de articulação das redes estaduais foram alguns dos pontos pactuados.

O documento, que em breve estará disponível para consulta, será referendado na IV Teia da Memória, que acontece ainda este ano.

Texto: Ascom/Ibram

Publicado em

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório e-mail válido)
  3. (obrigatório)
  4. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days