Biblioteca Araújo Porto Alegre, MNBA, se moderniza oferecendo novos serviços

Biblioteca Araújo Porto Alegre, MNBA

Biblioteca Araújo Porto Alegre, MNBA

Considerada uma das mais importantes do país no segmento de artes visuais, museologia, arquitetura e história da arte dos séculos 19 e 20, a biblioteca Araujo Porto Alegre do Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, no Rio de Janeiro, acaba de passar por uma modernização que vai trazer benefícios  para seus usuários.

A sala de leitura, com 74m², de área recebeu mobiliário novo com mesas e cadeiras e um balcão de atendimento. Além disso, o frequentador agora conta com dois computadores para facilitar sua consulta,  acessar o sistema PHL contendo banco de dados com o acervo bibliográfico e também conectar o sistema Donato, que armazena o acervo museológico do MNBA.

Reformulado e emoldurado por telas de Raimundo Cela e Antonio Parreiras, o espaço de leitura oferece para fruição catálogos, periódicos, livros e revistas novos recebidos pela Biblioteca.

As obras começaram há dois anos e segundo Mary Komatsu,  chefe da biblioteca,  ainda  são esperados novos arquivos deslizantes, que ampliarão  a capacidade de armazenamento de publicações e acondicionamento do acervo arquivístico. Entre os planos futuros  a bibliotecária Mary adianta que serão oferecidas atividades culturais como lançamentos de livros e palestras.

Agora o espaço de leitura passa a funcionar de terça a sexta das 10h até 17h.  A entrada é franca.

Situada no 2º piso, a Biblioteca reúne em seu acervo bibliográfico obras raras e uma grande coleção de livros, obras de referências, periódicos especializados, catálogos de exposições nacionais e estrangeiras, possuindo também um arquivo biográfico de recortes de jornais  e revistas mais clippings dos eventos do MNBA desde o século passado. Entre suas coleções particulares estão as de Quirino Campofiorito,  Paulo Herkenhoff,  Walmir Ayala e Pedro Xexéo.

O nome da biblioteca é uma homenagem ao pintor, cenógrafo, arquiteto, caricaturista,  poeta, diplomata Araújo Porto Alegre, pioneiro dos estudos de história e crítica da arte no Brasil Foram investidos R$ 700 mil entre obra civil e mobiliário com recursos do IBRAM/MinC visando à preservação da memória do nosso país.

Publicado em

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório e-mail válido)
  3. (obrigatório)
  4. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days